“O Legado De Um Gigante Espiritual” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “O Legado De Um Gigante Espiritual

Ele sabia que o tempo estava passando; ele sabia que eles tinham que se mudar para Israel; ele disse ao Primeiro-Ministro israelense como Israel pode ser verdadeiramente independente; e ele dedicou sua vida a ajudar o povo judeu e toda a humanidade. Esta semana, 67 anos atrás, Yehuda Ashlag, conhecido como Baal HaSulam, o maior Cabalista dos tempos modernos, e um dos maiores de todos os tempos, faleceu e nos deixou um legado de amor incondicional por seu povo, por todas as pessoas, e por toda a criação. Ele também nos deixou livros e um roteiro que pode nos ajudar a ser como ele.

Era 1921. Ashlag, um brilhante Dayan [juiz no tribunal judeu ortodoxo] em Varsóvia, a “capital” do judaísmo da diáspora, que foi nomeado para esta venerável posição quando tinha apenas 19 anos, já estava excomungado há vários anos. Mas ele não se importou com as dificuldades extremas que ele e sua família suportaram por causa disso. Seu único foco era o destino de seu povo e o destino do mundo.

Há alguns anos, ele percebeu que a Europa caminhava para o antissemitismo extremo e letal. Ele tentou alertar seus companheiros judeus de Varsóvia, mas a liderança ortodoxa impediu que sua voz fosse ouvida. Quando ele insistiu, eles encerraram sua posição como um Dayan, cortaram suas ligações com ele e instruíram toda a comunidade judaica a ignorá-lo. Naquela época, o boicote era uma situação de risco de vida, pois era preciso contar com a comunidade para trabalho, moradia, educação e provisões. Sem eles, a pessoa ficava à mercê dos poloneses, e eles não eram amantes dos judeus.

Mas Ashlag continuou tentando. Ele fechou um acordo para comprar 300 barracos de madeira da Suécia e um local para serem erguidos na Palestina. Ele ainda conseguiu convencer secretamente 300 famílias judias a se mudarem para lá e escapar de um destino amargo na Europa. Infelizmente, a liderança ortodoxa descobriu seu plano e convenceu todas as 300 famílias a permanecer na Polônia. Nunca saberemos quantos deles, se houver, sobreviveram ao Holocausto.

Mas em 1921, algo aconteceu. Ashlag percebeu que era hora de ir. Naquela época, ele estava estudando Cabalá por muitos anos e atingiu um nível em que transcendeu seu próprio professor. Em tal estado, não havia mais nada para mantê-lo na Polônia. Naquele mesmo ano, ele e sua família se mudaram para Jerusalém e ele começou a escrever abundantemente.

Os escritos de Ashlag testificam que ele não foi apenas um grande Cabalista, mas também um pensador global revolucionário que compreendeu as complexidades da natureza humana. Usando seus insights perspicazes, ele foi capaz de prever o que aconteceria em Israel e no mundo e fez o possível para mudar as coisas para melhor. Ele era um sionista ávido não para conquistar a terra, mas para que o povo judeu cumprisse seu dever para com o mundo: dar o exemplo de unidade e amor aos outros que ele sabia que o mundo precisaria desesperadamente.

Ele não se contentou em escrever. Ele se reuniu com todas as pessoas influentes do país na época e tentou convencê-las de que a soberania por si só não é suficiente, que se Israel deseja prosperar, deve dar um exemplo de unidade e responsabilidade mútua. Ele implorou a esses líderes que estabelecessem uma educação voltada para a unidade acima de todas as diferenças, e estabelecessem a sociedade com base no cuidado das pessoas umas com as outras, e não esperassem que as coisas se resolvessem.

Ele falou várias vezes com David Ben Gurion, o primeiro Primeiro-Ministro de Israel, Moshe Sharett, o segundo Primeiro-Ministro de Israel, Haim Arlosoroff, chefe do Departamento Político da Agência Judaica, membro do Knesset (parlamento de Israel) Moshe Erem, e muitos outros. Ele não poupou esforços. Na década de 1930, ele escreveu uma série de ensaios que detalhavam suas visões como pensador global. Em seus ensaios, “Responsabilidade mútua”, “A Liberdade” e, especialmente, em “A paz” e “Paz no Mundo”, Ashlag detalhou como a humanidade pode prosperar em prosperidade e paz.

Mas Ashlag era antes de tudo um Cabalista. Foi por meio de sua profunda compreensão da criação, adquirida por meio de seu estudo da Cabalá, que ele se tornou um pensador astuto. Seu sonho era que todos fossem tão sábios quanto ele e que todos se importassem com a humanidade tanto quanto ele.

Para conseguir isso, ele escreveu dois comentários monumentais sobre as composições mais fundamentais da sabedoria da Cabalá. Seu primeiro feito foi um comentário de seis volumes sobre os escritos do ARI, particularmente A Árvore da Vida e Oito Portões. Em seu comentário, que intitulou O Estudo das Dez Sefirot, ele interpretou os escritos deste grande Cabalista do século XVI para que as pessoas contemporâneas pudessem se relacionar com eles e entendê-los.

Sua segunda e mais ilustre realização foi a escrita de um elaborado comentário sobre O Livro do Zohar, completo com quatro introduções que informam ao leitor como entender este texto vital. Em seu comentário, que intitulou Sulam [Escada], ele traduziu o texto aramaico do Zohar para o hebraico e interpretou o significado das palavras para que os leitores pudessem ver como o livro fala não sobre o mundo físico, mas sobre processos espirituais que todos os alunos de Cabalá passam. Como um símbolo de respeito, Rav Ashlag mais tarde ficou conhecido como Baal HaSulam [Autor de A Escada] pelo nome que deu ao seu comentário.

A humanidade ainda não descobriu o que este maior dos homens nos deu. Ele começa sua introdução ao Estudo das Dez Sefirot com as seguintes palavras: “No início de minhas palavras, encontro uma grande necessidade de quebrar uma muralha de ferro que tem nos separado da sabedoria da Cabalá desde a ruína do Templo [2.000 anos atrás] até essa geração”.

Mas por que devemos estudar Cabalá? Alguns parágrafos depois, Baal HaSulam responde a essa pergunta: para encontrar o sentido da vida. Em suas palavras, “Se nos empenharmos em responder apenas a uma pergunta muito famosa, estou certo de que todas essas perguntas e dúvidas desaparecerão do horizonte, e você olhará para o lugar delas para descobrir que se foram, o que significa essa indignada pergunta que o mundo inteiro pergunta, a saber, ‘Qual é o sentido da minha vida?’ Em outras palavras, esses numerosos anos de nossa vida que nos custaram tanto, e as inúmeras dores e tormentos que sofremos por eles, para completá-los ao máximo, quem é que os desfruta?”

Em seu tratado, “Hora de Agir”, Baal HaSulam compartilha seu grande desejo de que todos saibam do que realmente se trata a Cabalá. “Por muito tempo agora”, ele escreve, “minha consciência tem me sobrecarregado com a exigência de sair e criar uma composição fundamental em relação à essência de … a sabedoria autêntica da Cabalá, e divulgá-la entre a nação, então as pessoas virão conhecer e compreender adequadamente esses assuntos elevados em seu verdadeiro significado”.

Felizmente, hoje seus escritos, e os escritos de todos os Cabalistas, estão a apenas um clique de distância. No kabbalah.info, disponibilizamos todo o material gratuitamente para que todos possam estudar.

Mas o trabalho do Baal HaSulam não acabou. A humanidade está sofrendo e mais dividida do que nunca. Nós, que valorizamos seu legado sagrado, devemos continuar de onde ele parou e passar adiante a sabedoria da verdade, do amor e da unidade para todos.

Comente