“Propagar Mudança De Sexo Para Crianças Em Idade Escolar? Absolutamente Não!” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Propagar Mudança De Sexo Para Crianças Em Idade Escolar? Absolutamente Não!

Eu fui questionado sobre minha posição sobre a questão de propagar a legitimidade de crianças que passam pelo processo de mudança de sexo. Na América do Norte, disseram-me, este é um dos tópicos mais controversos. Então, resumindo, eu sei que algumas pessoas se sentem desconfortáveis ​​em seus corpos e podem se sentir melhor se mudarem de sexo. Mas propagar a ideia para as crianças, que são suscetíveis a qualquer noção que nós adultos instalamos nelas? Absolutamente não! O fato de que pode ser certo para algumas pessoas não significa que devemos torná-lo convencional e até mesmo legal. A maneira desejável é viver como a natureza nos fez: macho e fêmea.

Conheci pessoas que sentiam que pertenciam a um corpo diferente daquele em que nasceram. Falei com elas e as entendo. Acontece, assim como qualquer estranheza acontece.

No entanto, é muito raro e não deve ser considerado rotineiro ou comum. Eu percebo que hoje você precisa ser corajoso ou ser visto como uma aberração se você se atrever a dizer a verdade, mas as tendências que vêm e vão de acordo com os caprichos egoístas das pessoas não mudam a natureza. A natureza nos criou homem e mulher, e é isso que devemos permanecer.

Não há uma linha clara entre machos e fêmeas. Os machos têm qualidades femininas, assim como as fêmeas têm traços masculinos. No entanto, toda pessoa tem um gênero biológico, e esse gênero é o dominante, exceto, como eu disse, em casos muito raros.

Quando os adultos sentem que estão vivendo no corpo errado, eles podem optar por realizar o procedimento que quiserem em si mesmos. Mas até crescermos, devemos crescer do jeito que a natureza nos criou.

O ambiente social tem uma influência crítica sobre as crianças. Quando elas são jovens, você pode fazê-las pensar e fazer o que quiser. Os nazistas, por exemplo, educaram os filhos da Alemanha a acreditar que eram superiores a todos os outros, não apenas aos judeus, e que o resto do mundo deveria servi-los ou ser destruído. Através de livros, aulas e filmes, eles fizeram lavagem cerebral em seus filhos para acreditar que eram a raça superior.

Da mesma forma, é possível instalar qualquer noção na mente das crianças se usarmos o sistema educacional e as mídias sociais para facilitar isso.

No entanto, os resultados podem ser desastrosos. Se você espalhar a ideia de que a mudança de sexo é normal, até mesmo “na moda”, pode levar as crianças que inicialmente não têm problemas com seu gênero a pensar que há algo errado com elas. Isso pode levá-las a querer fazer algo que não poderão desfazer simplesmente porque querem ser como todos os outros e sentem que todos estão indo nessa direção.

Sabemos que ser popular significa tudo para as crianças, principalmente para os adolescentes. Como resultado, eles podem fazer coisas das quais se arrependerão algum tempo depois, mas nunca serão capazes de reverter ou consertar. Se os pais não impedirem as crianças de cometerem tais erros, isso pode arruinar a vida dessas crianças para sempre. É terrível, e está errado.

Acho que, em vez de tornar o anormal na moda, devemos encorajar as pessoas a serem quem são e a realizarem seu potencial exatamente como nasceram. Se as pessoas receberem reconhecimento por quem são, e a sociedade as recompensar e respeitar por contribuir com suas habilidades e esforços para o bem comum, as pessoas não se sentirão insatisfeitas consigo mesmas. Ao mesmo tempo, os adultos que sentem que estão vivendo no corpo errado devem ter acesso às possibilidades que a medicina moderna oferece para que se sintam mais à vontade com seu gênero.

Comente