“80 Anos Após O Massacre De Babi Yar – Nosso Dever Não Pode Ser Destruído” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “80 Anos Após O Massacre De Babi Yar – Nosso Dever Não Pode Ser Destruído

Em setembro de 1941, em apenas dois dias, os nazistas assassinaram 33.771 judeus na ravina Babi Yar nos arredores de Kiev, na então ocupada Ucrânia. Ao fazer isso, eles efetivamente eliminaram a população judaica na capital do país. Os judeus não se reuniram na ravina por vontade própria. Em 19 de setembro, os nazistas conquistaram a cidade e imediatamente começaram a reunir todos os judeus, com os habitantes locais os auxiliando ansiosamente. Uma vez na ravina, eles foram despojados de suas roupas, joias e documentos, em seguida, fuzilados e jogados no vale da morte. Montes de homens, mulheres e crianças foram enterrados lá, e sua história foi silenciada por muitos anos.

Os nazistas eram os assassinos, mas o que mais surpreendeu muita gente foi o entusiasmo com que os ucranianos os ajudaram. Até os nazistas ficaram perplexos com o ódio implacável dos habitantes locais, como eu tinha ouvido falar pessoalmente de pessoas que viveram na época em que o evento ocorreu.

No entanto, eu realmente não tenho queixas, nenhuma amargura ou raiva em relação a qualquer nação, por mais antissemita que seja. Já que eu entendo de onde vem o ódio, posso apenas apontar o dedo em sua fonte e pedir sua correção: nós mesmos, os judeus.

Desde o início de nossa nação, temos sido uma raridade entre os povos. Nossos ancestrais não eram parentes de sangue ou surgiram de uma única tribo, como geralmente é o caso com o nascimento de nações. Em vez disso, eles eram párias, rebeldes que não se davam bem com seu próprio povo porque faziam muitas perguntas ou eram muito obstinados. No final, eles encontraram um líder com a mesma opinião que os uniu sob uma ideologia única, que o Rei Salomão mais tarde captou com um único versículo: “O ódio desperta contendas, e o amor cobrirá todos os crimes” (Prov. 10:12).

Esse líder era Abraão, e a ideologia que ele desenvolveu cresceu e se tornou uma lei obrigatória de amor aos outros. Os detalhes dessa lei foram descritos na Torá e, com base na lei do amor aos outros, uma nova nação nasceu: o “Povo de Israel”.

O nascimento da nação israelense não foi um acaso. Ela veio ao mundo para provar que as pessoas podem se unir acima de todas as diferenças, que pode haver paz na Terra e que, ao nos elevarmos acima de nossas diferenças e ódios, desenvolvemos uma nova qualidade: a qualidade do amor aos outros, ao ponto de se amar o próximo como a si mesmo.

Outra singularidade que Israel possuía era o fato de que, para se tornar um judeu, você só precisava cumprir a lei de amar os outros. Era um vínculo interno com os outros que tornava você Israel, e aderir a ele era a fonte de força de Israel. Enquanto Israel o manteve, foi intocável; quando o abandonou, tornou-se fraco e vulnerável, e outras nações o conquistaram e afligiram. Mas o povo de Israel nunca foi totalmente eliminado, nem mesmo durante a Segunda Guerra Mundial, já que seu dever não pode ser destruído.

Assim que o povo de Israel se tornou uma nação, eles foram incumbidos de dar um exemplo de unidade acima da divisão. A Torá expressa isso com o simples ônus de ser “uma luz para as nações” (Isaías 49: 6), uma luz que ilumina o caminho para fora do ego que está devastando a humanidade e destruindo o planeta.

Mas falhamos com as nações e caímos no ódio infundado, profundo e constante uns dos outros, e o mundo não nos perdoará. É por isso que não existe uma nação que não seja antissemita em vários graus.

No entanto, nem tudo está perdido. Pelo contrário: assim que restabelecermos nossa unidade, o mundo mudará o que sente por nós. Você pode destruir os judeus, mas não pode destruir a missão dos judeus. Portanto, até que cumpramos nosso dever, nos tornemos a luz das nações ao nos unirmos acima do ódio interno, o mundo não nos aceitará nem considerará legítima a nossa existência na terra de Israel ou em qualquer outro lugar. Mas quando nos elevarmos acima da divisão, seremos de fato “uma luz para as nações”.

Comente