“Sobre Apreciação E Admiração” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Sobre Apreciação E Admiração

Hoje em dia, quando a admiração por atletas superstars, cantores pop e modelos dá o tom em todo o mundo, vale a pena olhar para o fenômeno da admiração e como podemos usá-lo positivamente.

Quando os filhotes nascem, eles seguem naturalmente a mãe. Se sua mãe estiver ausente quando eles nascerem, seguirão qualquer coisa grande e em movimento como se fosse sua mãe. Nós também temos a tendência de seguir alguém grande, alguém que pode nos direcionar e nos proteger, alguém que vale a pena seguir.

Nossa necessidade de orientação começa na infância. Primeiro, admiramos nossos pais, que literalmente significam o mundo para nós. Mais tarde, aprendemos a valorizar professores, amigos, colegas que parecem bem-sucedidos e outras pessoas que idolatramos. Sem ídolos, nos sentimos desorientados e incertos para onde queremos ir.

As partes interessadas exploram essa necessidade vital. Por meio da mídia convencional e das redes sociais, elas nos direcionam para onde querem que vamos e nos obrigam a fazer o que elas querem. Elas elevam os ídolos das redes sociais ao estrelato, os transformam em celebridades que dão o tom do discurso público e nos fazem pensar que essas pessoas são as maiores.

Gradualmente, por meio da influência do meio social, nossa apreciação se transforma em admiração. Este já é um nível superior de relação com o objeto de atenção. Os fãs estão ativos; eles têm um senso de pertencimento e poder, que se origina de sentimentos de justiça própria e de direito que a admiração das pessoas “certas” nos dá.

Para os governantes, essa é a situação ideal. Quando as pessoas se sentem complacentes e se divertem com esportes, filmes e shows pop, elas podem ser facilmente manipuladas. Isso permite que a elite obtenha riqueza e poder sem ser perturbada.

Se quisermos avançar para um lugar melhor do que estamos hoje, como indivíduos e como sociedade, devemos primeiro determinar os valores que queremos promover. Esses valores devem coincidir com a direção do desenvolvimento global, que está tornando o mundo um lugar interconectado e interdependente. Na verdade, hoje, nosso nível de dependência mútua chegou ao ponto em que dependemos uns dos outros para as necessidades mais básicas.

Sendo esse o caso, precisamos de valores sociais que correspondam à nossa condição. Caso contrário, criaremos uma dissonância entre nossas aspirações e valores, que se originam dos ídolos egoístas que imitamos, e nossa realidade, que está totalmente interconectada e requer o altruísmo como base para a existência. Na verdade, é por essa dissonância que tantas pessoas estão insatisfeitas com a vida hoje.

Quanto mais cedo aprendermos a valorizar e promover a responsabilidade mútua, o cuidado e a consideração, mais cedo a vida mudará para melhor. Se aprendermos a respeitar as pessoas que promovem a coesão e um senso de união na sociedade, será fácil para todos subir para o próximo nível em nosso desenvolvimento, onde a aldeia global que somos é uma aldeia próspera, sustentando todos os seus residentes de forma abundante e fácil, e todos se sentem seguros e felizes.

Comente