“Por Que O Ensino Em Casa Está Crescendo” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Por Que O Ensino Em Casa Está Crescendo

O ensino em casa está em alta nos Estados Unidos e em todo o Ocidente há várias décadas, mas os anos 2020-2021 trouxeram com eles um salto no número de crianças que estudaram em casa. Em março de 2021, quase 5 milhões de crianças do ensino fundamental e médio estavam aprendendo em casa, o dobro de 2019, e quase 9% das crianças em idade escolar nos EUA. À luz do estado sombrio do sistema educacional, não é surpreendente. Se quisermos que as crianças sejam felizes quando vão à escola, devemos reformular todo o paradigma da educação.

Um ensaio intitulado “Ensino Em Casa: A Pesquisa”, publicado em 01 de julho de 2021, prova que o fenômeno não é exclusivo de uma religião, raça, etnia, nível de renda ou mesmo nível de escolaridade em particular. De acordo com o ensaio, “Uma variedade demograficamente ampla de pessoas aprende em casa – são ateus, cristãos e mórmons; conservadores, libertários e liberais; famílias de baixa, média e alta renda; pretos, hispânicos e brancos; pais com Ph.Ds, com ensino médio e sem ensino médio”.

O ensino em casa tem ganhado popularidade, não porque as pessoas estejam muito interessadas em ensinar seus filhos sozinhas. Sua expansão é, antes de mais nada, um testemunho do colapso do paradigma existente. Não é surpreendente. Se você impõe um sistema educacional que foi projetado durante a Revolução Industrial, e cujo objetivo inicial era ensinar alfabetização básica e como operar um torno, é a receita para o desastre.

Além do mais, o sistema educacional não educa realmente. Ele fornece algum conhecimento, mas não faz nada em termos de cultivar as habilidades sociais e as relações humanas das crianças. Crianças em idade escolar são alvos fáceis de bullying, abuso de drogas e outras substâncias, violência e predação sexual em um lugar onde deveriam ser protegidas e cuidadas – na escola. Em tal atmosfera, elas são incapazes de aprender adequadamente e desenvolver habilidades de sobrevivência em vez de habilidades educacionais. Muitos de seus problemas emocionais decorrem não do ambiente doméstico ou de sua própria personalidade, mas da atmosfera estressante e intimidante a que são submetidas na escola.

Para muitos pais, esse estresse sobre os filhos é inaceitável, e eles estão optando por abrir mão de parte de sua renda e assumir a educação dos filhos em suas próprias mãos. Como mostra a pesquisa, apesar de sua falta de experiência de ensino, os resultados de seus esforços excedem os do sistema que deveria ser profissional e superior aos pais que ensinam seus filhos.

Quando as crianças se sentem presas na escola, elas não podem florescer. Em casa, onde se sentem livres, podem fazer muito melhor, mesmo com menos assistência profissional.

No entanto, não acredito que o ensino doméstico seja o método educacional ideal. As crianças precisam estar entre os pares de sua faixa etária. Além disso, nem todos os pais são professores adequados, assim como nem todas as pessoas são adequadas para qualquer especialização. Pessoas que se destacam na educação, e que são naturalmente dispostas a isso, devem se dedicar a ela. No entanto, o sistema deve ser aquele que atende às necessidades das crianças e não aquele que as força a modelos criados há séculos, e que não se encaixam na forma como pensam, sentem, percebem o mundo ou correspondem às suas aspirações.

Na ausência de um sistema que forneça requisitos educacionais mínimos e habilidades de relacionamento humano, o ensino doméstico é o menor dos dois males. No entanto, como eu disse, não é a maneira certa de criar filhos no futuro.

A educação dos filhos deve ser feita em pequenos grupos, com meninos e meninas separados, pois os ambientes mistos são certamente a causa de muitos problemas. Além disso, deve haver mais conexão entre a escola e os pais, mais discussões sobre o que as crianças querem, precisam e onde estão aprendendo. Posteriormente, as crianças devem aprender de acordo com seu curso de aprendizado preferido, aquele que lhes convém.

Há um ditado em hebraico: “Ensine a criança segundo o caminho da criança”. Isso significa que, como cada criança tem atributos e qualidades únicas, cada uma deve aprender de acordo com essas características. Dessa forma, as crianças crescem sentindo-se satisfeitas e realizadas.

Por último, mas não menos importante, está a questão do aprendizado social. Visto que gastamos muito do nosso tempo nos comunicando com os outros e aprendemos uns com os outros o tempo todo, as escolas deveriam dedicar grande parte do tempo e dos programas educacionais ao ensino de habilidades de relações humanas. Para se tornarem adultos produtivos e confiantes, as crianças devem aprender a se comunicar de forma positiva e produtiva umas com as outras. Isso as ajudará no trabalho, em casa, com seus próprios filhos quando se tornarem pais e onde quer que se comuniquem com as pessoas.

Comente