“Caixa De Pandora Do Afeganistão Para A Migração Em Massa” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Caixa De Pandora Do Afeganistão Para A Migração Em Massa

Seis anos se passaram desde que a Europa enfrentou uma das piores crises de refugiados de que o continente se lembra.

Desde que o Taleban assumiu o Afeganistão, ondas de choque ressoam por toda a Europa, enquanto os países lutam para saber como lidar com a chegada de milhares de pessoas que fogem da guerra, da perseguição e do caos que reina no país sitiado. O bloco europeu está tentando dividir cotas de imigrantes afegãos. A Turquia já avisou a Europa que não será seu “depósito de refugiados” e, assim como a Grécia, construiu um muro para impedir os requerentes de asilo.

O derramamento de emigrantes impacta em menor grau os distantes Estados Unidos, mas ainda se espera que pague um preço alto por sua retirada confusa e absorva milhares de refugiados afegãos. Isso representa um desafio adicional para sua atual crise de migração na fronteira com o México.

As cenas de afegãos tentando escapar desesperadamente são tristes, angustiantes e perturbadoras, mas a história nos ensinou uma coisa sobre as políticas de migração em massa. Absorver nações inteiras de pessoas não é uma solução realista e, definitivamente, não é uma solução sábia a longo prazo. Nunca vimos bons resultados em gerações ao lidar com essas situações.

Esse é especialmente o caso ao trazer pessoas com diferentes religiões, culturas e comportamentos entre outras sociedades, particularmente sem qualquer preparação de qualquer um dos lados. É como carvão em brasa que não está totalmente extinto e que reacenderá prontamente uma chama furiosa sob as condições certas.

Pode-se perguntar: os europeus ou americanos têm a responsabilidade moral de aceitar todos os refugiados depois que retiraram o apoio militar no Afeganistão, deixando o país nas mãos de extremistas?

Os europeus ou americanos não devem assumir a responsabilidade por pessoas que não têm a intenção de se integrar à sua cultura e se tornarem como os locais ao chegarem. Já hoje aqueles que viajam para a Europa a consideram completamente diferente depois de anteriores ondas massivas de imigração.

Uma solução mais humana e correta seria reabilitar os povos atingidos, ajudá-los, mas em seu lugar, em sua casa. Mas desde que o terrorismo tomou conta de seu país, é obrigação de organizações internacionais como as Nações Unidas e suas afiliadas apoiar totalmente aqueles que lutam com condições adversas para sobreviver.

Cada povo tem um lugar na terra ao qual pertence, onde compartilham uma cultura, religião e valores comuns. Um local onde tenham os meios e condições necessários para se instalar e viver com segurança. Simplesmente abrir as portas e permitir a entrada de imigrantes não resolverá nenhum problema. Isso apenas cria novos problemas de proporções gigantescas, incluindo a abertura das portas para que elementos islâmicos radicais se infiltrem junto com aqueles que genuinamente procuram abrigo.

O objetivo em toda sociedade é que os indivíduos se misturem e se fundam, mas não artificialmente. A abordagem liberal que acredita que é possível assimilar todo imigrante com uma mente aberta está errada. É uma receita para aumentar a agitação, a menos que um processo adequado de absorção e integração seja encontrado.

Uma integração eficaz exigiria um processo educacional aprofundado no qual cada indivíduo aprenderia como se unir em um terreno comum acima de suas diferenças.

Somente depois que cada nação se sentar em seu lugar e aprendeu as leis da natureza, que é redonda e integral, onde cada parte está naturalmente ligada ao resto do sistema e funciona em harmonia, iremos superar as diferenças. A fusão deve começar no espírito, nos valores compartilhados de amar os outros. Só então podemos viver uns com os outros e não sentir diferenças entre nós.

Comente