“Judeus Vs. Israel” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Judeus vs. Israel

Não é nada novo que os judeus estejam fazendo campanha contra o Estado de Israel. Tudo começou com vários grupos ortodoxos que se opunham à fundação do Estado judeu, e continua agora com grupos como o Jewish Voice for Peace, ou indivíduos como Noam Chomsky, Bernie Sanders e outros. Recentemente, a campanha dos judeus contra Israel chegou até mesmo ao mundo corporativo quando um grupo de 250 funcionários judeus ímpares do Google assinaram uma carta pedindo a seu CEO que reconhecesse “o dano causado aos palestinos pelos militares israelenses e pela violência de gangues” Os signatários também “se opõem à fusão de Israel com o povo judeu”, declaram que “o antissionismo não é antissemitismo” e exigem, entre outras coisas, “a rescisão de contratos com instituições que apoiam as violações israelenses dos direitos palestinos”.

Em certo sentido, concordo com eles, embora não no sentido que eles provavelmente esperariam que eu concordasse. Na verdade, nós, israelenses, não nos conduzimos como judeus. A palavra Yehudi [judeu] representa duas coisas: 1) nossa origem, o antigo reino de Yehuda [Judá], cuja capital era Jerusalém. 2) Yechudi [unido/único], ou seja, a aspiração por unidade, por unicidade. É por isso que os judeus fizeram do princípio “Ame seu próximo como a si mesmo” seu mandamento principal. Como hoje estamos tão distantes da unidade, concordo que não estamos nos conduzindo como judeus.

Quando Abraão começou a reunir pessoas ao seu redor e formar o núcleo da nação judaica, não havia judeus. Havia babilônios, onde ele morava. Abraão falou com eles e pediu que se unissem. Ele convidou a todos, indiscriminadamente. Na Mishneh Torá , Maimônides escreve que Abraão “começou a clamar para o mundo inteiro … vagando de cidade em cidade e de reino em reino até chegar à terra de Canaã … Quando [as pessoas] se reuniram em torno dele e lhe perguntaram sobre suas palavras, ele ensinou a todos … até que os trouxe para o caminho da verdade”.

Portanto, se não estivamos unidos, estamos desconectados do coração e da alma do Judaísmo, do próprio significado de ser judeu. E se não convocamos o mundo inteiro para se unir, como fez o pai de nossa nação, Abraão, não estamos cumprindo seu legado. Então, de que maneira somos judeus? E se não somos realmente judeus, qual é a nossa reivindicação sobre a terra de Israel?

Podemos fazer mais do que silenciar nossos críticos tanto dentro do judaísmo quanto entre as nações do mundo; podemos trazer todos para nos apoiar, incluindo o Hamas e qualquer pessoa que atualmente consideremos nosso pior inimigo. Mas, para isso, devemos primeiro parar de odiar uns aos outros e começar a viver de acordo com o legado de unidade e unicidade de Abraão.

E devemos começar um com o outro. Dizer que queremos nos unir com todas as nações e, ao mesmo tempo, difamar, ridicularizar e demonizar nosso próprio povo, expõe nossa falta de sinceridade. Quando nos unirmos, acima de todas as divisões atuais entre nós, as nações acreditarão em nossa franqueza e alegremente unirão nossos esforços.

Os piores antissemitas da história, como Adolf Hitler, Henry Ford, Vasily Shulgin e inúmeros outros, escreveram sobre seu desprezo pelos judeus por causa do ódio mútuo. Fazer objeções à segurança e até mesmo à existência do Estado de Israel envia ao mundo uma mensagem de divisão interna, e o mundo responde de acordo – com nojo de nós. Nenhuma outra nação nega seu próprio direito à soberania, e nenhuma outra nação coloca seu próprio povo em último lugar na lista. Ao fazer isso, não estamos apaziguando a ira das nações; estamos aumentando e transformando em ódio, pois estamos provando que não estamos lutando pela unidade. Somente se retornarmos às nossas raízes, à aspiração de unidade, ganharemos o favor e o apoio do mundo.

Nossa nação foi criada para ser am segula (nação virtuosa). Nossa única virtude é nossa unidade única, quando pessoas de diversas origens, crenças e culturas se uniram em uma única nação, como Abraão fez com seus discípulos. Sem ser uma nação virtuosa, não há benefício para o mundo de nossa existência, e ele quer acabar conosco. Isso é o que estamos começando a experimentar mais vividamente hoje, e continuará a aumentar até que entendamos a mensagem e adotemos a virtude da unidade e da unicidade, ou soframos as consequências que nossa nação já sofreu tantas vezes antes.

Comente