Impulsionado Pela Natureza

629.3Pergunta: No artigo “A Liberdade”, Baal HaSulam escreve que a lei do desenvolvimento que nos empurra em direção a seu objetivo nos torna cativos porque uma pessoa é sempre atraída pelo prazer e foge do sofrimento. Existe alguma liberdade nisso?

Resposta: Não. E que tipo de liberdade pode haver se eu for apenas um desejo de receber prazer? Sempre há um certo número de opções de prazer e sofrimento diante de mim, e eu, de acordo com minha compreensão e disposição, escolho para mim aparentemente a melhor opção. Nesse estado, sou como um animal que simplesmente escolhe escapar do mal para o bem sempre que possível e o mais rápido possível.

Pergunta: Baal HaSulam e você muitas vezes usam o termo “animal” em relação a uma pessoa. Por quê? Parece duro.

Resposta: Isso não significa que reduzimos o homem ao nível de um animal.

A questão é que nossa natureza nos controla de forma totalmente rígida, especificamente, de acordo com uma determinada fórmula, e assim nos faz escolher a cada momento o estado que parece o melhor para nós. O único problema é que ambos os animais e nós escolhemos esses estados de acordo com nossa compreensão do que nos é revelado.

Uma pessoa, vendo um certo número de possibilidades à sua frente, escolhe a melhor: em parte instintivamente, em parte razoavelmente, calculando suas opções. O animal faz o mesmo. Porém, comete menos erros porque tem instintos mais desenvolvidos, que estão em um menor conjunto de variações e possibilidades.

Mas, em princípio, é o mesmo programa. E não há nada que uma pessoa possa fazer aqui. Portanto, se apenas vivermos nossa vida da maneira usual, seremos guiados pela natureza e não teremos nenhum tipo de livre arbítrio.

Como então você pode definir o que é liberdade? Liberdade de quê? Não estou livre do meu desejo de receber prazer. A única coisa é que posso escolher um certo tipo de prazer para mim. Nesse caso, substituo um pelo outro.

Por exemplo, posso me inscrever em um grupo de perda de peso. Eles vão fazer uma “lavagem cerebral” em mim e vou me comportar de maneira diferente: vou escolher outras formas de prazer em vez de comer doces. ou posso preferir fazer arte, ciência, etc.

Assim, posso cair sob a influência de certos fatores externos, e eles me darão uma escala de valores diferente. Ou seja, posso dizer que agora escolho uma determinada atividade ela se torna importante e para mim, agora eu extraio prazer dela. Mesmo assim, alguém me empurrou para isso. Em qualquer caso, estou dentro da mesma natureza que consiste apenas em prazer e sofrimento.

De KabTV, “Close-up. Ilha de Fogo”

Comente