“O Verdadeiro Ímã Turístico Da Terra De Israel” (Times Of Israel)

Michael Laitman, no The Times of Israel: “O Verdadeiro Ímã Turístico Da Terra De Israel

Viagens e turismo estão entre os setores mais afetados pela pandemia Covid 19 em todo o mundo. Israel não é exceção. No ano passado, apenas 300.000 turistas visitaram o Estado judeu devido às restrições de viagem, em contraste com o recorde de 4,5 milhões de turistas relatado em 2019. Mas mesmo com o vírus sob controle mundial e a situação se normalizando, devemos reconhecer que o que Israel tem para oferecer é muito mais do que paisagens deslumbrantes e locais icônicos.

Entre as vítimas da maltratada indústria do turismo em Israel estão guias turísticos e agentes de viagens que estiveram virtualmente desempregados nos últimos dois anos, já que proibições de viagens foram repetidamente impostas para controlar novas variantes do coronavírus importadas do exterior. Centenas de trabalhadores do turismo fizeram uma manifestação no centro de Tel Aviv há alguns dias para exigir indenização pelo longo período durante o qual não puderam trabalhar regularmente. Os protestos eclodiram depois que o ministro das finanças os aconselhou a “mudar de emprego”, mas no final um pacote de ajuda financeira foi aprovado.

No entanto, o amor à terra e o prazer da profissão não são suficientes para tentar manter o turismo como antes. Em geral, o turismo hoje sofreu uma espécie de distorção. Há um turismo que incentiva as compras, um turismo que incentiva a diversão e outro que incentiva a prostituição. O turismo original, que se baseava em viajar para diferentes lugares, principalmente no exterior, e aprender sobre a cultura de lá, já perdeu o apelo. Portanto, não acredito que a indústria do turismo deva ser reativada artificialmente.

Também é um erro culpar a Covid-19 por todos os problemas do turismo. Sem a Covid-19, alguma outra doença teria ocorrido ou algum outro fenômeno natural teria derrubado a indústria do turismo, que precisa ser renovada.

Se tivéssemos que ver o quadro geral da realidade, perceberíamos que o objetivo da raça humana é alcançar a unidade de todos e se unir como uma grande família. Se usarmos o turismo como meio de aproximação, de conhecimento de outras pessoas, de superação das diferenças, esse meio é útil para nós. Mas se nós, especialmente israelenses, nos permitirmos ser capturados pela magia de culturas estrangeiras, abandonarmos nossa antiga cultura e tradição judaica e substituí-las por novas visões de mundo estrangeiras em nosso tecido social, não haverá mais espaço para o turismo e ele irá insidiosamente continuar a diminuir.

Nós, judeus, temos um verdadeiro tesouro em nossas mãos. Se fossemos acessar as fontes exemplares do povo judeu que falam do amor fraternal como um modo de vida e nos unirmos “como um homem em um coração”, serviríamos como um ímã para todos no mundo. “A Terra de Israel não é uma entidade externa. Não é meramente uma aquisição externa para o povo judeu”, como escreveu Rav Kook, mas “ao contrário, a Terra de Israel tem um significado interno. Ela está conectada ao povo judeu pelo nó da vida. Sua essência está imbuída de qualidades extraordinárias”. (Luzes, Terra de Israel)

O poder de conexão mútua entre nós é capaz de evocar uma força positiva maior, uma força superior da natureza. Com sua ajuda, é possível abrir um novo turismo, como nunca existiu antes – um turismo que conecta o nível espiritual com o físico, entre a Terra de Israel de cima e a Terra de Israel de baixo, um sentimento sublime que será transmitido a todas as pessoas do mundo.

Comente