“Movimento Antitrabalho Deve Ser Pró-Propósito” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “O Movimento Antitrabalho Deve Ser Pró-Propósito

Ao longo do ano passado, o movimento antitrabalho, que começou em 2013, vem ganhando força. No ano passado, cresceu de 700 mil pessoas para 1,6 milhão. No entanto, seu slogan, “Desemprego para todos, não apenas os ricos!” não criará um mundo melhor ou pessoas mais felizes.

Para criar um mundo onde as pessoas sejam felizes, precisamos repensar o valor do trabalho em nossa sociedade. Para ser feliz, precisamos de um propósito na vida. O trabalho pode ser um meio para um fim, mas não deve ser o fim em si. Se nos concentrarmos no propósito e não em empregos ou carreiras como fatores determinantes em nosso senso de autoestima, nossas vidas serão mais equilibradas, muito mais felizes, e nós, nossas famílias, nossas comunidades e o meio ambiente seremos beneficiados.

Até alguns anos atrás, o elemento predominante na determinação do status social de uma pessoa era o trabalho. Você valia tanto quanto seu cargo valia. Nos últimos anos, houve uma mudança. As pessoas estão crescendo com a ilusão de que um cargo as farão felizes, mesmo que esse trabalho pague extremamente bem.

O dinheiro ajuda, mas só até certo ponto. Além de suprir nossas necessidades e garantir nosso futuro em um grau razoável, devemos investir nosso tempo e esforços na criação de valor em nossas vidas, em vez de riqueza. Qualquer tempo ou esforço adicional para criar mais riqueza não aumentará nossa felicidade. Na verdade, muitas vezes irá diminuí-la.

Criamos valor estando com as pessoas que amamos e fazendo coisas que amamos. Esses dois podem estar ligados ao nosso trabalho, mas, nesse caso, o trabalho não é o ponto focal, mas o fato de gostarmos do que fazemos e das pessoas ao nosso redor.

Mesmo que nosso trabalho não seja o sonho de nossa vida, precisamos estabelecer relacionamentos no trabalho que façam valer a pena continuar trabalhando. Se eu tiver sentimentos negativos em relação ao meu local de trabalho, odiarei estar lá. Portanto, é vital que os colegas de trabalho não apenas se conheçam, mas que desenvolvam consideração e interesse mútuos um pelo outro. Se tudo em que penso é quando posso ir para casa (ou desligar meu laptop se estiver trabalhando em casa), sofrerei enquanto trabalho. No entanto, se eu pensar em como todos nós, trabalhadores, podemos alcançar nosso objetivo comum, meu trabalho terá um propósito, e esse propósito não será pessoal, mas social. Nesse caso, as pessoas estarão focadas umas nas outras e não em suas horas e deveres pessoais, e elas se sentirão satisfeitas no trabalho.

Isso é muito diferente de como pensamos no trabalho hoje, mas é para onde o mundo está indo. Já sabemos que tudo está conectado. Nossos computadores estão conectados em todo o mundo, até mesmo nossos telefones estão conectados em todo o mundo. Nossa comida também vem de todo o mundo, assim como nossas roupas, carros e até mesmo os insetos que nos adoecem.

Tudo está conectado. Se agirmos como se estivéssemos vivendo no vácuo, estamos impondo a nós mesmos uma falsa desconexão e nos separando da vida. Isso não pode nos fazer felizes. Para ser feliz, precisamos estar conectados de uma maneira positiva, onde nos apoiamos, em vez da mentalidade atual prevalecente de pisar nos calos uns dos outros.

É um processo educativo que já começamos. Como estamos relutantes em mudar nossa mentalidade egocêntrica, a natureza nos impôs o pensamento coletivo usando o coronavírus. Se tomarmos o processo em nossas próprias mãos, não precisaremos de “lições” obrigatórias da natureza.

Além de nos deixar mais felizes e tranquilos, um mundo de trabalho equilibrado, onde trabalhamos o quanto precisamos e dedicamos o resto do nosso tempo ao convívio e ao autodesenvolvimento, beneficiará o mundo ao nosso redor. Atualmente, estamos superproduzindo tudo para superar nossos concorrentes e apresentar bons relatórios aos acionistas das empresas. Se criássemos apenas o que realmente precisamos, não esgotaríamos os recursos finitos de nosso mundo, não poluíríamos o ar, a água e o solo, e não colocaríamos em risco nosso futuro e o de nossos filhos.

Educação pode soar como uma palavra assustadora, mas trata-se basicamente de mudar nossas preferências. Como mostra o movimento antitrabalho, nossos valores e preferências já estão mudando, mas não há razão para que mudem através da dor. Se aprendermos sobre nossa dependência mútua e como podemos ajudar uns aos outros a ser felizes, escolheremos voluntariamente porque será escolher uma vida melhor, e acredito que todos queremos uma vida melhor.

Comente