“Preparem-Se Para Novas Calúnias Envenenadoras” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Preparem-Se Para Novas Calúnias Envenenadoras

No século XIV, uma peste bubônica, também conhecida como Peste Negra, causou estragos em toda a Europa no que se tornou a pandemia mais fatal da história da humanidade, aniquilando quase metade da população da Europa. Naquela época, as pessoas não tinham conhecimento científico ou condições sanitárias para conter a propagação da pestilência, então seu único refúgio contra o desespero total eram os boatos, geralmente fabricados. Um desses boatos era que os judeus haviam causado a doença envenenando deliberadamente os poços.

Os judeus costumavam ser alvo de falsos rumores ao tentar explicar as crises. Desta vez, porém, o resultado foi particularmente doloroso: entre 1348-1351, 350 pogroms contra judeus foram registrados, nos quais nada menos que 210 comunidades foram simplesmente exterminadas. Mesmo anos depois de a peste ter diminuído, pogroms relacionados com a calúnia de envenenamento de poços ainda aconteciam. Em 1370, por exemplo, a difamação desencadeou o massacre de Bruxelas que exterminou a comunidade judaica belga.

A atual pandemia, Covid-19, provavelmente repetirá o padrão. Embora os judeus, e particularmente o Estado judeu, Israel, já tenham sido acusados ​​de causá-la, tais calúnias ainda estão à margem. No entanto, quanto mais a praga atual continua e quanto mais a humanidade se sente desamparada, mais os olhos das pessoas se voltam para os judeus e seus dedos apontam para nós como os malfeitores.

Como então, agora, faremos todos os argumentos razoáveis ​​para provar que não somos os culpados, que não causamos a pandemia. Como então, agora, ninguém vai ouvir. Nesse sentido, o mundo não mudou desde a Idade Média. Se pensamos que as pessoas são mais razoáveis ​​ou civilizadas hoje do que eram naquela época, precisamos apenas olhar para o que aconteceu na Alemanha há menos de um século para perceber que a humanidade é hoje o que sempre foi: inerentemente irracional e sempre disposta a botar a culpa nos judeus.

Mas a humanidade está errada? Se todos nos dizem que somos os culpados, e somos os únicos que pensam o contrário, quem está certo? Porque mesmo que não tenhamos causado a Peste Negra ou a Covid-19, e não o fizemos, com certeza, talvez haja alguma outra falha em nós que desconhecemos e que o mundo não consegue articular, e isso se expressa através de seu pretexto mais conveniente. Talvez seja por isso que o mundo nos culpa não apenas de iniciar a Peste Negra e a Covid, mas de causar todas as guerras, o vírus HIV, todas as crises econômicas e financeiras que já atingiram a humanidade, todas as violações dos direitos humanos, em todos os países, até onde não há judeus e, em geral, de tudo que há de errado com o mundo.

O problema é que não temos consciência do que nossos próprios sábios ensinam. Se fôssemos mais informados, perceberíamos que eles também achavam que tudo o que há de errado no mundo é por causa dos judeus, e que os judeus podem e devem corrigir isso.

Nossos sábios atribuíram todos os nossos problemas e todos os problemas do mundo à nossa falta de unidade e, como resultado, sustentaram que nossa unidade, a unidade do povo judeu, é a cura para tudo.

Por exemplo, o Talmude escreve (Yevamot 63), “Nenhuma calamidade vem ao mundo, senão para Israel”. A propósito, “para” significa tanto “por nossa causa”, para nos ajudar, quanto “por causa”.

Semelhante ao Talmude, o livro Shem MiShmuel escreve: “Quando eles [Israel] são como um homem com um coração, eles são como uma muralha fortificada contra as forças do mal”. O rabino Nathan Sternhertz escreve em seu livro Likutey Halachot [Regras Diversas], que descreve como os judeus devem se comportar, “’Reúnam-se e ouçam, filhos de Jacó,’ precisamente ‘Reúnam-se’, pois ele revelou a eles que o elemento principal da correção é o conselho a se reunir, o que significa que haverá unidade, amor e paz em Israel, que eles se reunirão para falar uns aos outros sobre o propósito final. Assim, eles serão recompensados ​​com a plenitude do conselho, pois Israel e a Lei são todos um na medida da paz e unidade em Israel”. O rabino Simcha Bonim Bonhart de Peshischa escreveu de forma semelhante em A Broadcasting Voice: “Esta é a garantia mútua pela qual Moisés trabalhou tão arduamente antes de sua morte, para unir os filhos de Israel. Todos de Israel são fiadores uns dos outros [responsáveis ​​uns pelos outros], o que significa que quando todos estão juntos, eles veem apenas o bem”.

O livro Bina Le’Itim explica não apenas como a divisão nos fere, mas também como a unidade nos salva: “O fundamento da maldade do malvado Hamã, sobre o qual ele construiu seu pedido ao rei de vender os judeus a ele … é o que ele tinha começado a argumentar: ‘Há um certo povo espalhado e disperso’, etc. Ele lançou sua sujeira dizendo que aquela nação merece ser destruída, pois as regras de separação entre eles, eles estão todos cheios de contendas e disputas, e seus os corações estão distantes um do outro. No entanto, Ele colocou a cura antes do golpe [tomou medidas preventivas] … ao apressar Israel a se unir e aderir uns aos outros, para que todos fossem um, como um homem, e isso é o que os salvou, como no versículo, ‘Vá, reúna todos os judeus’”.

E, finalmente, O Livro do Zohar explica não apenas que nossa desunião causa nossos problemas, mas também causa as piores calamidades do mundo. Na seção Tikkuney Zohar [Correções do Zohar], Tikkun [correção] no. 30, o livro escreve: “Em tal geração”, quando Israel não se corrige por meio da unidade, “todos os destruidores entre as nações do mundo levantam suas cabeças e desejam principalmente destruir e matar os filhos de Israel, como é está escrito, ‘Nenhuma calamidade vem ao mundo, senão para Israel’ (Yevamot 63a). Isso significa que, como está escrito no Tikkunim acima [correções], que [Israel] causa pobreza, ruína, roubo, matança e destruição em todo o mundo”.

Existem inúmeros outros exemplos, mas, lamentavelmente, eles não podem caber todos em um ensaio. No entanto, a imagem é bastante clara. Se nossos próprios sábios e nossos próprios textos nos dizem que somos responsáveis ​​por nosso próprio destino e pelo destino do mundo, que determinamos o que acontece a nós e ao mundo por meio de nossa unidade ou divisão, não devemos isso a nós mesmos e para o mundo pelo menos tentar seguir os conselhos de nossos sábios? Podemos culpar os que odeiam os judeus pelo ódio infundado quando nossos próprios sábios falam de maneira tão semelhante? Acredito que a resposta é clara e a responsabilidade recai sobre nós.

Comente