“Por Que Há Ódio” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Por Que Há Ódio

Para onde quer que você olhe, há ódio. Não é mais uma questão de relações internacionais, mas dentro dos países, as sociedades parecem se fragmentar em pedaços cada vez menores, e cada pedaço pensa que tem o monopólio da verdade, o que lhe dá o direito de ridicularizar, zombar, mas principalmente odiar todos que pensam o contrário. No entanto, há uma razão para essa alarmante intensificação do ódio: sem ela, não vamos querer mudar a nós mesmos.

O ódio é nossa natureza inerente, como está escrito: “A inclinação do coração do homem é má desde a sua juventude” (Gênesis 8:21). Ao mesmo tempo, o resto da natureza também consiste em uma boa inclinação, e os ambas estão equilibradas em todos os lugares, exceto na humanidade. A razão pela qual fomos criados como “deficientes” é que esta é a única maneira de nos forçar a querer a boa inclinação conscientemente, por nossa própria vontade, e escolher equilibrar nossas inclinações ao invés de permanecer em nossa iniquidade inerente.

Por um lado, é verdade que, se tivéssemos as duas inclinações para começar, não causaríamos todos os danos que estamos causando uns aos outros, aos animais e plantas e à Terra. Por outro lado, compreender o funcionamento da realidade seria impossível, pois naturalmente nos comportaríamos corretamente uns com os outros e com a natureza, sem pensar duas vezes. Isso criaria animais humanos perfeitos, mas nunca nos tornaríamos seres humanos, que é o objetivo de nossa existência.

Agora que o ódio é evidente entre nós, podemos, e realmente devemos começar a cultivar a qualidade oposta. Devemos, porque se não o fizermos, iremos destruir nossa espécie, e possivelmente tudo o mais na face da Terra, e devemos, porque esta é a única maneira de aprendermos como a realidade funciona, o equilíbrio que existe em todo o universo e toda a realidade. Somente se desenvolvermos a qualidade da bondade e do amor, o oposto do ódio, seremos capazes de testemunhar em primeira mão como toda a natureza funciona e aprenderemos como administrar nossas vidas com sucesso.

E a maneira de construir essa qualidade oposta é com o outro. Assim como agora nos odiamos, devemos começar a construir o sentimento oposto. Assim como a natureza nada suprime, mas deixa que tudo coexista perfeitamente, devemos construir esse amor entre nós acima do ódio, sem suprimi-lo. Em outras palavras, devemos sentir o ódio e, então, tornar o amor mais importante para nós do que o ódio que sentimos e nos esforçar para agir de acordo.

O ódio não é redundante; é essencial para o processo. Podemos construir o sentimento oposto acima do ódio inicial se percebermos que, sem sentir o ódio, nunca precisaremos ou desejaremos amar e, portanto, nunca saberemos o que é o amor.

Assim que superarmos um certo nível de ódio, outro nível emergirá, um mais profundo e mais sinistro. Mas isso aparecerá apenas para cobrir este também com amor. E porque o nível de ódio será mais forte do que antes, ele será o nível de amor que construiremos acima dele.

Aos poucos, seremos gratos por sentir o ódio, já que sua recompensa é o aumento do amor. Perceberemos que não podemos amar a menos que odiemos primeiro, e se usarmos isso como um incentivo em vez de sucumbir a ele, nos tornaremos seres humanos mais amorosos.

Comente