“Sobre Espaguete, Fé E Amor Aos Outros” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Sobre Espaguete, Fé E Amor Aos Outros

Hoje, muitas pessoas tendem a pensar que a religião é coisa do passado. Muitos acreditam que a ciência é a cura para todos os nossos problemas e que, se apenas ouvirmos os cientistas e seguirmos suas instruções, tudo ficará bem em nosso mundo. Outros acreditam na vida ética e torcem pela justiça social e igualdade. O problema é que todos os crentes, religiosos ou não, o fazem com zelo religioso. Muitos deles consideram qualquer um que discorde deles como um inimigo e farão de tudo para “derrotar” o inimigo. O resultado de tudo isso não é que a religião acabou, mas que assumiu inúmeras novas formas, algumas das quais são marcadamente “profanas”.

Anos atrás, enquanto eu estava trabalhando em meu doutorado, descobri que existem aproximadamente 3.800 religiões e sistemas de crenças diferentes em todo o mundo. Hoje, provavelmente há muito mais do que isso, pois a imaginação humana não conhece limites. Na verdade, algumas pessoas até levam a sério a Igreja do Monstro de Espaguete Voador (Church of the Flying Spaghetti Monster)!

Não é um problema que as pessoas acreditem em coisas diferentes. Ao contrário, os Cabalistas apreciam a diversidade, pois quanto mais diversos somos, mais rica se torna nossa sociedade, contanto que mantenham sua coesão. Mas quando evitamos a coesão social, quando afirmamos que nossa crença é a única fé legítima, temos um problema. A crença atual na ciência, na filosofia ocidental ou em outros dogmas sociais é tão religiosa quanto a crença nessa ou naquela divindade.

Na década de 1940, a crença religiosa dos alemães na superioridade de sua raça levou às consequências mais horrendas que o mundo já viu. Sua crença era supostamente baseada na ciência, não em uma divindade, mas levou a consequências piores do que qualquer religião já causou até agora.

Pouco depois do fim da Segunda Guerra Mundial, Baal HaSulam, um grande Cabalista e pensador que escreveu extensivamente sobre os assuntos mundiais e previu muitos dos processos que vivemos hoje, escreveu uma coleção de “notas” para si mesmo. Eram pensamentos que ele tinha sobre o mundo e seu futuro. Após sua morte, eles foram reunidos sob o título Os Escritos da Última Geração. Baal HaSulam usou esse termo, mas ele não quis dizer que sua geração seria a última geração da humanidade, mas que a humanidade atingiu os estágios finais de seu desenvolvimento e que está se movendo em direção a um novo nível de existência. Sua aspiração ao fazer suas “notas” era formular seus pensamentos sobre como a humanidade poderia se poupar da recorrência das atrocidades da Segunda Guerra Mundial.

Baal HaSulam percebeu que as pessoas são inerentemente religiosas. Portanto, ele não via sentido em tentar abolir a religião. Em vez disso, ele queria adicionar outra camada às crenças existentes, o que permitiria que toda a humanidade se unisse acima de suas diferenças. Ele chamou essa camada de “religião de doação”. Com sua ajuda, ele esperava evitar o que acontecera com a Alemanha. Em uma nota intitulada “O nazismo não é uma patente alemã”, ele anotou: “Se nos lembrarmos que a maioria das pessoas não é idealista, não há escolha a não ser a religião, da qual os costumes e a justiça emanam naturalmente”. No entanto, ele não se referiu às religiões como as conhecemos, mas a uma “religião de doação”. Em outro lugar, ele escreveu que, uma vez que a natureza humana é inerentemente egoísta, “necessariamente induzirá a destruição do mundo, a menos que eles aceitem a religião de doação”.

Como afirmado anteriormente, Baal HaSulam não se opôs à diversidade. Pelo contrário, ele saboreou. Além disso, ele alertou contra a limitação da diversidade entre as pessoas, uma vez que as interações entre as visões são o motor do crescimento e do desenvolvimento. De acordo com Baal HaSulam, embora as nações devam abraçar uma “religião de doação”, cada nação deve manter “sua própria religião e tradição, e uma não deve interferir na outra”.

Além disso, em seu ensaio “A Liberdade”, Baal HaSulam fala com reverência sobre como preservar as tendências e ideias básicas das pessoas. Em suas palavras: “Quem erradica uma tendência de um indivíduo e a arranca dele causa a perda desse conceito sublime e maravilhoso … pois essa tendência nunca mais aparecerá. … Do que foi dito”, continua ele, “aprendemos que terrível injustiça infligem essas nações que impõem seu reinado às minorias, privando-as de liberdade sem permitir que levem suas vidas de acordo com as tendências que herdaram de seus ancestrais”.

Em conclusão, ele acrescenta, qualquer pessoa “pode entender a necessidade de preservar a liberdade do indivíduo … pois podemos ver como todas as nações que caíram, ao longo das gerações, chegaram a isso apenas devido à opressão de minorias e indivíduos, que, que haviam se rebelado contra elas e as arruinaram. Portanto, é claro para todos que a paz não pode existir no mundo a menos que levemos em consideração a liberdade do indivíduo”. Mas como todos nós acreditamos inerentemente que apenas nós estamos certos e todos os outros estão errados, mesmo que nossa divindade seja o espaguete, para que esse objetivo sublime seja bem-sucedido, devemos colocar o valor do amor aos outros acima de tudo, ou como Baal HaSulam o chama, estabelecer uma “religião de doação”, como o valor abrangente.

Comente