Vida Na Busca

294.2A Questão Do Sentido Da Vida

Pergunta: Quando você teve pela primeira vez uma pergunta sobre o sentido da vida?

Resposta: Eu nasci com ele. Ele me perseguiu literalmente desde a infância. Procurei o tempo todo, mas não sabia onde encontrar a resposta. Eu pensei que iria encontrar na ciência ou algo assim, mas rapidamente descobri que assim que você tenta, você vê que não é para você.

Houve anos em que não sabia exatamente o que estava procurando. Eu apenas me sentia vazio, entediado. Pelo que? Qual pode ser o objetivo da vida?

Pergunta: Como você tentou preencher esse vazio?

Resposta: Primeiro, tentei escolher uma profissão. Na época, não havia muitas oportunidades na Rússia. Meus pais me forçaram a ir para a faculdade de medicina. Eu me matriculei, mas desisti imediatamente. Literalmente, em poucos meses, percebi que isso não era para mim porque não fornecia uma solução para um problema doloroso.

Mas se eu tivesse me formado nesta escola, teria me tornado um cirurgião, porque você vê um resultado claro de seu trabalho. O paciente está em estado grave e só pode ser ajudado por uma intervenção dura, você intervém e vê o resultado. No entanto, ainda não era o que eu procurava.

Eu me matriculei na Faculdade de Automação e Engenharia da Computação do Instituto Ulyanov-Lenin em Leningrado. Em seguida, transferi-me para o Instituto Politécnico no departamento do Professor Akhutin, de cibernética médica biológica. Eu estava constantemente procurando e procurando. Ao mesmo tempo, nos meus últimos anos na Rússia, trabalhei um pouco no Instituto de Transfusão de Sangue, na Academia Médica Militar, e até no SKB, onde faziam cinturões alfa para astronautas. Mas eu não vi sucesso nisso.

Ser um cientista? Bem, você será um professor assistente. Então, o que vem a seguir? De alguma forma, me decepcionou muito rapidamente.

Pergunta: Existe algum tipo de limite. Você o alcança e não há mais desenvolvimento. E isso inicialmente o impediu?

Resposta: Sim. Isso me assombrou o tempo todo. De certa forma, eu estava infeliz. Mas o infortúnio, como dizem, ajudou e me levou à Cabalá depois de muitos anos. Percebi que não tinha nada a fazer na ciência, totalmente nada a fazer na Rússia. Naquela época, começou a repatriação. Durante vários anos, cobri meus rastros até que através da minha terra natal, Vitebsk, através da Lituânia, através da pequena cidade de Pobrade, após dois anos de recusas, recebi uma licença e fui embora. Em 1974 cheguei a Israel.

Busca Em Israel

Depois de chegar a Israel, continuei procurando uma resposta para a pergunta sobre o sentido da vida. Eu me instalei especificamente ao lado do Instituto Weizmann. Achei que talvez encontrasse algo lá. Nada de novo. Tive oportunidade de me envolver no desenvolvimento de equipamentos médicos, o que mais se aproximava da minha área de atuação. Mas isso também não me interessou. Eu não queria dar minha vida inteira. É melhor ir para algum tipo de trabalho autônomo e ser livre de coração e alma.

Portanto, fui trabalhar no exército na manutenção de aeronaves. E nas minhas horas vagas do trabalho, continuei a buscar. Como descobrir por que vale a pena viver? Essa questão, essa paixão, esse desejo, o vazio, me moviam, embora nessa época eu já tivesse uma esposa e um filho e fosse feliz em minha vida familiar. Sou feliz até hoje por ter vivido com essa mulher por tantos anos.

Mesmo assim, algo me incomodava. Ofereceram-me para buscar na religião. Comecei a frequentar alguns cursos e ia a Yarkhei Kala nos fins de semana. Eles pareciam estar dizendo algo, mas não havia sentido nisso. E o tempo todo eu tentava entender: “Bem, então o quê?” E eles próprios não tinham perguntas.

Tentei me tornar como eles. Gostei do que dizem sobre a eternidade, sobre o Criador, sobre a alma, sobre a conexão com o eterno. Mas onde está essa conexão? Eles responderam: “Lemos e ensinamos, e essa é a conexão”. E onde está realmente essa conexão? Onde está o conector com o qual você se conecta a essa conexão? Onde você sente isso claramente? Vocês estão envolvidos nisso? “Não, está escrito nos livros”. Isso era o suficiente para eles.

Mas eu ainda procurei até que o rabino Fischer da Holanda disse aos meus curadores que queriam fazer de mim um simples judeu religioso: “Ele provavelmente precisa ser apresentado aos Cabalistas, àqueles que estão mais profundamente envolvidos nisso. Há pessoas que precisam disso”.

E eles me apresentaram ao Rabino Zilberman. Por meio dele, percebi que existe a Cabalá, existem livros que realmente falam sobre isso. Ele começou a estudar comigo em aramaico às escondidas. Afinal, a Cabalá nas fontes primárias é apresentada em aramaico. Origina-se da Babilônia, onde o aramaico era a língua falada.

Mas também não fiquei satisfeito com sua abordagem. Os crentes apenas estudam livros, e ele estudava a Cabalá da mesma maneira. E onde está o contato, onde está a conexão? Também não estavam lá. Ele acreditava que bastava ler para aprender mais.

O que “aprender” tem a ver com isso? Eu quero estar nisso! O que devo fazer para descobrir a própria essência da vida, tudo o que acontece ao redor, ver a criação do início ao fim? Por que, como, por quê? Qual é o objetivo final?

A isso, Rav Zilberman disse: “A pergunta, claro, é boa. Isso é entendido aqui e ali na Cabalá. Tanto quanto entendemos os Cabalistas, isso nós entendemos”. E eu o deixei.

Berg

Certa vez, em busca de um professor de Cabalá, fui a uma das palestras do Berg Institute, mas vi que tudo isso, é claro, não era sério. Então, pedi para ser apresentado a Berg e disse-lhe sem rodeios: “Estou pronto para pagar o que você quiser, só preciso de aulas particulares”. Do ponto de vista financeiro, eu era uma pessoa rica e doava muito para ele, mas exigia aulas particulares.

Então, comecei a ir à casa dele quase todos os dias às cinco da manhã. Depois de algumas semanas, percebi que não tinha mais nada a ver com ele.

No entanto, aprendi um pouco mais com ele do que com os outros, porque certa vez ele estudou com o Rabino Brandwein, um estudante do Baal HaSulam. Berg me contou um pouco sobre o Baal HaSulam, sobre o Rabino Brandwein, como ele estudou com ele quando ainda era muito jovem. Ele disse que ainda existiam outros livros, os livros do Baal HaSulam, e eles podiam ser usados. Basicamente, aprendi isso com ele.

Mas depois de duas ou três semanas, vendo que não tinha mais nada a aprender com ele, parei de estudar. E para onde olhar a seguir? Quem devo procurar? Eu não sabia.

Aqui Ele É Um Verdadeiro Professor!

De alguma forma, literalmente por acaso, ao chegar a Bnei Brak, decidi procurar um professor. Era inverno, era difícil viajar para Jerusalém nesta época do ano e pensei, por que não procurar em Bnei Brak. Em uma das encruzilhadas, inclinando-me para fora do carro, perguntei: “Onde as pessoas estudam Cabalá aqui?” Um homem religioso que estava ali respondeu: “Vire à esquerda, vá para o bosque, lá você encontrará um lugar onde eles estudam Cabalá”. Como um anjo do céu.

Quando cheguei lá, vi pessoas idosas estudando Cabalá. Eu me virei para eles e eles me mostraram um professor. Então comecei a estudar lá. Descobriu-se que seu líder era o filho mais velho de Baal HaSulam. Anteriormente, ninguém me falou sobre isso.

Assim, acabei com a pessoa mais importante, diria o único Cabalista na época. Além disso, ele era o filho mais velho de Baal HaSulam e recebeu tudo dele. De fato, quando ele começou a estudar comigo, percebi que uma ou duas semanas não seriam suficientes aqui.

Eu senti isso pela maneira como minhas perguntas não voaram para algum lugar no vazio, mas imediatamente caíram no chão certo. Eu estava recebendo respostas direto na cabeça. Além disso, respostas não elusivas, como contentar-se com a fé e alguns mandamentos, ou vamos esperar para ver mais tarde. Foram respostas totalmente claras, sérias e calmas. Além disso, vinham acompanhados de fórmulas, de gráficos, de explicações lógicas, sem concessões.

É Assim Que Fui Feito

Pergunta: Seus pais sabiam de sua busca pelo sentido da vida?

Resposta: Eles sempre souberam o que eu estava procurando. Tudo aconteceu diante de seus olhos ao longo dos anos. Naturalmente, eles entenderam que eu não desistiria de forma alguma e em nada porque não poderia viver sem isso; não valia a pena viver. Portanto, eles não me pararam.

Ao mesmo tempo, eu era uma pessoa séria, sensata e muito realista; não estava nas nuvens. Eu desprezo o misticismo e estou muito longe da religião, da fé. Sou muito realista, sei que preciso sustentar minha família, meus filhos, fico firme com os dois pés no chão, não sucumbi a nenhuma má influência. Eles sabiam de tudo isso muito bem. Eles viram que eu tinha um objetivo muito sério, que fui criado assim e que vou em frente.

De KabTV, “Close-up. Geração”

Comente