“O Que Podemos Aprender No Dia Mundial Do Professor?” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “O Que Podemos Aprender No Dia Mundial Do Professor?

Este mês, 5 de outubro, para ser mais exato, é o Dia Mundial do Professor. Professor costumava ser, e em alguns países ainda é, uma ocupação venerável. Um professor não era simplesmente alguém que lhe ensinava matemática ou português, mas alguém que lhe ensinava a sabedoria da vida e era um modelo a seguir. A julgar pelo que está acontecendo hoje, parece que precisamos desesperadamente de bons professores. Por todo o nosso conhecimento, nos sentimos perdidos. A menos que aprendamos onde realmente estamos, o que estamos fazendo aqui, por que estamos aqui e como nos direcionar para um lugar melhor, cairemos em outra guerra mundial.

Para sair da crise, devemos parar de nos concentrar exclusivamente no conhecimento. Adquirir informações não cria pessoas felizes. Para onde as informações sobre a fusão nuclear nos levaram, por exemplo? Temos armas nucleares que podem aniquilar a humanidade em minutos. Temos tanto conhecimento em todas as esferas da vida, mas para onde tudo isso nos leva? Estamos caminhando para estados terríveis.

Em vez de nos ensinar o que deveriam, nossos pobres professores regurgitam o que o governo os instrui a ensinar. Eles são forçados a mentir para os alunos, mas os alunos sabem melhor. Aos 9 ou 10 anos, a maioria das crianças sabe que nada do que estão ouvindo é verdade. Elas param de acreditar em seus professores, param de prestar atenção, enquanto os professores, que devem ganhar a vida, continuam repetindo as mesmas histórias. Não há outras motivações aqui, exceto dinheiro e poder; estes são os governantes da Terra, e nenhum regime ou governo está livre de suas garras.

A mudança virá somente quando percebermos que essa não é a maneira de viver e resolvermos mudar nossa motivação. Mas a mudança acontecerá porque refletimos sobre para onde estamos indo e nos detemos antes de chegar lá, ou porque não nos detivemos a tempo e percebemos nosso erro depois que as bombas explodiram.

Para fazer as mudanças necessárias no tempo, não podemos deixar isso apenas para os professores e nos dispensar da tarefa. Temos que reconstruir todo o sistema, a base de nossa civilização. O fato de sermos egocêntricos e narcisistas não é segredo. Mas esse não é o problema. O problema é que concordamos em continuar assim. Há décadas sabemos que a humanidade está em um caminho de autodestruição devido à sua própria autoabsorção. No entanto, não fizemos nada para mudar o curso.

Agora devemos nos tornar nossos próprios professores, e não apenas no Dia Mundial do Professor, mas todos os dias e todos os momentos de nossas vidas. Além disso, o mundo em que vivemos tornou-se tão interligado que não basta implementar as mudanças em um país de cada vez. Enquanto alguns países se envolvem em reformas, outros manterão sua atitude abusiva e arruinarão o progresso de todos. Portanto, a iniciativa de criar um amanhã positivo deve incorporar o mundo inteiro. Por mais implausível que isso possa parecer, devemos lembrar que a única outra opção para essa rota é a guerra, uma guerra nuclear.

Consequentemente, o sistema educacional deve ajustar seus valores, currículos e metas para melhorar a humanidade. Por melhorar, não estou me referindo à redução das emissões de CO2 ou à limitação do uso de combustíveis fósseis e plásticos. Refiro-me a algo muito mais profundo do que isso: melhorar a nós mesmos significa nos tornarmos pessoas melhores. Para fazer isso, devemos aprender a ser positivos e cuidadosos uns com os outros.

Somente quando aprendermos a cuidar uns dos outros, começaremos a cuidar do meio ambiente. Quando nos preocupamos com outras pessoas, queremos que vivam em um ambiente amigável, que possa apoiá-las e onde possam ser felizes. Quando paramos de querer explorar outras pessoas ou dominá-las, paramos de explorar o meio ambiente para alcançar nossos objetivos egoístas. Como resultado, vamos reduzir o consumo a um nível sustentável que permitirá que a natureza se rejuvenesça e restaure o equilíbrio perdido.

Não temos tempo a perder. Devemos ser nossos próprios professores agora, para aprendermos a ser humanos, ou seja, humanos. Mesmo que não saibamos como fazer ou por onde começar, não precisamos nos preocupar; nossa intenção de fazer o bem, de nos conectarmos com outras pessoas, será nosso guia. Se deixarmos que o cuidado dos outros seja nosso professor, não precisaremos de outro ensino.

Comente