“Loucura Não É Uma Estratégia Vencedora” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Loucura Não É Uma Estratégia Vencedora

A mentalidade atual de sustentar a economia pressionando por compras sem fim não é capitalismo; é loucura. Se quisermos continuar vivendo, devemos adotar prioridades e valores mais racionais.

Por um lado, a mídia e todos os especialistas com um microfone ou laptop nos dizem que os preços estão subindo porque as interrupções nas cadeias de suprimentos e a escassez de chips de computador reduziram a produção e a distribuição, enquanto a demanda está aumentando. Como resultado, os preços estão disparando. Ao mesmo tempo, jogamos fora mais da metade do que produzimos, e mesmo o que compramos, jogamos fora enquanto ainda está funcionando perfeitamente, apenas para obter um modelo mais novo. Esta não é uma economia capitalista; é uma loucura sem sentido.

É por isso que fiquei tão feliz quando a Covid apareceu. Ela nos forçou a parar as compras loucas e as viagens frenéticas, deu à Terra algum tempo para respirar e um tempo para o outro. Mas, uma vez que as vacinas foram disponibilizadas, deixamos o monstro das compras sair da gaiola e agora não podemos mais prendê-lo. Com unhas e dentes, estamos lutando para manter a loucura. Mas a Omicron é a prova de que a natureza tem muitos truques na manga. Podemos lutar com unhas e dentes, mas a natureza continuará lutando até que não tenhamos dentes ou unhas.

Estamos esgotando nossos recursos, tanto naturais quanto humanos, aumentando nossa dívida, tanto pessoal quanto coletiva, e vivemos com a mentalidade de “Vamos comer e beber, pois amanhã podemos morrer”. Mas a loucura não é uma estratégia vencedora; terminará em guerra ou em outra forma de destruição completa.

Se quisermos viver para ver mais amanhãs, devemos mudar nossa mentalidade. É hora de ascender a um nível superior de existência. As compras sem fim se exauriram e agora devemos olhar um pouco mais fundo.

Para olhar mais profundamente, precisamos mudar nosso sistema de valores. Se deixarmos a mídia continuar nos dizendo para fazer compras até cairmos, é isso que faremos. Precisamos fazer a mídia nos contar uma história diferente, em que as pessoas gostem de outras coisas, como a companhia umas das outras ou comunidades prósperas e solidárias. Assim como atualmente permitimos que a mídia nos ensine que valemos apenas o que ganhamos, podemos fazer com que ela nos diga que valemos apenas o quanto nos importamos – uns com os outros.

Se começarmos a pensar mais uns nos outros e menos em nós mesmos, não precisaremos afirmar constantemente nossa autoestima comprando mais coisas de que realmente não precisamos. Em vez disso, compraremos o que precisamos para uma vida confortável, em vez de comprar para conforto emocional ou para aumentar nossa confiança.

Se adotarmos essa mentalidade, não haverá excesso de demanda, nem interrupções nas cadeias de suprimentos e nem escassez de nada. Os produtores não apenas terão que produzir menos e baixar seus preços, como também não vão querer explorar e cobrar mais do que precisam, porque sua abordagem com as pessoas mudará da exploração para a conexão.

A esse respeito, uma pesquisa intrigante foi publicada recentemente pela Northeastern University. Os pesquisadores, Shanyu Kates e David DeSteno, examinaram os efeitos da gratidão nas pessoas. Eles distinguiram a gratidão de um sentimento geral de contentamento, que poderia ser impulsionado por motivações egoístas e não provou ter qualquer impacto no comportamento social ou ambiental das pessoas. A gratidão, eles descobriram, tornava as pessoas mais atenciosas com os outros e diminuía sua propensão ao consumo excessivo. Eles concluíram que a gratidão “pode ser útil na promoção de um comportamento sustentável” e, com propriedade, intitularam sua pesquisa, “A gratidão reduz o consumo de recursos que estão se esgotando”.

Eu espero sinceramente que no próximo ano, antes que seja tarde demais, reconheçamos que cultivar o cuidado mútuo, em vez da alienação e da competição, é nossa única maneira de garantir nosso futuro de maneira positiva, e que todos os outros caminhos levam à escassez e mais loucura.

Comente