“Laços Judaicos” (Times Of Israel)

Michael Laitman, no The Times of Israel: “Laços Judaicos

Mesmo antes do estabelecimento do Estado de Israel, os laços entre os judeus em Israel (que fazia parte do Mandato Britânico na Palestina) e os judeus em todo o mundo eram complicados. Muitos judeus na diáspora rejeitaram o sionismo e acreditavam que aumentaria o antissemitismo. Eles se contentavam em morar onde estavam e não queriam se mudar para uma terra que (na época) não tinha nada a oferecer a não ser pântanos, deserto e árabes hostis. Nem os sionistas estavam interessados ​​nos judeus da Diáspora. Os chefes do assentamento judaico em Israel queriam apenas jovens imigrantes socialistas, de preferência solteiros ou com famílias pequenas.

Desde então, as suspeitas e as tensões entre israelenses e judeus da diáspora, particularmente os judeus americanos, não melhoraram. Na verdade, nos últimos anos, as relações se deterioraram rapidamente, a ponto de muitos judeus americanos preferirem que Israel não existisse. Muitos deles até mesmo estão do lado dos inimigos de Israel, enquanto os israelenses sentem um ressentimento crescente em relação aos judeus americanos, cujos valores e cultura costumam ser muito diferentes dos israelenses.

A alienação mútua não ajuda nenhum dos lados. Pelo contrário, intensifica o ódio contra os judeus da Diáspora e contra Israel.

Todos os judeus, não importa onde vivam, têm a mesma obrigação para com o mundo. Quer sejamos judeus alemães, americanos, russos ou israelenses, isso não muda nossa obrigação de ser uma luz para as nações e um exemplo de unidade acima de todas as diferenças.

O povo de Israel não existe por si mesmo. É diferente de qualquer outra nação. É uma nação composta por descendentes de numerosas tribos e nações que se uniram na antiguidade em torno da ideia de que a unidade entre todos os povos, independentemente das diferenças, é a ideia mais nobre e a chave para a felicidade e prosperidade na vida.

Consequentemente, o único propósito do povo judeu é demonstrar o valor da unidade, dando o exemplo. É por isso que quanto mais ódio e alienação aumentam entre as nações, mais o mundo se torna antissemita. Ele está procurando uma saída para o emaranhado de ódio e desconfiança mútuos e, na ausência de um exemplo dos judeus, não sabe como alcançá-lo. Os judeus percebem a raiva do mundo contra eles como antissemitismo, mas, na realidade, é o clamor do mundo por ajuda pelo ódio.

Nenhum judeu está isento desta obrigação. Consequentemente, nenhum judeu será poupado da ira das nações por não lhes dar o que precisam.

Portanto, apesar do frio entre os judeus na Diáspora e os judeus israelenses, a única coisa que todas as partes podem fazer para amenizar o antissemitismo é aumentar o nível de sua solidariedade e unidade. Embora tenhamos acumulado gerações de desconfiança, a única coisa que pode nos ajudar a mitigar a raiva do mundo contra os judeus é superar a amargura e restaurar nossa nacionalidade em torno dos princípios de nossos ancestrais: solidariedade e responsabilidade mútua. Mesmo que não nos sintamos inclinados a isso, o feedback do mundo, assim que começarmos a trabalhar nisso, nos convencerá de que esse é o caminho a percorrer.

Comente