“Ventos Anti-Israelenses Soprando Do Chile” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Ventos Anti-Israelenses Soprando Do Chile

A vitória do candidato esquerdista anti-Israel, Gabriel Boric, sobre o candidato da extrema direita Jose Antonio Cast nas eleições presidenciais do Chile não me surpreendeu. As divisões sobre a liderança, direção e visão da nação se aprofundaram, levando a uma divisão da sociedade em dois campos opostos em diferentes países ao redor do mundo. E isso está relacionado ao papel do povo judeu.

A polarização que surge hoje decorre do estado ambíguo da humanidade. O egoísmo humano está crescendo e dividindo as pessoas, e a humanidade não sabe em que direção se mover. Ele está se movendo na direção de um movimento comunista de esquerda ou na direção de um movimento fascista de direita.

O Chile é o país mais desenvolvido da América Latina. É também uma história de sucesso econômico: é rico em recursos, tem uma próspera indústria pesqueira e agrícola e está entre os melhores países da América do Sul no Índice de Desenvolvimento Humano da ONU. É um país com um caráter mais próximo da Europa, então é natural que sopre um vento anti-Israel.

Mesmo se a extrema direita tivesse chegado ao poder no Chile, o sentimento anti-Israel não teria sido diferente. A extrema direita ou a extrema esquerda são dois extremos que abrigam um ódio mútuo pelos judeus. De cada corpo ou partido, de cada círculo e movimento, eles acabarão por culpar e criticar o Estado de Israel por cada pequeno problema.

O fato de estarmos sendo culpados pelo mal no mundo já aponta para um fenômeno interessante: as nações do mundo sentem que há um poder especial no povo de Israel e, à sua maneira, nos culpam por não o transmitirmos. Em seu inconsciente, elas são mais sensíveis do que nós ao nosso papel de “luz para as nações”, e sua forma de expressar essa insatisfação é o antissemitismo verbal ou prático.

“A nação israelense foi construída como uma espécie de portal pelo qual as centelhas de pureza brilhariam sobre toda a raça humana em todo o mundo”, escreveu Rav Yehuda Ashlag (Baal HaSulam) em seu artigo O Arvut, (Garantia Mútua). Uma vez que estamos conectados como um homem em um coração, fluímos uma força espiritual positiva por meio da rede interna de comunicação que abrange toda a raça humana.

Mas, em vez de amar e nos unir, nos odiamos e ferimos uns aos outros. Em vez de agirmos com amizade, nos tratamos mal. O fracasso em cumprir nosso papel espiritual é sentido nos países do mundo, pois eles não recebem as centelhas de amor pelos outros que deveriam fluir através de nós. Esta é a causa raiz do antissemitismo.

Se não nos conectarmos e cumprirmos o papel que nos foi atribuído, as nações do mundo se voltarão contra nós, como tem acontecido ao longo da história. Os líderes mundiais são uma espécie de marcador da relação entre nós e o mundo. Eles são controlados pelo poder supremo da natureza, como está escrito: “Como riachos de água, o coração do rei está nas mãos de Deus. Ele o direciona para qualquer lugar que desejar” (Provérbios, 21:1), para que por suas posições possamos examinar nossa condição até certo ponto. Nossa situação, como sempre, requer a escolha de uma garantia mútua e a aplicação da regra “e ama o teu próximo como a ti mesmo”, se quisermos transformar a hostilidade contra nós em apreço.

Comente