Contra O Vento De Proa

41.01O Criador nunca nos pune, mas sempre nos faz avançar. Nós, no entanto, consideramos isso uma punição. Ele pode nos fazer progredir apenas devido ao fato de que o desejo de receber prazer cresce cada vez mais em nós e, portanto, nos encontramos em um egoísmo e distância cada vez maiores do Criador, em um estado cada vez pior e oposto ao Criador.

Choramos por causa de nossa incapacidade de conseguir o que queremos ou de nossa incapacidade de dar, e nos retiramos. Por causa de todas essas jogadas, começamos a ver como o Criador nos controla de uma forma proposital, embora Ele não nos conduza ao longo do caminho mais curto para a meta. Afinal, não podemos ir diretamente para a propriedade oposta. Como posso avançar em direção a algo que é nojento, odioso e assustador para mim? Como posso chegar a uma meta tão repulsiva que certamente não quero? Obviamente, não sou capaz de abordá-lo diretamente, e esse é todo o problema.

Por um lado, estou em meu egoísmo, o desejo de desfrutar. Por outro lado, existe o Criador, o desejo de doar. Eu não sou nem mesmo capaz de fazer o menor movimento na direção do Criador, assim como um veleiro não pode navegar contra o vento, mas deve manobrar, ou seja, em ziguezague.

É impossível mudar diretamente para a doação, mas podemos pelo menos nos aproximar dela, agir um pouco em prol da recepção, um pouco em prol da doação e, assim, alcançar a meta. Portanto, até atingirmos a meta em si, não temos certeza de que estamos indo em direção a ela da maneira certa. Afinal, nossa direção nunca é certa!

Ela sempre se desvia para um lado ou para outro e levanta questões. E no último estágio até o último momento antes de entrar e se fundir com o Criador, não sabemos se isso vai acontecer. Não sabemos o que vem pela frente, mas os portões se abrem de repente e nós entramos.

Esse é o nosso trabalho: acreditar que estamos progredindo corretamente de acordo com os sinais externos. Não podemos nadar diretamente para a meta, isto é, com intenção em prol de doar ao Criador. Isso é impossível porque é oposto à nossa natureza. Nossa natureza é uma grande desvantagem e o Criador é uma grande vantagem.

Portanto, podemos apenas manobrar, agir na forma de doar para doar e, então, receber para doar, mas apenas parcialmente, passo a passo – zero, primeiro, segundo, terceiro, quarto e receber mais e mais preenchimento— Nefesh, Ruach, Chaya, Neshama, Yechida , camada por camada.

E, claro, não posso avançar sozinho. Todo o avanço passa apenas pelo centro da dezena em conexão com os amigos. E nós esquecemos isso o tempo todo, nos perdemos e somos forçados a começar como se estivéssemos no começo.

Não posso atacar diretamente o desejo de doar. Eu não tenho tais atributos. Mas se eu adicionar meu desejo de receber prazer às propriedades dos amigos em quem o Criador brilha, posso andar corretamente direcionado à meta, contra o meu egoísmo. Eu cancelo meu desejo de receber prazer e me uno com meus amigos o mais firmemente possível, e todos os meus esforços são iluminados pela luz refletida (a luz circundante) e me permitem me mover de uma maneira indireta.

Só há uma maneira de superar minha natureza: anular-me perante de meus amigos. Com isso, eu desperto sobre mim uma influência superior, a luz superior, que me afasta ligeiramente do meu egoísmo e me permite avançar.

O Criador brilha dentro da dezena porque Ele a vê no fim da correção. E se eu quiser me mover do ponto 1 para o ponto 2, o Criador já nos vê no ponto 2. E se eu estiver pronto para me anular diante das condições estabelecidas por Ele que Ele revela na dezena e me afeta através da dezena, então eu atraio de cima, da fonte, a luz refletida, e sigo em frente. Desta forma, eu atraio as forças da natureza superior para que mudem minha natureza.

Da 2ª parte da Lição Diária de Cabalá 17/11/21, Escritos do Baal HaSulam, Shamati # 71, “Minha Alma Chorará em Segredo-2”

Comente