Na Linha De Chegada Da História

750.03O povo de Israel foi formado por aquelas pessoas que sentiram que é seu dever se conectar a fim de atingir o sentido da vida e seu propósito, a correção da criação e a força superior. É por isso que se autodenominaram Israel (Yashar-kel), que significa “direto ao Criador”.

Abraão escolheu essas pessoas de todos os habitantes da Babilônia, ou seja, de todas as nações do mundo naquela época, e ensinou-lhes o princípio básico da conexão: ame o seu próximo como a si mesmo.

Desta forma, elas se elevaram acima do egoísmo, que está constantemente crescendo e inchando aos trancos e barrancos na sociedade humana. Esse crescimento é intencional a fim de garantir uma lacuna suficiente entre o enorme egoísmo da humanidade e o poder de conexão acima do egoísmo, que a sociedade é obrigada a alcançar.

Quando alcançamos um certo grau de confronto entre egoísmo e conexão, começamos a revelar dentro dele a força superior, o mundo superior e nós pertencendo ao mundo espiritual.

O egoísmo crescente serve como um motor que nos eleva deste mundo ao espiritual, da recepção à doação, do ódio ao amor. Se seguirmos os princípios de que “o amor cobrirá todos os crimes” e “todos julgam de acordo com suas próprias falhas”, então, individualmente e juntos como um grupo inteiro, seremos capazes de alcançar uma conexão tão forte que o Criador será revelado dentro dela.

Ao longo de milhares de anos, o grupo reunido por Abraão na Babilônia mudou muito. Parte dele desapareceu, se dissolveu nas nações do mundo e ainda está para ser revelado. Havia muitos no povo de Israel que atingiram o grau do Criador na medida de sua capacidade de superar o egoísmo e se conectar.

Com o passar dos anos, as condições mudaram, mas o princípio permaneceu o mesmo porque as leis do mundo são constantes e imutáveis. Precisamos apenas estudá-los e cumpri-los para alcançar o estado corrigido.

Portanto, precisamos estudar o processo pelo qual o grupo de Abraão passou na história, visto que “os feitos dos pais se tornarão um sinal para os filhos”. A partir disso, entenderemos em que direção estamos nos movendo, o que está acontecendo conosco, e quais sinais dos feitos dos pais podem ser vistos hoje, já que o princípio eterno do “ama ao próximo como a si mesmo”, a lei da unidade, está sempre em ação.

Do Ari em diante, todos os Cabalistas dizem que entramos na era do Mashiach, ou seja, o tempo do fim da correção. Resta um último estágio de nosso desenvolvimento, que pode ser bastante longo. Como sempre, as nações do mundo estão pressionando o povo de Israel, e essa pressão tem o objetivo de nos forçar a nos unir, pelo menos por meio do sofrimento.

Os judeus devem tirar conclusões de sua história, se conectar e tomar o exemplo dos pais. Por meio dessa conexão, sentiremos quase imediatamente o enfraquecimento da pressão externa por causa de nossa reação correta a ela e de nossos esforços para nos conectar.

Portanto, todas as guerras que estão surgindo contra nós cessarão imediatamente, porque começaremos a avançar por nós mesmos, sem pressão externa. Se nós mesmos revelarmos as forças para o avanço e nos precipitarmos, aqueles que nos impediram começarão a ajudar.

Essa será a tendência correta, de acordo com a única força superior, que deseja ver toda a humanidade em tal unidade.

Se não fizermos esforços para avançar em direção à unidade, na medida da falta desses esforços, as nações do mundo e as forças negativas dentro do próprio povo de Israel se levantarão e começarão a lutar, o confronto de todos os lados, a fim de nos despertar e nos forçar a tirar a conclusão certa – entender o motivo dessa pressão e o que devemos fazer.

Hoje estamos em um estado muito delicado e agudo. Falei sobre esse perigo há muitos anos, mas não esperava que acontecesse tão rapidamente e que já em nossa época um estado tão especial se desenvolvesse entre todos os países e nações de todo o mundo.

Estamos vivendo na era das novas tecnologias e da comunicação global e alcançamos uma certa compreensão interior das coisas que estão acontecendo: a responsabilidade do homem pela Terra e por todo o Universo.

Hoje em dia, existem muitas pessoas com alto nível de escolaridade e visão ampla, não como antes. Quase todo mundo tem a oportunidade de viajar ao redor do mundo e ver a vida de outras nações e se conectar com o mundo inteiro acima das distâncias e das diferenças de idiomas.

Ainda assim, na questão do antissemitismo, vemos que nada ajuda: a lei que avança a humanidade para a conexão age de forma severa, pode-se até dizer cruelmente. Em primeiro lugar, pressiona aqueles que deveriam ser os primeiros a liderar a humanidade como uma nação que tem a obrigação de fazer esse trabalho, de se tornarem pioneiros neste caminho e de liderar o mundo inteiro.

Não há como contornar essa lei. A luz superior, as forças superiores, são organizadas de tal forma que, assim que o povo de Israel, um grupo reunido durante o tempo de Abraão de todas as nações, se une novamente, todos os caminhos se abrem diante dele. Não existem obstáculos; pelo contrário, existem forças da natureza prontas para ajudá-los e elevá-los a níveis espirituais sobre seus ombros. Depois disso, toda a humanidade ficará feliz em se unir.

É assim que a governança superior é organizada e é assim que será. Tudo depende de Israel, como o Baal HaSulam escreve na Introdução ao Livro do Zohar, porque somente eles têm a liberdade de escolha.

Aqueles que aspiram a se aproximar do Criador são chamados de Israel. Eles se sentem obrigados a trazer a si mesmos e toda a humanidade para uma conexão comum e ascensão espiritual. Qualquer pessoa no mundo, de qualquer nacionalidade, cor e de todas as quatro camadas da humanidade, pertencem a uma nação, que é obrigada a alcançar a unidade e a adesão com o Criador.

Portanto, em todo o mundo a pressão sobre esse grupo corpóreo chamado Israel está crescendo, embora eles não entendam o que está acontecendo com eles. Afinal, eles há muito deixaram este trabalho de conduzir a si próprios e ao mundo inteiro à adesão ao Criador. A humanidade também não recebeu o conhecimento de que o mundo está passando por um desenvolvimento intencional que a leva à correção completa e, portanto, não entende as razões de seu ódio.

Os judeus estão confusos e perplexos com o que querem deles, e por causa do grande egoísmo, eles apenas sonham com paz e prosperidade. As nações do mundo sentem que os judeus estão escondendo algo delas, não permitindo que elas tenham uma vida boa.

É por isso que esses dois grupos se sentem perdidos na escuridão, onde a agressão vinda das nações do mundo esbarra no ódio e no medo que os judeus sentem.

É claro que isso não beneficia a nenhum dos dois: grande sofrimento aguarda tanto os que cometem violência quanto os que são teimosos e não querem ouvir falar de correção. Portanto, é nosso dever explicar a situação a ambos e impulsionar o processo de correção o máximo possível.

Da Lição Diária de Cabalá 03/01/20, “A Escolha Judaica: Unidade ou Antissemitismo”, Capítulo 1

Comente