“O Milagre Que Celebramos Em Chanucá” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “O Milagre Que Celebramos Em Chanucá

Cada feriado judaico tem um profundo significado espiritual. Chanucá não é exceção. Em Chanucá, celebramos o milagre que aconteceu aos macabeus, que derrotaram o poderoso Império Selêucida e seus aliados, os judeus helenísticos. Após a vitória, eles limparam o Templo saqueado e encontraram óleo suficiente para acender a Menorá por um dia. Mas, vejam só, o azeite durou oito dias. A essa altura, os macabeus haviam adquirido mais óleo e as velas da Menorá podiam continuar acesas.

Porém, em todas as festividades, esquecemos uma mensagem muito importante no feriado. As velas na Menorá simbolizam nossa luta com nossos egos, nosso ódio pelos outros. O acender da vela simboliza nosso triunfo em usar até mesmo nossos desejos mais depravados para o benefício dos outros.

Tradicionalmente, uma vela consiste em três elementos: 1) o óleo, que serve como combustível, 2) o pavio, o fio que é mergulhado no óleo e o leva até a borda do pavio, e 3) o fogo, que usa tanto o pavio quanto o óleo (principalmente o último) para queimar. Rabash, meu professor, explica que o óleo é uma poça de pensamentos e intenções ruins em relação aos outros. O pavio é um único pensamento ou intenção emergindo dessa poça. O milagre acontece quando determinamos que não queremos seguir nossas intenções corruptas, mas sim desenvolver amor pelos outros.

Se tivermos sucesso, isso é considerado como acender a chama, e isso é considerado um milagre. A chama precisa de um suprimento constante de pensamentos ruins ou não terá pensamentos para “queimar”, para se elevar, então os pensamentos ruins são necessários. No entanto, dada a extensão de nossa autoabsorção, realmente é preciso um milagre para nos elevarmos acima de nossa maldade e transformá-la em bons pensamentos sobre os outros.

É um milagre ainda maior quando essa transformação ocorre não em uma única pessoa, mas em toda uma nação. O povo de Israel estabeleceu sua nacionalidade precisamente por realizar este milagre quando eles juraram amar uns aos outros como a si mesmos.

Hoje precisamos de um milagre ainda maior. Com o mundo inteiro interconectado e todas as nações envolvidas em constantes lutas pelo poder, o milagre de que precisamos é que o mundo todo se levante acima do ódio e da suspeita e os use como combustível, como óleo, para acender a chama do amor.

As crônicas do povo judeu não são histórias sobre pessoas que viveram nos tempos antigos; são lições para a humanidade. A nação judaica é formada por pessoas que vieram de todo o mundo antigo, então é natural que seus anais devam pertencer não apenas a elas, mas acima de tudo a suas nações originais.

A união que nossos ancestrais conquistaram foi um “piloto” para um programa que o mundo inteiro deve implementar hoje. Quanto mais evitarmos a ideia de superar o ódio e chafurdar em nosso ódio mútuo, mais abalados ficaremos quando finalmente percebermos que não temos escolha a não ser mudar nossa atitude em relação aos outros, assim como nossos ancestrais fizeram naquela época.

Comente