“De Cabul A Istambul” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “De Cabul A Istambul

O homem-bomba que matou 170 pessoas, incluindo 13 militares americanos, não era um atacante solitário. Ele fazia parte do capítulo do ISIS no Afeganistão, conhecido como ISIS K. As ondas de terror se intensificam e diminuem, mas nunca param de verdade. Agora que os extremistas no Afeganistão ganharam controle sobre as sofisticadas armas americanas, incluindo caças e outras armas que podem causar estragos, podemos esperar que as coisas piorem muito. De Cabul a Istambul, a Rússia e a Europa, a cor verde do califado está se espalhando.

O terrorismo não é um “show”. Ser terrorista é uma carreira bem remunerada e é paga por países poderosos, organizações poderosas e indivíduos poderosos. As organizações terroristas estão cada vez mais equipadas e é bem possível que venham a possuir energia nuclear. Se possuírem, não hesitarão em usá-la. Para elas, morrer pela causa não é um pavor, mas um sonho que se torna realidade.

A humanidade está desamparada diante de tais ameaças porque, na verdade, não existe humanidade – um corpo coeso de nações. Existem nações e organizações lutando entre si pelo domínio. Nesta luta, vale tudo, sem barreiras. Potencialmente, a humanidade pode eliminar a ameaça do terrorismo. Praticamente, ninguém quer enfrentar o desafio.

O Taleban, armado com rifles, lança-granadas e o Alcorão, acaba de provar que em suas próprias terras pode derrotar os Estados Unidos, a França e o Reino Unido juntos. Em breve, eles estarão invadindo a Europa, a Rússia e os Estados Unidos.

Para Israel, mas não apenas para Israel, tenho certeza de que são más notícias. O Taleban e seus aliados islâmicos não vão ficar parados. O plano deles é pintar o mundo de verde. Não o verde das árvores, mas a cor do Islã. Eles não são islâmicos moderados; eles querem tudo.

Eles estabelecerão “cabeças de ponte” em locais-chave ao redor do mundo e os usarão como bases de expansão. No Oriente Médio, poderia ser o Líbano ou a Síria, certamente Gaza, e até mesmo alguns pontos dentro de Israel.

No entanto, eles não planejam permanecer no Oriente Médio. O objetivo do Islã radical é implantá-los em todo o mundo, em lugares como América do Sul, África e até perto dos Estados Unidos, como em Cuba. A localização específica é de pouca importância; o que deveria nos preocupar é sua intenção e determinação de se tornarem os governantes do mundo e de converter toda a humanidade ao Islã.

Estamos às portas de uma nova era. Coisas que pensávamos que sabíamos já não são mais verdade, e novos jogadores estão chegando. Haverá muitas lutas, e a única maneira de evitar um colapso total da humanidade é a unidade.

É aqui que Israel terá que cumprir seu papel. A única maneira de mitigar a era turbulenta que estamos caminhando é por meio da união. Quando se trata de unidade, Israel deve liderar o caminho. Atualmente, Israel é o líder mundial em divisão, com o país sendo dividido por subculturas que não se suportam.

Além disso, a divisão entre Israel e a diáspora judaica tornou-se tão profunda que parece que as pessoas que se consideram judias em Israel e aquelas que se consideram judias no exterior não são a mesma nação.

Além disso, o mundo judaico também está mais dividido do que nunca, fragmentado em uma miríade de denominações e visões de mundo. Resumindo, assim como a humanidade não é um corpo coeso de nações, o judaísmo não é um corpo coeso de pessoas. E sem cobrir as divisões com uma unidade abrangente, não há Judaísmo.

Visto que os judeus devem liderar o caminho em direção à unidade, quanto mais a humanidade se tornar fragmentada, mais pressionará os judeus. As guerras que envolverão a humanidade nos próximos anos não são guerras que alguém pode vencer. São guerras cujo objetivo é demonstrar que a única solução é a unidade acima de todas as diferenças.

Portanto, o futuro verá a humanidade declinar em conflitos cada vez mais violentos e sociedades cada vez mais divididas. Naquela época, o ódio aos judeus aumentará até que os judeus se reúnam e deem um exemplo de unidade. Como resultado, as guerras ao redor do mundo diminuem e uma paz duradoura prevalece. O que falta ver é o pedágio que teremos que pagar até que isso aconteça.

Comente