Por Que A Demarcação Dos Judeus Está Ocorrendo?

559Pergunta: Jerusalém sempre foi considerada o coração de Israel e de todo o mundo em geral. Como aconteceu que Jerusalém hoje se tornou o centro do ódio entre o povo israelense? Os eventos mais negativos explodem ali: ódio entre religiosos e seculares, ódio aos movimentos religiosos entre si. Qual é a razão?

Resposta: Como os judeus são o grupo de pessoas que deixaram a antiga Babilônia com Abraão, que preferiam o desenvolvimento espiritual ao desenvolvimento material, ao longo de centenas de anos eles se desenvolveram espiritualmente, alcançaram a unidade com o Criador e estavam no nível do Templo. É quando uma pessoa se torna una com o Criador em seu coração e começa a sentir que existe eternamente.

Portanto, ao deixar o Egito (egoísmo), eles perceberam o chamado “para se tornar um homem com um coração”, ou seja, unir-se de forma a superar completamente todos os tipos de diferenças egoístas e repulsas mútuas.

Então eles alcançaram não apenas reaproximação mútua, mas também amor mútuo. Portanto, o Rabi Akiva, embora não tenha nascido judeu, foi o maior sábio na época da destruição do Segundo Templo, e exortou: “Não se esqueça de que amar o próximo como a si mesmo é nosso mandamento mais importante”.

No entanto, um ódio infundado irrompeu entre seus vinte e quatro mil discípulos. Eles caíram do nível espiritual e deixaram de sentir sua comunidade. E o mundo espiritual, o Criador, é sentido apenas em comunidade, em um único desejo integral. Portanto, depois de cair em um nível fragmentado egoísta, eles perderam o sentimento do Criador, o sentimento do mundo superior.

Desde então, o ódio mútuo, a repulsa mútua entre os judeus é muito maior do que entre o resto das nações do mundo. No entanto, do lado de fora, é percebido como assistência mútua dos judeus uns aos outros, mas apenas porque há um ódio mútuo de todas as nações em relação aos judeus, que os mantém juntos.

A ajuda mútua entre judeus se manifesta quando há um problema externo comum. Mas assim que desaparece, imediatamente há ódio mútuo e rejeição mútua. Isso é o que vemos em todos os lugares, e especialmente aqui em Israel.

Isso não é particularmente sentido no exterior porque não há nada para os judeus compartilharem; não há o bolo do estado, não há grandes pontos de contato uns com os outros. Os judeus vivem entre outras nações e, portanto, tudo se dilui. Eles precisam sentir que há alguém que possa ajudá-los, simpatizar, que espera por você e você conta com ele. Funciona lá.

Em Israel, onde não há tal motivo, surge um ódio terrível e mútuo, especialmente na parte religiosa, tanto que leva a manifestações muito desagradáveis.

A este respeito, uma pessoa religiosa hoje não difere de uma pessoa secular porque não persegue o objetivo de melhorar a si mesma. Uma pessoa não é criada sabendo que tem que amar outro indivíduo, ajudá-lo, cuidar dele, fundir-se com os outros em um todo e fundir-se com o mundo inteiro.

Religião não é Cabalá, não é correção humana. As pessoas construíram sua vida normal a partir disso. Ela as ensina o cumprimento mecânico dos mandamentos pelos quais supostamente receberão uma recompensa no próximo mundo. Ou seja, dirige-se puramente ao egoísmo humano.

Os crentes continuarão a se demonstrar como todos os outros, eles apenas o têm em uma sociedade fechada, velada. Portanto, quando de repente algo acontece, aparecem casos especiais que não podem ser escondidos. De fato, existem absolutamente os mesmos vícios que existem na parte não religiosa da sociedade.

Espero que tudo isso nos leve a lembrar do nosso principal mandamento “amar o próximo como a si mesmo”, que devemos ser uma luz para todas as nações do mundo.

Fomos favorecidos por Deus para dar o exemplo de união uns com os outros, como no Monte Sinai, e atrair o mundo inteiro para isso. Nesse caso, nos tornaremos verdadeiramente o elemento do mundo que devemos ser.

De KabTV, “Close-Up. Retorno”, 19/02/10

Comente