“Israel Está No Fim Das Prioridades Da América” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Israel No Fim Das Prioridades Da América

Os Estados Unidos costumavam considerar Israel um parceiro estratégico, uma questão primordial em sua agenda internacional. Não mais. Israel precisa agir em conjunto e perceber que seu destino depende exclusivamente de sua disposição e capacidade de se fortalecer internamente, antes que seja tarde demais para lamentar sua inércia.

O presidente dos EUA, Joe Biden, encontrou-se com o primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett, na Casa Branca, em meio à derrocada afegã. O fato de seu primeiro encontro presencial ter sido adiado, mas não cancelado, apesar da crise, foi interpretado por alguns como um bom sinal de que a relação entre os dois países é forte. Biden disse: “Nós nos tornamos bons amigos” e garantiu que “o Irã nunca terá armas nucleares”.

Mas, além da oportunidade da foto e das declarações oficiais formais, a cúpula entre os dois líderes não tem nenhum significado real, nenhuma substância no momento. Biden está preocupado com seu mandato vacilante e não considera o Oriente Médio de extrema importância.

Os EUA têm suas próprias prioridades e crises urgentes para resolver em vários níveis, portanto, não é de surpreender que Israel venha por último. Eles parecem estar assumindo a mesma postura com outras regiões do cenário internacional. Os americanos estão deixando a Europa em paz por um tempo e liberando a pressão sobre eles.

Eles veem os russos vacilando e enfraquecendo, perdendo a voz, então não se importam se a Rússia lida com a Europa. Em relação à China, os americanos também não podem fazer nada contra ela, eles não estão em conflito e não os consideram uma ameaça imediata. A China poderia tomar Taiwan e até o Japão amanhã, ou absorver as regiões da Rússia que fazem fronteira com o Extremo Oriente, e os EUA não se importariam, não seria sua principal preocupação.

O encontro dos EUA com Israel foi apenas um gesto para mostrar a todos que os Estados Unidos estão conectados a Israel, e nada mais do que isso. Por quê? Porque quem sabe hoje o que pode acontecer amanhã. Quem pode adivinhar o que acontecerá na próxima rodada de relações exteriores e se as regras do jogo mudarão? Portanto, vale a pena gastar cinquenta minutos na agenda presidencial.

Uma mudança significativa ocorreu nos últimos seis meses na liderança da era Trump-Netanyahu para o período Biden-Bennett. Os judeus na América se regozijam por Biden estar no poder, mas essa alegria vem de uma falta de cuidado com Israel.

Caso contrário, eles teriam apoiado Trump, nosso amigo, que apoiou abertamente Israel, ajudou a fortalecer nossos laços com os Estados do Golfo e elevou nossa posição internacional. Ele também realizou muitas ações positivas nos bastidores, mas hoje estamos em queda livre, abandonados, sem nenhum suporte real e duradouro.

Nossa importância no mundo está diminuindo a cada dia, muitos líderes menosprezam Israel ou mantêm um relacionamento frio conosco. Subimos pelo caminho do tormento, um caminho que se afastou muito de nosso destino espiritual. O desvio da verdade só nos ensinará que o povo de Israel não depende dos líderes mundiais, nem da direita nem da esquerda.

O fato é que nenhuma crise global hoje está sendo administrada de maneira adequada. As atuais circunstâncias com Covid-19, Afeganistão, ondas de imigração em massa para a Europa e o colapso de países no Oriente Médio são apenas alguns exemplos de políticas fracassadas.

Líderes mundiais como Merkel, Sarkozy e outros deixaram seus lugares históricos no cenário global, e a poeira e confusão que eles deixaram para trás deve ser um exemplo para nós, o povo de Israel, criar um plano ordenado e sábio para perceber que não podemos contar com nenhum líder para pavimentar com sucesso o caminho e resolver nossos problemas.

A solução é nos unirmos em garantia mútua e fortalecer nosso vínculo interno, que é o nosso alicerce. O povo de Israel depende da liderança suprema, da força superior, do poder de conexão da natureza. Atualmente, estamos divididos e em conflito, jogamos a culpa em um ou outro líder, e nos asseguramos falsamente de que se houvesse outra figura aqui tudo estaria bem, mas a divisão entre nós é o que nos destrói.

Como nossos sábios escreveram: “Se uma pessoa pega um feixe de juncos, ela não pode quebrá-los todos de uma vez. Mas se ela pegar um de cada vez, até mesmo uma criança os quebra. Da mesma forma, Israel não será redimido até que todos sejam um feixe”. (Midrash Tanhuma)

Comente