“Simchat Torá: A Causa Da Alegria Revelada” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Simchat Torá: A Causa Da Alegria Revelada

A recente intenção fracassada dos legisladores progressistas dos EUA de reduzir a ajuda de defesa a Israel e a próxima comemoração da ONU do 20º aniversário da Conferência antissemita de Durban ressaltam mais uma vez Israel e os judeus sendo escolhidos para receber críticas em todo o mundo.

A atenção global que estamos recebendo, embora seja negativa, é a nossa oportunidade de ser “uma luz para as nações”. Portanto, a celebração de Simchat Torá (Alegria da Torá) neste ano tem um significado especial. É uma janela de oportunidade para mostrar ao mundo um caminho em direção à luz que nossos antepassados ​​descobriram há muitos séculos; o caminho que pretendiam compartilhar com o mundo.

Precisamos apenas praticar este método simples de unidade entre nós. Nosso exemplo é tudo o que o mundo precisa para perceber que existe uma alternativa para o ódio e o conflito e que o povo de Israel está liderando o caminho em direção a isso.

Os Grandes Dias Sagrados representam o processo de transformação de sermos recebedores em doadores. Em sua conclusão, no dia de Simchat Torá, celebramos o sucesso dessa mudança predestinada. Esta celebração permite que todos nós reflitamos sobre o tipo de pessoa que somos e a sociedade em que nos tornamos. Mesmo se descobrirmos que não somos tão puros quanto gostaríamos, há motivo para nos alegrarmos, porque reconhecer a verdade é o primeiro passo para a mudança.

“Torá” vem da palavra hebraica para “instrução” (“Hora’a”). Está escrito: “Eu criei a inclinação ao mal, eu criei a Torá, um tempero”. A Torá é a luz que corrige o desejo, ou seja, a força positiva da natureza que nos conecta acima do nosso egoísmo. Simchat Torá representa a correção final deste desejo, onde nos conectamos sem limites uns com os outros e com a natureza. Esta correção completa é a causa da alegria (Simcha).

O Livro do Zohar (Teruma) escreve que a “Torá é luz, e aquele que se envolve na Torá é recompensado com a luz”. A luz da qual O Zohar fala é uma força criativa que engendra tudo o que existe. Semelhante ao Zohar, o ARI escreve na Árvore da Vida: “Saiba que antes que as emanações fossem emanadas e as criaturas criadas, a luz superior simples preenchia toda a realidade”. Esta luz, continua o ARI, “emanou, criou, formou e fez todos os mundos”.

A luz funciona de acordo com um princípio muito simples: doação. Essa qualidade de dar criou tudo ao nosso redor, todo o universo conosco dentro dele. Quando estudamos nosso universo – as galáxias, planetas, plantas, animais e até nós mesmos – estamos na verdade estudando as manifestações dessa luz.

Simchat Torá celebra a felicidade de quem consegue adquirir a qualidade da Torá (luz): benevolência completa e absoluta. “A inclinação do coração do homem é má desde a sua juventude”, e “toda inclinação dos pensamentos do coração [do homem] era apenas má”, a Torá nos diz no Gênesis.

Quando nascemos, somos completamente opostos a dar, a partir da luz. A maioria de nós está contente e até mesmo alheia à nossa natureza egocêntrica. Mas quando essa natureza se torna prejudicial para nós e para os outros, ela nos força a procurar outras alternativas. Esta é a situação em nosso mundo hoje.

Apesar da aparente dificuldade, existe um caminho pavimentado e comprovado para alcançar a transformação que precisamos empreender. Você não pode dar da maneira necessária quando está sozinho, você precisa de pessoas com a mesma opinião com quem você possa “praticar” a doação. Por meio dessa prática juntos, vocês formam uma sociedade sustentável e próspera de doadores que adquiriu a qualidade da luz da benevolência.

A necessidade de se tornar doador a fim de estabelecer uma sociedade próspera é o ímpeto subjacente à antiquíssima ênfase judaica no amor aos outros. “Ame o seu próximo como a si mesmo”, “como um homem com um coração” e “o que você odeia, não faça aos outros” não foram concebidos como princípios morais, mas como ferramentas práticas para criar uma sociedade cujos membros adquiriram a qualidade de dar, ou, dito de outra forma, uma sociedade que se alegra com a Torá.

Nós constantemente sucumbimos à nossa natureza inata e o ódio mútuo irrompe. No entanto, embora possamos não estar cientes disso, temos o remédio para nossa situação: apenas pratique o dar acima de nosso egoísmo e, assim, cure-o. O livro Maor Vashemesh afirmou há duzentos anos que “A coisa da qual tudo depende é o amor e a fraternidade entre os filhos de Israel, pois quando houver paz, amor, fraternidade e amizade entre eles, eles poderão receber a Torá”.

Então a alegria vem de fato, como está escrito: “A alegria é um reflexo das boas ações”. Boas ações são ações de doação.

Isso ocorre porque a Torá é a força que está pronta para corrigir o ódio e a separação entre nós e transformá-los em conexão e amor, que é a descoberta chamada “Simchah” (felicidade). Com ela, a pessoa sente dentro de si toda a vasta extensão ao seu redor e ganha uma vida eterna, plena e feliz.

Comente