“Para Viver Em Israel, Seja Israel” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Para Viver em Israel, Seja Israel

Israel, a terra, não o Estado, é um lugar muito especial. Ao longo das gerações, milhões de pessoas do judaísmo, cristianismo e islamismo a elogiaram, ansiaram e santificaram. No entanto, ao longo dos séculos, a terra mal havia sido habitada. Mesmo hoje, com milhões de pessoas vivendo em Israel, muitos não o fazem por escolha própria. Muitos se mudariam com prazer para a Europa ou os Estados Unidos, se fossem bem-vindos lá. Há uma boa razão para isso: você só pode se sentir em casa em Israel se for Israel por dentro – se você se esforçar para viver de acordo com os princípios do povo de Israel: solidariedade, responsabilidade mútua e amor aos outros.

Quando os antigos judeus viveram aqui, eles eram fortes quando estavam unidos e fracos quando estavam divididos. Nossos sábios não culpam legiões estrangeiras por nossas ruínas, mas apenas divisões internas. Eles atribuem a ruína do Primeiro Templo e a expulsão para a Babilônia ao derramamento de sangue e calúnia, e a ruína do Segundo Templo e o exílio que durou até cerca de um século atrás ao ódio sem causa.

O povo de Israel se tornou uma nação quando prometeu se unir “como um homem com um só coração”. Imediatamente depois disso, eles receberam a tarefa de ser uma nação modelo, “uma luz para as nações”, dando o exemplo de unidade a todas as nações. Posteriormente, eles receberam uma terra na qual cumpririam suas obrigações para com o mundo.

A unidade do povo de Israel era como nenhuma outra. Os primeiros israelenses, conhecidos como hebreus, eram completos estranhos, a princípio. A única coisa que os mantinha unidos era a adesão aos três princípios mencionados acima, que Abraão, Isaque e Jacó lhes haviam ensinado. Era uma unidade ideológica, não biológica ou geográfica, como acontecia com outras nações.

Ao formar uma união tão única e misteriosa, eles mostraram como seria o futuro do mundo se todas as nações se unissem. Por serem os pioneiros, receberam a tarefa de ser “uma luz para as nações”, de servir de exemplo para o resto do mundo.

A unidade dos antigos israelitas teve muitos altos e baixos. Quando a unidade reinava, eles estavam no topo do mundo, por assim dizer. Quando a divisão os venceu, eles se tornaram uma horda de inimigos ferozes lutando entre si até a morte. Mas, ao fazer isso, eles mostraram ao mundo que a paz entre as nações era impossível.

Hoje, também, apenas aqueles que podem viver pelas leis da unidade se sentirão confortáveis ​​vivendo em Israel, e eles serão o povo de Israel contemporâneo. Se não houver gente suficiente, o país se desintegrará.

Enquanto houver um Estado de Israel, o mundo buscará um exemplo de unidade especificamente das pessoas que vivem nele. Se eles o fornecerem, serão venerados e santificados. Se mostrarem divisão, serão odiados e desprezados.

Se não houver um Estado de Israel, o mundo não será um lugar melhor. Sem o exemplo de unidade que Israel deve dar, o mundo estará atolado em combates e guerras.

Somente se as pessoas que vivem aqui souberem o que significa ser Israel, estiverem dispostas a assumir a tarefa e se esforçarem para cumpri-la entre si, a humanidade terá um farol, uma bússola para seguir até as margens da unidade, e o mundo será poupado das guerras iminentes. Nos próximos anos, ficará evidente que apenas pessoas com essa missão na vida podem chamar Israel de “casa”.

Comente