Como Parar O “Feitiço Do Tempo”

204Pergunta: Houve um filme, Groundhog Day (O Feitiço do Tempo), onde uma pessoa acorda e vive no mesmo dia, acorda e vive no mesmo dia, indefinidamente.

Um espectador escreve: “Como podemos lidar com as decepções da vida? Tudo é sem graça; este não era o caso antes do coronavírus. Tudo é o mesmo, as mesmas emoções, os mesmos medos, como o Groundhog Day (O Feitiço do Tempo) todos os dias. Nada é novo, nada muda. Só quero ir para a cama o mais rápido possível. Dormir, dormir e sonhar. O que posso fazer?”

Resposta: Eu o entendo. Se, por exemplo, estabelecêssemos uma quarentena de seis meses, seria bom tomar um comprimido e acordar em seis meses. Mas não podemos fazer isso!

Comentário: Uma pessoa se levanta e é o mesmo dia para ela.

Minha Resposta: Sim. E ela deve entender que é o mesmo dia e que ela não pode mudar nada. E o que deve ser feito para mudar isso? Como faço para sair desse carrossel?

Para fazer isso, ela deve mudar a si mesma. E se ela começar a mudar, o mundo vai começar a mudar e não haverá o Groundhog Day (O Feitiço do Tempo).

E os ciclos de vida pelos quais passamos são todos iguais! Parece-nos que cada dia é algo novo, que cada segundo é novo. Não há nada novo.

Pergunta: Então, se seu objetivo é apenas viver uma vida comum, ter desejos comuns, o Groundhog Day (O Feitiço do Tempo) acontecerá com mais frequência?

Resposta: Sim. Isso é o que nos foi mostrado. Estamos nos tornando mais desenvolvidos, mas, como se diz: “Quem acrescenta conhecimento, agrega dor”.

Pergunta: Então, vivemos por esse conhecimento que acumulamos e agora até isso é insípido? Não precisamos mais disso?

Resposta: Nosso conhecimento apenas nos leva a um beco sem saída. Ele nos mostra como somos impotentes contra o mais importante: mudar algo em nossas vidas.

Agora vemos que o mundo está entrando nesse ciclo novamente. Houve um pouco de democracia, algumas liberdades, e agora estamos novamente entrando em uma corda que vai nos esmagar e apertar ameaçadoramente em torno de nossas gargantas.

Pergunta: Dê-nos alguns conselhos práticos: Como uma pessoa deve se levantar de manhã? O que deve dizer a si mesma, que passos deve dar?

Resposta: Esperamos que mudanças positivas ocorram do lado de fora. Não haverá nenhuma! Devemos perceber que só pode haver mudanças para melhor se mudarmos de dentro para fora. É quando começaremos a representar o nosso mundo da maneira que queremos que seja! Isso é o que precisamos fazer!

Pergunta: Nesse ínterim, o mundo é representado por nossa natureza, nosso egoísmo?

Resposta: Sim. Nosso ego terminou seu desenvolvimento. Ele mostra o mundo inteiro em que você existe. Isso é o que ele pode lhe dar. Como resultado, ele agora vai pressioná-lo, pressioná-lo tanto que você não será capaz de existir neste mundo. Então você se sentirá mal, doente, com medo, áspero, desconfortável; em geral, tudo é possível.

E isso é apenas para que você entenda que não há mais mudanças externas. Passamos por todos os estágios de nosso desenvolvimento egoísta, chegamos a um estado em que o que pode acontecer a seguir é apenas matar um ao outro. Isso é tudo, nada mais.

Nós nos dirigimos a um beco sem saída com nosso imenso egoísmo anterior. Agora não queremos nada. A nova geração não quer nada. Pensamos que eles seriam mais desenvolvidos, mais motivados, mas eles, ao contrário, não querem nada. E isso é verdade.

E seríamos iguais no lugar deles. De certa forma, nós os entendemos.

Está tudo bem. De que adianta exigir, espremer algo deste mundo repetidas vezes. Ele não pode lhe dar nada mais; não há nada mais nele.

Pergunta: O que devo dizer ao meu egoísmo se já percebi que foi o meu egoísmo que pintou todo o quadro para mim?

Resposta: Que ele está certo, que fez seu trabalho, que o levou a um estado em que você deve compreender, enquanto está completamente desapontado, que não pode mais existir em tal paradigma. Você não pode!

O que fazer? Corrija-se e o mundo será corrigido. Essa é uma técnica completamente diferente: corrigir o mundo mudando a si mesmo.

Não é fácil, mas este é um bom momento da história em que realmente precisamos mudar a fonte do nosso desenvolvimento, o sistema, a metodologia do nosso desenvolvimento. Quando nosso desenvolvimento depende não de como quebramos a natureza circundante, mas de como mudamos a nós mesmos. Como resultado, o mundo mudará.

Mudar a mim mesmo significa mudar minha atitude má em relação a tudo ao meu redor, minha atitude consumista e egoísta para uma atitude gentil e altruísta. Então começarei a ver o mundo de forma diferente. Vou começar a ver outro sistema de controle através dele.

Vou me fundir com esse mundo, vou compreender sua eternidade, infinidade e perfeição, que é algo que não vejo agora porque olho com meus olhos egoístas limitados.

Isso é o que devemos fazer.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 11/02/21

Comente