“Uma Vida Sem Propósito Não É Vida” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “Uma Vida Sem Propósito Não É Vida

John Haptas e Kristine Samuelson, indicados ao Oscar de melhor documentário curta-metragem por “Life Overtakes Me”, posam em uma recepção na Academia de Artes e Ciências Cinematográficas em Beverly Hills, Califórnia, EUA, 4 de fevereiro de 2020. REUTERS/Mario Anzuon

Um aluno meu assistiu ao filme, “Life Overtakes Me”, que conta a história de crianças refugiadas na Suécia que sofrem uma doença semelhante ao coma chamada “síndrome de resignação” por causa das incertezas de seu status legal. O estudante se perguntou como as crianças parecem “escolher” a morte sobre a vida, embora o medo da morte seja supostamente o sentimento mais profundo e primordial.

É aí que eu acho que meu aluno errou: o medo da morte não é o medo mais fundamental, mas sim o medo da vida, ou mais corretamente, o medo da vida sem propósito!

No minuto em que vivemos sem uma razão para viver que é superior à própria vida, descemos a um estado que está abaixo da vida. Os animais não têm essas perguntas; eles simplesmente existem porque seguem seus instintos. Portanto, para eles, a existência é vida.

Os humanos, por outro lado, precisam saber por que fazem o que fazem. Caso contrário, eles não têm motivação para agir, e todos os tipos de fenômenos regressivos ocorrem, do abuso de substâncias à depressão, à síndrome de resignação e ao suicídio. A razão pela qual o suicídio e outros comportamentos autolesivos são tão comuns entre os humanos e tão raros entre os animais é que os humanos precisam de um objetivo, um propósito na vida, enquanto os animais não. Uma vida sem objetivo é pior que a morte, então as pessoas preferem a morte à falta de objetivo.

No entanto, a sensação de que não temos propósito na vida é um motor poderoso. Nos faz questionar tudo. As maiores descobertas da humanidade foram feitas quando as pessoas buscaram respostas para a vida.

Hoje, as pessoas parecem ter tudo o que precisam para viver uma grande vida, mas não têm motivos para viver. Portanto, elas se perguntam para que serve a vida.
Essa pergunta é a mais essencial que se pode fazer, pois a resposta não está dentro de nós, mas entre nós. A razão de nossa existência é nosso valor na rede que compõe a humanidade. Cada um de nós é uma parte única nesta rede, e ninguém pode preencher a cavidade criada quando um de nós está faltando. Quanto maior nossa contribuição para a força da rede, maior nosso valor como indivíduos.

É por isso que hoje, sociólogos e psicólogos estão descobrindo que a chave para a felicidade é a qualidade de nossos laços sociais. Somente quando temos laços sociais positivos, quando cada um de nós percebe seu potencial em benefício de todo o ecossistema humano, é que somos verdadeiramente felizes e ao mesmo tempo contribuímos com nossas comunidades, nossos países e o mundo.

Podemos estabelecer uma sociedade equilibrada, cujos membros estão contentes e felizes, mas não exploram outras pessoas ou o meio ambiente, somente quando cada um de nós cuida dos outros e encontramos nossa felicidade em nossa conexão com os outros, onde podemos realizar nosso potencial pessoal em benefício da sociedade e do mundo inteiro.

Comente