“O Amor Que A Ciência Não Pode Explicar” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “O Amor Que A Ciência Não Pode Explicar

Quando o aclamado conservacionista Lawrence Anthony, que ficou conhecido como “O Encantador de Elefantes”, faleceu em 2012, algo incrível aconteceu: depois de ficar na natureza por muito tempo, os elefantes que Anthony havia salvado anos antes marcharam 12 horas de volta para sua casa para lamentar sua morte. De acordo com a BBC One, os elefantes “ficaram lá em silêncio por dois dias”. Ainda mais notável, “Exatamente um ano após sua morte, até o dia, o rebanho marchou para sua casa novamente. É algo que a ciência não pode explicar”.

O mundo em que vivemos está conectado de maneiras que não entendemos, mas estamos aprendendo lentamente. Nossa autoabsorção quer que nos concentremos apenas em nós mesmos, mas a realidade está nos forçando a olhar para fora e nos ensina que há muito mais a ser encontrado.

Como os elefantes de Anthony demonstram, toda a natureza sente sua conexão e vive de acordo com seus ditames. Os humanos, no entanto, são desprovidos desse sentimento e, portanto, agem como se estivessem sozinhos no mundo.

No entanto, a civilização está se tornando cada vez mais conectada, de acordo com toda a realidade, e nos obriga a reconhecer que nós também somos dependentes uns dos outros e conectados uns aos outros. Hoje, estamos aprendendo que além da conexão física existe a conexão virtual. Amanhã, aprenderemos que também estamos emocionalmente conectados, que compartilhamos e projetamos não apenas ações ou bits de dados, mas também pensamentos e desejos, mesmo sem verbalizá-los.

No final, descobriremos que nossa conexão é ainda mais profunda do que emoções: é espiritual. Somos todos um ser, cujos órgãos e células são todos nós, toda a criação. É por isso que os elefantes sabiam quando vir para prestar homenagem ao seu salvador e voltar lá no ano seguinte, no dia.

Quando todos nos sentimos, isso nos permite trabalhar harmoniosamente, de uma maneira que beneficie a todos. Se sentíssemos nossa verdadeira realidade, nunca cometeríamos erros, nunca machucaríamos ninguém, e ninguém jamais nos machucaria, pois nos sentiríamos como um. Por que então nos é negado tal conhecimento vital, que toda a natureza, exceto nós, parece possuir?

Toda a natureza age por instintos. Os humanos carecem da maioria dos instintos que os animais têm. Em vez disso, devemos aprender tudo do zero por meio de nossos próprios esforços e do ensino de nossos pais e professores. Há uma razão para isso: quando aprendemos por meio de nossos próprios esforços, adquirimos uma compreensão mais profunda do nosso mundo e da realidade.

Isso vale para o conhecimento de nossa interconexão e o que ela implica. Estamos desprovidos do sentido de nossa interconexão para que possamos desenvolvê-la por meio de nossos próprios esforços. O que os elefantes sentem naturalmente, devemos desenvolver laboriosamente. No entanto, ao fazer isso, entendemos como tudo funciona e ganhamos uma percepção profunda da nossa existência. Em outras palavras, nossa ignorância nos permite alcançar o propósito de nossas vidas, mas até alcançá-lo, somos uma ameaça para o mundo.

Há duas maneiras de alcançarmos o propósito de nossa vida: a primeira é deixar a natureza seguir seu curso. Podemos deixar que ela nos afogue em inundações, nos queime em incêndios, nos esmague sob as ruínas de terremotos ou nos jogue uns contra os outros até a morte. Outra maneira é assumir a responsabilidade de aprender os caminhos da natureza, como tudo funciona em conexão e harmonia, e começar a mudar nossos relacionamentos de acordo com o que aprendemos com a natureza. À medida que “praticamos” a bondade, nos tornamos mais gentis e desenvolvemos sentimentos mais profundos pelas pessoas e pelo mundo ao nosso redor.

A prática realmente leva à perfeição. Podemos construir estruturas sociais, como pequenos grupos, onde “praticaremos” a interconectividade e a preocupação mútua. À medida que desenvolvermos essas habilidades em nossa psique, começaremos a sentir uns aos outros em níveis cada vez mais profundos.

Se fizermos isso, descobriremos o que permite que os elefantes saibam tão bem como os outros se sentem, pois nós também nos tornaremos sensíveis e conscientes. Além disso, entenderemos o “pensamento”, a “lógica” por trás de tornar a criação tão complexa, mas tão inexoravelmente conectada, e que grande conhecimento e poder ela concede àqueles que a compreendem.

Comente