“Europa Impedir É Um Pouco Tarde Demais” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Europa Impedir É Um Pouco Tarde Demais

Por toda a Europa, muros e cercas estão surgindo nas fronteiras entre os países. Entre a Grécia e a Bulgária, a Áustria e a Itália, a Hungria e a Sérvia, a Lituânia e a Bielo-Rússia, e entre muitos outros países, surgiram muros e cercas. Ao contrário de antes, os países não estão tentando se proteger uns dos outros, mas dos imigrantes muçulmanos que invadem seus territórios. Infelizmente para a Europa, nem as paredes nem qualquer outra barreira farão bem; é tarde demais para salvar o Velho Continente.

Embora os governos tenham aberto as fronteiras para a imigração de países muçulmanos, eles não prepararam os recém-chegados para a nova cultura que estavam prestes a encontrar, nem verificaram se estavam dispostos a se amalgamar nela. Mesmo agora, quando o dano da imigração descontrolada se tornou conhecido, os políticos europeus não estão tentando impedi-lo.

O único país que tenta impedir a invasão muçulmana é a Áustria, mas ela está sozinha. Com o tempo, a pressão de outros países europeus para abrir suas fronteiras a forçará a obedecer, e a Áustria também se perderá.

Não haverá alarde ou confrontos longos e violentos; A Europa já se rendeu ao Islã; o negócio está feito. Deveria ter parado há muito tempo, mas uma vez que optou por não fazê-lo, selou seu destino.

Mas a invasão muçulmana na Europa não será o fim da história. Seguindo o Islã, a China virá com suas próprias aspirações e os dois disputarão a carcaça.

Os dois poderes têm objetivos muito diferentes. O Islã quer se impor ao mundo inteiro. Se as pessoas aceitarem de bom grado, tudo bem. Do contrário, serão forçados a aceitá-lo ou serão executados.

A China, por outro lado, quer apenas controlar. Sua única aspiração é dominar o mundo; eles não se importam com a religião. Acho que depois de algum tempo e talvez algumas brigas, eles vão dividir o mundo entre eles de uma forma ou de outra.

E no meio de tudo isso estarão os judeus, é claro. Eles sempre estiveram, sempre estão e sempre estarão envolvidos nas transformações globais.

No entanto, acho que é melhor se as coisas evoluírem dessa forma, já que a outra opção é uma guerra mundial nuclear. Se o processo for mais gradual, há uma chance de que as pessoas entendam de uma forma mais pacífica que temos que mudar a forma como pensamos e como nos relacionamos.

Se as pessoas perceberem que o egoísmo é o único governante do mundo, há uma chance de que concordem em começar a trabalhar em si mesmas. À medida que as lutas pelo poder provam que não há ideologia, mas dominação e compulsão, esperançosamente, as pessoas perceberão que este é um curso insustentável para a humanidade. É melhor perceber isso por meio de processos políticos do que depois que as bombas nucleares e de hidrogênio demonstrarem as consequências do egoísmo.

Quando as pessoas perceberem que não temos outra escolha a não ser deixar de ser tão egoístas, seremos capazes de começar a desenvolver uma nova humanidade. Não será nenhuma ideologia que conhecemos atualmente, mas um simples reconhecimento de que invariavelmente influenciamos uns aos outros, e que a miséria de uma pessoa faz sofrer toda a humanidade, mesmo que não a conheçamos.

Como resultado, construiremos sistemas que garantam o bem-estar de todos.

A consciência de que um estado de espírito narcisista é, em última análise, destrutivo para o narcisista, empurrará as pessoas para fora dele. Então, quando nos tornarmos genuinamente inclusivos em nossa mentalidade, construiremos uma sociedade que cuida e apoia todos e abriremos mão da dominação em favor da cooperação.

No entanto, isso deve acontecer de boa vontade ou não funcionará. Precisamos chegar ao fundo do poço, perceber que somos irremediavelmente maus e que apenas uma rejeição completa de nossa natureza nos tirará do atoleiro da crueldade. Quando finalmente escolhermos a conexão em vez da separação, nos elevaremos da miséria à bem-aventurança.

Comente