“Ninguém Ama Uma Nação Cujos Membros Se Odeiam” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Ninguém Ama Uma Nação Cujos Membros Se Odeiam

Disseram-me que os problemas nas cadeias de abastecimento que afligem a economia global ficaram tão ruins, e o prognóstico é tão terrível, que alguns países estão considerando encerrar o comércio internacional e tentar se tornar autossuficientes. É claramente uma ideia pouco prática, mas mostra o quão desesperados alguns países se tornaram e o quão pessimistas estão quanto ao futuro. Existe uma solução, mas envolve reciprocidade e consideração pelos outros, e ninguém quer seguir esse caminho. Então, por enquanto, continuaremos sofrendo.

Veja o que fizemos ao nosso planeta. Nós o poluímos, corrompemos e esgotamos seus recursos e muito de sua beleza para a ilusão de poder e controle. Poderíamos ter alcançado muito mais com uma fração do esforço e uma fração dos recursos que drenamos do planeta, mas para isso teríamos que trabalhar ombro a ombro uns com os outros, e ninguém quer isso.

Lamentavelmente, a situação continuará a piorar até que todos apontem o dedo para os judeus e os culpem por tudo que está errado com o mundo. Em torno disso, todos ficarão felizes em se unir, e não em torno de mais nada.

Não é apenas o mundo, mas muitos judeus também se sentem culpados. Veja quantos judeus justificam os odiadores de judeus! Além disso, os judeus que fazem isso não são tratados como traidores, como seriam em qualquer outro lugar, mas como pessoas progressistas em busca de justiça. Por que somos assim? Porque, no fundo, sentimos que o mundo está correto em suas acusações, que realmente somos responsáveis ​​pelos problemas do mundo. Não podemos racionalizar isso, mas mesmo assim sentimos. Mesmo que não o admitamos, nosso manso ressentimento às alegações mais absurdas prova que não nos sentimos inocentes.

Especialmente agora, quando o mundo se tornou um sistema tão interdependente e fechado, em que todos afetam todos os outros, qualquer coisa de ruim que alguém faça impacta imediatamente o mundo inteiro. Espera-se que nós, judeus, corrijamos o mundo. Já que o mundo está quebrado, aos olhos do mundo, assim como aos nossos próprios olhos, a culpa é nossa.

Pense nisso, nenhuma nação concebeu tal noção como Tikkun Olam [correção do mundo], certamente não como um de seus principais valores e objetivos. Nenhuma nação fixou toda a sua essência no amor aos outros, a ponto de amar o próximo como a si mesmo. Nenhuma nação tornou a responsabilidade mútua um princípio tão arraigado que seus membros se sintam no direito de exigi-lo uns dos outros. Finalmente, os sábios de nenhuma outra nação atribuem suas derrotas ao ódio infundado entre os membros da nação, em vez dos inimigos externos.

Mesmo com relação às nações do mundo, nosso chamado sempre foi positivo. Assim que nos tornamos uma nação, fomos designados como um povo escolhido – escolhido para exemplificar os valores fundamentais que acabamos de mencionar: Tikkun Olam através do amor aos outros e responsabilidade mútua. Existe algo que o mundo precise mais do que isso?

No entanto, em vez de cumprir nossa vocação, nos tornamos o oposto. Somos uma demonstração de aversão a nós mesmos, divisão interna e escárnio mútuo. Somos arrogantes, mas não temos nada do que nos orgulhar, já que as pessoas não precisam de tecnologia; elas precisam amar e ser amados, e estamos negando a elas suas necessidades por causa de nossa negligência em nosso dever.

Ninguém ama uma nação cujos membros se odeiam, ainda mais quando essa nação foi criada para ser a pioneira em relação à unidade. Se rejeitarmos nosso chamado, quem abrirá o caminho?

Somos uma variedade de membros de nações de todo o Oriente Próximo e o Oriente Médio, que uma vez se uniram “como um homem com um só coração”. Por causa de nosso exemplo único, devemos liderar o caminho para a unidade do mundo, e a única maneira de fazer isso é por meio do nosso exemplo.

Cada um de nós é um descendente desses membros das nações. As nações não poderão se unir sem nosso exemplo. Nossos ancestrais foram “embaixadores” das nações e nós somos seus herdeiros; cabe a nós levarmos a cabo o legado dos nossos antepassados: ser uma luz para as nações e redimir o mundo do ódio. Se nos unirmos, o mundo seguirá em frente. Se evitarmos uns aos outros, o mundo nos evitará.

Comente