No Ponto Zero Da Realidade

934Os amigos devem ver que estou trabalhando para diminuir meu egoísmo. Todos tentam estar no centro da dezena e ao mesmo tempo sentem que os outros estão abrindo espaço para ele ali. Assim, sentiremos que estamos todos em um só lugar e que há espaço para todos. É muito importante chegar a esse sentimento fazendo esforços tanto em pensamento quanto em ação.

Tento ser incluído no ponto de conexão a fim de atrair todos os meus amigos para que todos nós estejamos lá. Não há lugar na espiritualidade; todos nós podemos nos encaixar em um ponto. Isso significa que dez pontos são organizados em um Partzuf de Keter a Malchut e se posicionam em um ponto, que é chamado de centro da realidade.

Conforme descrito no poema do ARI, antes que as emanações fossem emanadas e as criaturas fossem criadas, havia apenas uma luz simples e infinita preenchendo toda a realidade. Então, um ponto preto central apareceu dentro desta realidade, no qual a luz se restringiu e com ela deu início a toda a criação.

Tento ver minha dezena dentro desse ponto negro onde todos nós estamos. A luz superior nos influencia de fora por meio das Sefirot de círculos e, a partir deste ponto interno, queremos influenciar a luz superior.

Não podemos influenciá-la livremente em todas as direções. Temos apenas uma possibilidade: na medida em que nos restringimos, podemos nos abrir para doar. A restrição ocorre em todas as direções ao nosso redor, em 360 graus, e a abertura para o contato com a luz superior pode ser de apenas 1% ou um grau de setor do círculo.

Não há lugar na espiritualidade. Precisamos nos conectar uns com os outros de tal forma que ninguém ocupe espaço e todos cheguemos ao ponto zero, o que significa que estamos no ponto que o Criador criou, no ponto de escuridão no meio da luz. Este é o nosso centro, a partir do qual nos desenvolvemos até o ponto de nossa equivalência com a luz, e a luz preenche todo o Kli que desenvolvemos dentro deste círculo.

Como todos nós conseguimos nos encaixar em um ponto? Nenhum de nós ocupa espaço. Eu quero que não haja espaço para minha própria importância, meu egoísmo, meu orgulho e minha opinião. Caso contrário, serei corpóreo e não espiritual.

Se eu não executar nenhuma ação em meu egoísmo, estou no centro do círculo, no centro da dezena. Não quero receber nada para o meu desejo de receber, exceto a existência necessária a fim de construir um relacionamento com o Criador por meio do meu relacionamento com os outros. Outros são aqueles que preenchem esses círculos, e o Criador nos influencia e nos preenche.

Aquele que se anula perante os amigos está no centro da dezena. Se todos nós nos anularmos, estaremos todos no mesmo lugar. No mundo espiritual, o lugar é chamado de desejo. Se anularmos todos os nossos desejos, nos encontraremos no desejo zero, no lugar do zero – este é o centro da dezena, o centro do círculo.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 27/12/21, Shamati # 230 “O Senhor é Alto e o Baixo Verá – 2”

Comente