“A Tragédia Dos Comuns É A Nossa Realidade” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “A Tragédia Dos Comuns É Nossa Realidade

Um termo amplamente conhecido, pelo menos na academia, é “a tragédia dos comuns”. O termo “comuns” descreve um recurso que todos podem usar sem nenhum custo, como o ar. O professor de Direito da Harvard Law School Lawrence Lessig explica que a tragédia é que, quando há uma quantidade limitada de bens comuns, a competição por ela causa seu esgotamento porque as pessoas trabalham por interesse próprio, ao passo que, se tivessem consideração, todos teriam o suficiente.

Até recentemente, pensávamos que poderíamos emitir tanto gás quanto quiséssemos na atmosfera sem consequências. Como resultado, poluímos toda a atmosfera da Terra. Pensávamos que podíamos sujar os oceanos indefinidamente, mas poluímos todos os oceanos da Terra. Nós esgotamos os reservatórios de água doce da Terra, contaminamos o solo da Terra e transformamos todo o nosso planeta em um lugar quase inabitável. Infligimos uma tragédia mundial dos comuns a nós mesmos e agora estamos pagando por isso. Nosso último recurso é um esforço conjunto para mudar nosso comportamento, mas para mudar nosso comportamento, teremos que mudar a nós mesmos, desde a base do nosso ser.

O ecologista Garrett Hardin popularizou o conceito de tragédia dos comuns em um ensaio intitulado “A Tragédia dos Comuns: O problema populacional não tem solução técnica; requer uma extensão fundamental na moralidade”. Em seu livro O Futuro das Ideias, Lessig cita a explicação de Hardin: “’Imagine um pasto aberto a todos’, escreve Hardin, e considere o comportamento esperado dos ‘pastores’ que perambulam por aquele pasto. Cada pastor deve decidir se adiciona mais um animal ao seu rebanho. Ao tomar a decisão de fazê-lo, escreve Hardin, o … pastor ganha o benefício de mais um animal, mas todos sofrem o custo, porque o pasto tem mais uma vaca consumidora. E isso define o problema: quaisquer que sejam os custos de adicionar outro animal são custos que os outros suportam. Os benefícios, no entanto, são desfrutados por um único pastor. Portanto, cada pastor tem um incentivo para adicionar mais gado do que o pasto como um todo pode suportar. …Aí está a tragédia. Cada homem está preso a um sistema que o obriga a aumentar seu rebanho sem limites – em um mundo limitado. A ruína é o destino para o qual todos os homens correm, cada um perseguindo seu próprio interesse em uma sociedade que acredita na liberdade dos comuns. A liberdade em um bem comum traz ruína a todos”.

No entanto, Hardin conclui em seu artigo: “A educação pode neutralizar a tendência natural de fazer a coisa errada, mas a inexorável sucessão de gerações exige que a base desse conhecimento seja constantemente atualizada”.

Hardin escreveu seu artigo em 1968, quando a percepção do preço do comportamento imprudente da humanidade estava em sua infância. Desde então, não aprendemos nenhuma lição. Não atualizamos nossa educação; nós nem começamos.

Os bens comuns livres da Terra são finitos, embora gostaríamos de acreditar no contrário. “Usar os bens comuns como fossa não prejudica o público em condições de fronteira porque não há público”, escreve Hardin em relação aos primeiros colonos brancos nos EUA. Mas “o mesmo comportamento em uma metrópole é insuportável”.

Agora que esgotamos o reservatório de ar fresco, água fresca e fontes de alimentos da Terra, a escassez está começando a cobrar seu preço. Alegoricamente, pegamos emprestado de uma loja que parecia não ter zelador, mas estávamos errados, e agora o zelador está cobrando a dívida.

No entanto, podemos evitar a catástrofe emergente do esgotamento. Se (finalmente) aplicarmos a autoeducação que tanto precisamos aplicar, descobriremos que há bastante comida, ar fresco e água fresca para todos. Já estamos produzindo muito mais do que consumimos. Se tivéssemos um senso de responsabilidade mútua e os bens fossem realmente para as pessoas que precisam deles, reduziríamos a produção tão drasticamente que não nos preocuparíamos com cotas de emissões e outras limitações.

A raiz do nosso problema não é que estamos esgotando a Terra, mas que estamos tentando destruir ou pelo menos controlar um ao outro. Como resultado, infligimos a toda a natureza e a nós mesmos uma tragédia existencial.

Só seremos capazes de mudar nosso modus operandi se mudarmos nossa motivação de almejar destruir os outros para almejar construí-los. Quando percebermos que só podemos florescer em um ambiente social próspero, começaremos a pensar nos outros de maneira construtiva e pró-social, e transformaremos nosso mundo.

É por isso que hoje, um processo educacional de instalação da percepção de que todos somos dependentes uns dos outros em todos os sentidos deve ser o componente mais essencial, a base de qualquer programa destinado a mitigar todos os problemas: da depressão ao desmatamento.

Comente