“Rumo A Outro Verão Mascarado?” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Rumo A Outro Verão Mascarado?

As férias de verão mal começaram e já estamos vendo sinais de que podem acabar em breve, ou pelo menos a parte divertida dela. A Covid-19 está retornando a Israel em grande estilo e ameaça fazer neste verão o que fez no verão passado: nos manter em casa ou, pelo menos, distantes uns dos outros. Parece que a natureza não tem piedade das crianças, que só querem aproveitar o verão: sua breve pausa de um ano escolar traumatizante e cheio de lockdowns do coronavírus.

Mas então, por que a natureza deveria ter misericórdia das crianças se nós, seus pais, não temos? Ou seja, por meio de nossa própria má conduta, estamos trazendo sobre elas o lockdown que poderíamos evitar se apenas nos conduzíssemos com mais responsabilidade. Se fôssemos melhores pais, faríamos o que temos que fazer, tanto em relação a nós mesmos quanto em relação a nossos filhos.

E o que temos que fazer é reorganizar nossos relacionamentos. Caso contrário, não seremos capazes de lidar com a Covid e certamente não com os vírus que já estão na fila para nos atormentar e que estão fadados a ser mais problemáticos do que a peste atual.

Até que aprendamos que devemos reorganizar nossos relacionamentos de competitivos para de apoio, e de insensíveis para cuidadosos, nada de bom acontecerá. Devemos compreender que nossa única cura do vírus é curar nossos corações dos pensamentos negativos sobre os outros, desenvolver pensamentos positivos e nos conectarmos com as mesmas pessoas que atualmente repelimos.

Conectar-se significa compreender e sentir que dependo de outras pessoas. Posso viver em meu corpo físico, mas o coração deste corpo está em outra pessoa, não em mim. E não está apenas em outra pessoa, mas em todas as outras pessoas além de mim. Em outras palavras, cada um de nós depende inteiramente de todos os outros. Não determinamos nossos destinos e não determinamos nosso presente. Na verdade, não determinamos nada; nossas interconexões determinam tudo, e nós apenas seguimos os ditames dessa rede, conscientemente ou não.

Mesmo que não possamos sentir isso agora, devemos pelo menos entender que é assim e perceber que se for esse o caso, então “Ame o seu próximo como a si mesmo” não é um lema elevado que ninguém leva a sério, mas nossa única esperança de mudar nossas vidas, de mudá-las para uma direção positiva.

Podemos ignorá-lo e continuar trilhando o caminho da maldade que cultivamos com tanto fervor por tantas décadas, mas não demorará muito para que a vida nos obrigue a passar pela dor ao repensar nosso caminho.

O vírus não é nosso inimigo; ele está nos mostrando a verdade de nossa interdependência. Se tivéssemos agido de acordo com essa verdade, não teríamos qualquer tipo de pandemia. Nossa responsabilidade social teria feito com que nos separássemos uma vez que ficamos doentes até que melhorássemos, e o vírus não teria se espalhado. Isso, aliás, é o que os morcegos doentes fazem para não infectar outros membros de sua nuvem (uma colônia de morcegos). Se tivéssemos o senso de responsabilidade deles, não estaríamos falando sobre a pandemia Covid-19, certamente não depois de dois anos.

Como somos totalmente dependentes uns dos outros, influenciamos uns aos outros. É por isso que é tão importante monitorarmos nossos sentimentos em relação aos outros e tentarmos cultivar os sentimentos positivos. Ao fazer isso, influenciaremos outros, que influenciarão ainda outros, mesmo sem falar sobre isso. Em pouco tempo, essa onda positiva voltará para nós e para nossos filhos.

Nós determinamos o destino um do outro, então sejamos responsáveis. Vamos tirar a conclusão óbvia de que “Ame seu próximo como a si mesmo” é nossa única opção viável para o futuro. Já tentamos de tudo e veja onde estamos: à beira de mais um verão mascarado. Agora que isso está afetando nossos filhos, devemos parar de correr riscos. Eu espero que aprendamos e implementemos essa lição que a natureza está tentando desesperadamente nos ensinar antes de recorrer a meios mais duros.

Comente