Ajude-nos A Nos Tornarmos Novas Pessoas!

239Todos os feriados simbolizam estados especiais na elevação espiritual de uma pessoa. Se trabalharmos como devemos, ano após ano, dia após dia, subiremos a escada espiritual mais e mais até alcançarmos a adesão completa com o Criador.

A ascensão acima do egoísmo é chamada de Pessach, a saída do Egito e a aquisição da força de doação é chamada de feriado de Shavuot.

Então a pessoa se julga e vê que não é capaz de dar, o que se chama 9 de Av. Então ela decide começar toda a sua vida de novo com uma nova relação com o Criador, que é chamada de Ano Novo, Rosh Hashaná.

E o mais importante é fazer um cálculo correto de como entrar nesse novo período, nesse novo tempo. Muitas vezes em sua vida, a pessoa quis mudar sua vida e, como se, começasse tudo de novo. Esse é um sinal do Dia do Juízo, Yom Kippur, um dos dias que a pessoa deve passar para alcançar a equivalência com o Criador.

Yom Kippur vem da palavra “expiação” (Kapara); é quando uma pessoa pede perdão ao Criador. Afinal, ela se testou e viu que muitas vezes teve a oportunidade de se corrigir e alcançar a adesão ao Criador, mas negligenciou isso e não conseguiu superar seu egoísmo.

Um mês antes do Yom Kippur, a pessoa começa a se controlar e vê que tem desejos egoístas de obter prazer para si mesma e não quer usá-los para se corrigir e se aproximar do Criador. E por isso pede perdão, percebe-se que naquele momento não teve força e oportunidade de superar seu orgulho e pedir ajuda. Afinal, toda a nossa correção consiste em pedir ao Criador o poder de correção.

Acontece que todo o nosso crime é que não pedimos ajuda e devemos pedir perdão por isso. “Lamento não ter pedido”, o que significa pedir ao Criador que nos perdoe por não nos voltarmos a Ele com um pedido para nos corrigir.

O Criador criou o egoísmo, mas o homem deve perceber que o egoísmo é o único mal que existe nele. Através do prisma deste mal, olhamos para o mundo inteiro e, portanto, o mundo inteiro parece ruim para nós. E de acordo com isso, nos relacionamos com o Criador porque toda essa imagem estragada do mundo supostamente vem Dele. Acontece que culpamos o Criador por tornar a nós e a este mundo tão maus.

Nesse momento, a pessoa não percebe que o Criador lhe deu o egoísmo e a capacidade de olhar através dele para o mundo inteiro, a fim de pedir ao Criador para corrigir este egoísmo e substituir a natureza má por uma boa.

Esse é o trabalho da pessoa. A única coisa que precisamos fazer é conhecer o mal contido em nós e perceber que o Criador o deu intencionalmente para que nos voltássemos a Ele e pedíssemos a Ele para substituir o egoísmo e a incapacidade de fazer boas ações, para corrigir todo o mal em bem.

Afinal, não existem forças boas em nós e não haverá se não as pedirmos ao Criador, e seremos capazes de sentir e ver o mundo inteiro através de um desejo bom. Então o mundo parecerá um verdadeiro paraíso para nós.

Portanto, todo o nosso trabalho é revelar nosso mal, a razão pela qual vemos o mal ao redor e dentro de nós, e nos voltarmos ao Criador para transformar esse mal em bem. Esse trabalho é feito pelo Criador e, portanto, é chamado de trabalho do Criador (Avodat Hashem). E o pedido para que o Criador faça isso é chamado de dia do arrependimento, Yom Kippur.

Acontece que esse não é um dia de luto, mas um dia de alegria porque julgamos a nós mesmos e vemos que, a fim de corrigir nossa condição, só precisamos pedir ao Criador para transformar o desejo mau com o qual Ele nos criou em um desejo bom.

Portanto, temos alguém a quem recorrer e o que pedir. E tudo depende apenas do nosso pedido. E todo o passado, quando éramos fracos e incapazes de fazer boas ações, éramos escravos confusos e insignificantes de nossa natureza que nos domina em tudo, tudo foi deliberadamente criado pelo Criador para nos mostrar nossa impotência e despertar em nós o desejo de libertar nós mesmos do nosso egoísmo e transformá-lo em doação.

Esse é o principal significado do Dia do Juízo, Yom Kippur, quando pedimos ao Criador que tire nosso desejo mau e egoísta e o transforme em um desejo bom e altruísta, em amor. Então subiremos de um buraco profundo até uma alta montanha.

Portanto, Yom Kippur é o dia mais significativo do ano, quando passamos todas as 24 horas pensando em como pedir perdão por nossas fraquezas, todo o mal que criamos em nosso egoísmo que foi dado pelo Criador. E já que decidimos que esse mal foi criado em nós pelo Criador, temos a oportunidade de nos voltar a Ele e pedir o poder do bem em vez desse mal. Como resultado desse pedido, ganharemos mais e mais forças do bem e nos elevaremos cada vez mais alto até o final da correção.

Acontece que cada um de nós e todos nós juntos devemos fazer esse trabalho não apenas uma vez por ano, em Yom Kippur, de acordo com o calendário, mas todos os dias e tanto quanto possível, devemos nos voltar ao Criador e pedir-Lhe para transformar nossa inclinação ao mal em uma inclinação ao bem. Na medida de nossa capacidade de nos voltarmos ao Criador e exigir essa correção, seremos capazes de nos tornar como Ele e alcançar a adesão e a perfeição com Ele, ou seja, o fim da correção.

É nisso que você precisa pensar e tentar implementar nas próximas vinte e quatro horas.

Da 2ª parte da Lição Diária de Cabalá 15/09/21, “Yom Kippur – O Dia da Expiação”

Comente