“A Pura Verdade: Israel Não Tem Amigos” (Times Of Israel)

Michael Laitman, no The Times of Israel: “A Pura Verdade: Israel Não Tem Amigos

Por mais doloroso que seja para os israelenses, nem a UE nem os EUA são mais amigos de Israel. O Estado judeu deve se unir em face do ódio e do isolamento, ou ver o sonho de Israel se desintegrar.

A B’nai B’rith International divulgou recentemente um relatório alarmante que expõe a extensão da atividade anti-Israel entre os países supostamente amigáveis ​​da UE. O relatório, intitulado “Alinhando Princípios e Práticas: Assistência da UE à Autoridade Palestina e às ONGs Palestinas, Repensando a Abordagem para Cumprir os Objetivos Normativos”, expõe o apoio tácito da UE ao terrorismo contra Israel. Juntamente com o declínio do apoio dos EUA, está claro que Israel não tem mais amigos na arena internacional. Isso deixa Israel com uma escolha muito difícil: unir-se sobre suas divisões profundas e enfrentar o vento contrário, ou desintegrar-se e desaparecer da existência.

Apesar de um comunicado da UE, afirmando que “nunca financiou e nunca irá financiar ou apoiar organizações terroristas” e que “exerce a máxima diligência para evitar tal situação e leva tais alegações extremamente a sério”, a realidade é muito diferente. O relatório B’nai Brith cita o membro do Parlamento Europeu, David Lega, afirmando que a UE “tem … auxiliado e incitado abusos persistentes dos direitos humanos por parte da Autoridade Palestina e fez vista grossa a práticas inescrupulosas, como o pagamento a famílias de terroristas condenados, considerados mártires pela morte de civis israelenses. Há muito tempo que a União Europeia também não responsabiliza a UNRWA e o Ministério da Educação da Palestina por flagrante antissemitismo e incitação à violência contra judeus e israelenses nos livros palestinos”.

Ninguém gosta de más notícias, mas eu sempre prefiro estar dolorosamente ciente do que ser completamente ignorante. O apoio financeiro (e outras formas de) que os países da UE dão às organizações palestinas que apóiam o terrorismo expressa sua opinião genuína: eles gostariam que Israel partisse.

No entanto, não pode ser de outra forma antes de realizarmos nossa tarefa aqui em Israel. Em 1929, o Dr. Kurt Fleischer, líder dos Liberais na Assembleia da Comunidade Judaica de Berlim, percebeu por que os alemães estavam se tornando cada vez mais antissemitas. Ele declarou: “O antissemitismo é o flagelo que Deus nos enviou para nos conduzir e nos unir”. Lamentavelmente, a consciência da ligação entre o antissemitismo e a desunião interna não penetrou fundo o suficiente e o resultado foi catastrófico.

A divisão sempre atormentou o povo judeu, assim como o antissemitismo. No entanto, se olharmos para a história e percebermos o que nossos próprios líderes nos têm dito desde o início do nosso povo, veremos que os dois são inseparáveis: quando a divisão se intensifica, o mesmo ocorre com o antissemitismo.

Não temos o privilégio de testar a história; a casa está pegando fogo, e estamos discutindo sobre todas as questões mesquinhas, apenas para irritar nossos antagonistas. Podemos não perceber, mas é precisamente a malícia entre nós que está evocando o ódio do mundo contra nós. Como disse Fleischer, o objetivo do antissemitismo é nos unir, nos fundir em uma nação cujos membros transcendem todas as divisões, amam uns aos outros e cuidam uns dos outros sem negar ou suprimir as diferenças entre eles.

Esta é a nossa vocação – elevar-se acima de nossas divisões e formar a união que nossos ancestrais se comprometeram a formar, “como um homem com um coração”. Se das 19 condenações que a ONU completou no ano anterior, 14 foram contra Israel e 5 foram contra outros países, isso significa que o mundo nos mantém em um padrão diferente do que mantém o resto do mundo.

Nós também temos em nossos valores fundamentais que aspiramos por Tikkun Olam [a correção do mundo], portanto, também exigimos de nós mesmos mais do que exigimos do resto do mundo. No entanto, devemos perceber que o Tikkun começa em casa, um com o outro. Este é o exemplo que o mundo precisa ver de nós, e a falta dele é a razão pela qual ele nos condena muito mais do que qualquer outra nação.

Não precisamos corrigir ninguém, e as nações do mundo não precisam que as amemos. Elas precisam que nós nos amemos. Se deixarmos penetrar em nossas mentes e corações que é isso que precisamos fazer, o mundo mudará sua atitude em relação a nós e ficará feliz em nos ver morando aqui e dando um exemplo de amor que cobre todos os crimes, como o Rei Salomão colocou isso em Provérbios (10:12).

Comente