“Este Verão Terrível É O Melhor Verão Do Resto De Nossas Vidas?” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Este Verão Terrível É O Melhor Verão Do Resto De Nossas Vidas?

Não tenho medo da pandemia; receio que a natureza tenha começado a se relacionar conosco da maneira como nos relacionamos com ela. Parece que o caos tomou conta do mundo. Desastres naturais de magnitude sem precedentes estão ocorrendo em vários lugares simultaneamente: enchentes inéditas em alguns lugares, incêndios sem paralelo em outros lugares, às vezes a algumas centenas de quilômetros de distância, e ainda calor escaldante em outros lugares. Ao mesmo tempo, o coronavírus está se espalhando mais uma vez com a variante Delta e ameaça dificultar os esforços da humanidade para se recuperar da peste, enquanto as relações internacionais estão ficando cada vez mais tensas e voláteis. Mas o pior de tudo é a tendência: é negativa. As coisas não estão apenas ruins, mas pioram rapidamente. Se essa tendência continuar, este verão terrível será o melhor verão do resto de nossas vidas.

Precisamos pensar sobre as coisas. Não faz sentido que tantas crises estejam acontecendo em todo o mundo ao mesmo tempo, que um vírus esteja se espalhando pelo mundo e atrapalhe a vida de todas as pessoas na humanidade, e todos esses são incidentes não relacionados.

Talvez você possa culpar a mudança climática pelos desastres naturais, mas não pode culpar os países que ameaçam destruir uns aos outros. Existe uma causa mais profunda para nossos infortúnios, e só podemos encontrá-la em nós mesmos. Quando analisamos todas as crises, descobrimos que o único elemento comum em todas elas é o homem. Se somos o elemento comum, então a razão das crises está dentro de nós.

Mais precisamente, o motivo das crises é como nos relacionamos com a natureza e uns com os outros. A natureza é um sistema perfeito. Ela mantém um equilíbrio dinâmico que chamamos de homeostase. Ao contrário do equilíbrio da natureza, buscamos apenas tomar e tomar de novo. Forçamos nossa atitude de “o vencedor leva tudo” em um sistema que opera de maneira a garantir o sustento e o bem-estar de todos. Injetamos ódio, violência e maldade em um sistema que não continha nada disso antes. Agora parece que esse sistema está nos pagando de volta com nossa própria moeda: a moeda do ódio.

Se quisermos evitar catástrofes inimagináveis, devemos abandonar a moeda que usamos até agora e adotar a moeda da natureza de responsabilidade e consideração mútuas. Temos que começar a respeitar o direito uns dos outros de levar uma vida saudável e segura, sem tentar subjugá-los, mas para isso, devemos sentir que somos todos partes de um sistema global.

Nossos sábios sabiam de tudo isso há milhares de anos e falaram sobre isso com qualquer pessoa que quisesse ouvir. O Talmude de Jerusalém, por exemplo, oferece uma bela alegoria sobre nossa conexão: “Se a escrita avisa sobre os maus-tratos habituais, a vingança e o ressentimento deveriam ser proibidos também contra aqueles que não são de sua nação. Além disso, como é possível perdoar uma afronta? [Suponha] que alguém esteja cortando carne e a faca desce até sua mão; ele consideraria vingar sua mão e cortar a outra por ter cortado a primeira? Então é isso … a regra é que ninguém se vingue do próximo, pois é como se ele se vingasse do próprio corpo” (Nedarim 9:4).

Realmente não temos tempo a perder. A natureza está sinalizando claramente que está perdendo a paciência. Se explodir em toda a sua fúria, a Covid será a menor de nossas preocupações. Portanto, para nos salvarmos, devemos começar a tratar uns aos outros, e toda a natureza, como gostaríamos que os outros nos tratassem.

Comente