“Uma Lição Do Sabor Antigo E Desagradável De Ben & Jerry’s” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Uma Lição Do Sabor Antigo E Desagradável De Ben & Jerry

Há poucos dias, em 19 de julho, a multinacional de bens de consumo Unilever, que também é a controladora da Ben & Jerry’s, anunciou que “é inconsistente com [seus] valores para o sorvete Ben & Jerry’s ser vendido no Território Palestino Ocupado (OPT)”. Embora oficialmente a Ben & Jerry’s pertença à Unilever, na verdade a empresa mantém sua própria política quando se trata de questões políticas. De acordo com um ensaio na Stanford Social Innovation Review, Cohen e Greenfield, os judeus progressistas que fundaram a empresa sediada em Vermont, “tentaram alcançar [autonomia política] negociando a criação de um conselho independente e robusto para a subsidiária pós-aquisição”. Na verdade, até agora, o Conselho de Administração Independente da Ben & Jerry tem total liberdade quando se trata de declarações políticas, mesmo quando afetam a atividade comercial da empresa, como neste caso.

Além disso, de acordo com a Agência Telegráfica Judaica (JTA), “a presidente do conselho, Anuradha Mittal, ficou furiosa com a resposta da Unilever, dizendo à NBC que a Unilever estava ‘tentando destruir a alma da empresa. Queremos que essa empresa seja liderada por valores e não ditada pela matriz’”. Mittal não ficou brava com a Unilever por banir uma parte de Israel. Pelo contrário, de acordo com o The Jerusalem Post, “O Conselho de Administração Independente da Ben & Jerry queria boicotar Israel em sua totalidade, mas foi impedido de fazê-lo pela CEO da sorveteria e pela empresa controladora britânica Unilever”.

Em outras palavras, o sabor antigo e desagradável de Ben & Jerry é “ódio ao Estado judeu”. Eles não acham que Israel tem o direito de existir e disfarçam sua agenda com um manto de “justiça social”. Mas não se trata de justiça; é um reflexo da objeção de muitos judeus, particularmente nos Estados Unidos, à existência de um Estado judeu.

Na minha opinião, existem dois níveis relacionados com a declaração da empresa. O primeiro nível é o superficial: o contrato com a Ben & Jerry’s não contém nenhum item que especifique restrições de vendas em partes específicas do país, por qualquer motivo. Portanto, essa demanda é uma violação de contrato, e o Estado de Israel deve responder enfaticamente proibindo as vendas dos produtos Ben & Jerry’s em todo o país. Em vez da franquia para fabricar e distribuir o sorvete em Israel, o licenciado israelense venderá seu próprio sorvete ou assinará um contrato com outra empresa multinacional. Em suma, se eles forem políticos contra Israel, Israel deve agir politicamente contra eles.

Mas o nível mais profundo é o mais importante. O fato de dois judeus liderarem uma campanha contra Israel é na verdade natural; é um reflexo de sua aversão ao dever para com o mundo. Não vai ajudá-los. Os judeus alemães tinham as mesmas opiniões antes de Hitler chegar ao poder, mas isso não os ajudou em nada depois que os nazistas chegaram ao poder. Agora, também, a agenda anti-Israel não ajudará os judeus americanos; os antissemitas locais vão lidar com eles da mesma forma que os nazistas fizeram sob Hitler.

Não há nada que os judeus não deem às nações do mundo em troca de alguma simpatia. Eles abrirão mão de sua identidade, tradição, história, soberania, qualquer coisa para fazer com que o mundo goste deles. Mas todos aqueles “presentes” que os judeus estão dispostos a conceder ao mundo aumentam a divisão dentro do povo judeu e intensificam o ódio do mundo contra nós. Se pudéssemos nos elevar acima de nossas diferenças e nos unir por apenas um dia, veríamos que é isso que o mundo realmente quer de nós: nossa própria unidade, e não quaisquer outros dons.

Além disso, se nos uníssemos, o mundo entenderia por que os judeus precisam de seu próprio país: para criar um lugar onde eles possam se unir acima de suas fissuras e dar um exemplo de amor que cubra todos os crimes, como escreveu o rei Salomão (Provérbios 10:12) A razão pela qual alguns judeus não querem que exista um Estado soberano de Israel, mesmo que seja estabelecido em um território completamente indiscutível, é que, inconscientemente, eles não querem o ônus de ser uma nação modelo, uma empresa pioneira que une pessoas de todas as culturas, etnias e crenças sob a ideologia da unidade acima de tudo. Essa foi a ideologia que forjou o povo dos nossos antepassados, essa é a razão pela qual “Ame o seu próximo como a si mesmo” é o lema que abarca toda a Torá, e esse é o ônus dos judeus: dar o exemplo implementando este credo mais sublime que existe, o sistema de unir completos estranhos “como um homem com um coração”. Os judeus que negam o direito de existência de Israel estão tentando evitar dotar o mundo deste presente precioso.

Comente