“As Guerras Das Vacinas Mostram Que Não Aprendemos Nada” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “As Guerras Das Vacinas Mostram Que Não Aprendemos Nada

Enquanto as nações que tiveram acesso às vacinas da Covid-19 correram para inocular seus cidadãos, outras assistiram impotentes enquanto o vírus espalhava o caos em seus países. Nesse ínterim, como eu disse que aconteceria (verifiquem minhas postagens sobre o tópico que remonta ao início do surto), novas cepas se desenvolveram e os países que pensavam que já tinham visto o pior estão retomando ou considerando retomar lockdowns e outras restrições às reuniões.

Mesmo que os países pudessem fornecer vacinas para outros países, eles não o fizeram. Pior ainda, alguns governos poderiam fornecer vacinas a seu povo, mas optaram por não fazer isso por razões políticas. Essas guerras de vacinas mostram que não aprendemos nada e, como resultado, teremos que aprender outra lição, provavelmente mais dolorosa.

Como já escrevi inúmeras vezes desde o início da pandemia, o vírus não cessa até que mudemos nossos relacionamentos. Nossa má vontade em relação ao outro é sua fonte de energia. É isso que o mantém agindo, mutando-se ao se deslocar de um país para outro e se tornando cada vez mais contagioso, de modo que as vacinas que antes proporcionavam imunidade coletiva não o fazem mais.

Mas, em vez de aprender, estamos nos comportando como crianças que foram mandadas para seus quartos (lockdowns) como punição, para pensar no que fizemos de errado. No entanto, em vez de tirar as conclusões necessárias e admitir que nos comportamos mal uns com os outros, estamos esperando a remoção da punição para que possamos sair novamente, brincar e lutar uns com os outros como antes. Não teremos mais permissão para fazer isso. Seremos forçados a repensar nossas vidas, nossos valores, nossos relacionamentos e o propósito de nossas vidas como um todo.

Talvez o melhor exemplo da tolice de nosso comportamento seja a maneira como estamos lidando com os esforços de vacinação. Primeiro, em vez de lançar um esforço global coordenado para desenvolver uma vacina, várias empresas em vários países lançaram pesquisas independentes e competiram entre si. Claramente, a vacina poderia ter sido desenvolvida por uma fração do custo e, portanto, custar uma fração do que custa. Isso a tornaria disponível em todo o mundo e o financiamento de um programa mundial de vacinação não seria um problema.

Em segundo lugar, agora que alguns países têm vacinas, eles as guardam para si ou as vendem com um lucro enorme. Acontece que enquanto toda a humanidade está lutando contra o mesmo inimigo, ela está lutando com exércitos que lutam uns contra os outros enquanto lutam contra o inimigo comum. Isso dá ao vírus tempo para gerar novas cepas que desafiam as armas existentes e torna os esforços da humanidade para combatê-la ineficazes. Resumindo, não estamos perdendo a guerra contra o vírus da Covid por ele ser tão letal ou infeccioso; estamos perdendo porque estamos muito divididos.

Essa divisão vai nos custar muito, com mais perdas de vidas, mais crises econômicas e mais perturbações em nossas vidas. Quanto mais cedo descobrirmos que a Covid não é problema meu, seu ou deles, mas nosso problema, o problema de todos nós, mais cedo encontraremos uma maneira de acabar com a pandemia. E assim que aprendermos como cooperar contra a Covid, vamos, com sorte, aprender que é assim que devemos operar daqui para frente em relação a todos os nossos assuntos, já que hoje, na aldeia global, todo problema é problema de todos.

Comente