“Na América, Einstein Descobriu A Onipresença Do Antissemitismo” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Na América, Einstein Descobriu A Onipresença Do Antissemitismo

Você pensaria que alguém tão renomado como Albert Einstein, cuja contribuição para a ciência em geral, e para os Estados Unidos em particular, é inquestionável, escaparia da situação do antissemitismo. Ele não escapou. Em uma carta descoberta recentemente, de 1936, ele escreveu a um amigo sobre sua situação nos Estados Unidos: “Um tremendo grau de antissemitismo existe aqui”, confessou.

Depois de fugir da Alemanha em 1922 exatamente pelo mesmo motivo, o cientista descobriu que o antissemitismo não conhece fronteiras. Afeta todos os judeus, independentemente do status social, acadêmico ou político. Hoje em dia, judeus ricos em Beverly Hills e no topo do governo Biden estão fazendo a mesma descoberta sombria.

Na época de Einstein, o antissemitismo nos Estados Unidos foi ofuscado pelos horrores da Alemanha nazista. O cientista escreveu que o ódio aos judeus nos Estados Unidos “nunca assume a forma de discurso ou ação brutal, mas fervilha ainda mais intensamente sob a superfície. É, por assim dizer, um inimigo onipresente, impossível de ver, e cuja presença você apenas percebe”.

Hoje, o antissemitismo nos Estados Unidos já é brutal tanto na fala quanto na ação. Houve vários massacres nos últimos anos, os incidentes violentos tornaram-se onipresentes e o discurso de ódio é mais prevalente do que nunca. Por exemplo, alguns dias atrás, panfletos antissemitas deixados do lado de fora das casas em Beverly Hills declararam: “Cada aspecto da agenda do COVID é judaico”. Além disso, o panfleto listava mais de uma dúzia de judeus em posições-chave relacionadas ao sistema de saúde americano.

Sempre houve antissemitismo na América. Costumava ser mais fácil ignorá-lo, e os governos tinham interesse em ocultá-lo, já que os judeus eram considerados os maiores contribuintes para a economia. Em um país onde o dinheiro dá o tom, aqueles que o possuem são os poderosos. Mas quando muitas pessoas têm muito pouco, como está acontecendo agora, os ricos tornam-se alvos. E quando os ricos são judeus, é uma presa fácil, e a presa leva um tiro.

Ninguém é imune ao antissemitismo; é uma lei da natureza. Assim como você não pode escapar da gravidade, se você é um judeu, não pode escapar do ódio aos judeus.

Na verdade, a raiz do antissemitismo é ainda mais profunda do que as leis mais básicas da física. Os ancestrais do povo judeu agitaram a bandeira do altruísmo. Eles cunharam termos como “Ame seu próximo como a si mesmo”, “aquilo que você odeia, não faça ao seu próximo”, e estabeleceram sua sociedade na responsabilidade e misericórdia mútuas.

Além disso, eles não construíram sua sociedade para si mesmos, mas para serem “uma luz para as nações”, para dar o exemplo a ser seguido pelo mundo. Eles foram um povo escolhido, escolhido para transmitir a mensagem de que o homem pode se elevar acima do egoísmo e formar uma sociedade próspera sem depreciar a competitividade e oprimir os líderes. É de se admirar que ninguém quisesse seu sucesso? Ao mesmo tempo, se eles falharem, quem mostrará o caminho para sair das trevas do egoísmo?

Na verdade, os judeus representam a luta entre o bem e o mal. Quando eles têm sucesso, eles são uma luz brilhante que brilha como um farol de esperança para o mundo inteiro. Quando eles falham, eles são piores do que qualquer pessoa egoísta no planeta. Não apenas se afundam no egocentrismo, mas também negam ao mundo o exemplo necessário para emergir dele. Portanto, quando são egoístas, são odiados mais do que qualquer nação, pessoa ou existência.

O folheto de Beverly Hills que acabamos de mencionar visa indivíduos de alto perfil como a diretora do CDC, Rochelle Walensky, o secretário de saúde Xavier Becerra, sua assistente Rachel Levine e o fundador e presidente da corporação multinacional americana de gestão de investimentos BlackRock, Robert Kapito. Há uma boa razão para mencionar essas pessoas de alto perfil. Mostra que não podemos argumentar em nossa defesa que estamos contribuindo para a comunidade; as pessoas querem algo mais de nós e, quando não conseguem, nos odeiam.

Especificamente hoje, quando a ganância, o egoísmo e o narcisismo definem o tom, uma voz diferente deve surgir – uma voz que defende a consideração e a responsabilidade social. Está muito longe da sociedade exemplar dos antigos judeus, mas é um passo na direção certa. Naturalmente, aqueles que devem liderar o caminho em direção a ela são os judeus. É nosso legado e nossa obrigação para com o mundo. Por sua vez, o mundo não espera nada menos de nós.

Agora que o povo de Israel está espalhado pelo mundo, devemos crescer e nos desenvolver no mundo. Devemos mostrar ao mundo que colocamos a unidade acima da divisão, que nossa sociedade é um exemplo que eles podem seguir, um exemplo de unidade acima da divisão e cuidado ao invés de alienação. Somente um povo unido de Israel pode conduzir a humanidade à unidade em sua luta contra o egoísmo, e o mundo não nos perdoará se falharmos.

Comente