“Uma Selfie Para A Eternidade” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Uma Selfie Para A Eternidade

Desde que as câmeras se tornaram onipresentes nos telefones celulares, as pessoas começaram a tirar fotos de si mesmas (selfies) em várias situações. Junto com a crescente importância que atribuímos às mídias sociais, veio a necessidade de nos apresentarmos de maneira mais ousada, especial e original. Mas as pessoas não sabem onde traçar os limites. De acordo com um estudo publicado pelo National Center for Biotechnology Information, que opera no âmbito do National Institute of Health, há uma tendência cada vez maior de tirar selfies arriscadas. Em 2011, por exemplo, três pessoas morreram no que ficou conhecido como “selficides” (acidentes fatais relacionados a selfies). Em 2017, esse número foi 93.

Não podemos enfatizar demais como pode ser perigoso tirar selfies imprudentes. Devemos ser muito inflexíveis ao afirmar que esse comportamento irresponsável pode nos custar a vida. No entanto, também devemos entender de onde vem esse fenômeno, porque, se quisermos realmente prevenir essas tragédias, devemos mudar a atitude das pessoas em relação a si mesmas e ao seu lugar no mundo.

Tirar uma selfie é uma forma de se “imortalizar”. No fundo, não podemos concordar com a finitude de nosso corpo, pois somos verdadeiramente eternos, conectados à força eterna que cria tudo o que existe, incluindo os seres humanos. Como, inconscientemente, nos sentimos conectados à eternidade, nossa morte física está sempre no fundo de nossas mentes. Tentamos “enganar” os limites do tempo e nos “perpetuar”, transcender as fronteiras do tempo e do lugar e, às vezes, arriscamos nosso presente pela chance de uma fama eterna.

Eu também sinto esse impulso, embora não o suficiente para arriscar minha vida por isso. É uma forma altamente desenvolvida de narcisismo que usa fotos para desafiar os limites do tempo e se elevar acima da existência física. Assim como Narciso olhou para a água e se apaixonou por sua própria imagem, pensamos que nossa foto em situações de risco de alguma forma prova que somos dignos, que conquistamos algo que vale a pena lembrar.

Na verdade, se há alguma “conquista” aqui, é a lição de que o narcisismo é ruim para nós. É ruim, não porque seja prejudicial em si, embora seja. É ruim principalmente porque nossa raiz é a força de doação, criação e difusão de energia e vitalidade. Ao nos concentrarmos em nós mesmos, nos tornamos o oposto dessa força: recebendo, destruindo e absorvendo energia e vitalidade. Em vez de nos tornarmos tão imortais quanto nossa raiz, nos desconectamos dela e, assim, tornamos nossa existência não apenas transitória, mas também prejudicial ao resto da realidade.

Se quisermos sair do nosso narcisismo, devemos tentar ser atenciosos com os outros. No momento em que começarmos a sentir que nosso coração está conectado ao coração das outras pessoas, deixaremos de temer a morte. Em vez disso, estaremos certos de que, embora nossos corpos sejam passageiros, nós mesmos, nossas almas terão alcançado uma conexão verdadeira com a eternidade. Nossas conexões com outras pessoas nos vitalizarão e prolongarão nossa existência muito depois que nossa presença física terminar, e saberemos que arriscar nossa segurança física é errado porque nos nega a oportunidade de nos conectarmos com as pessoas e imortalizar nossas almas.

Comente