Textos arquivados em ''

O Poder Protetor De Bina

243.04Comentário: Normalmente Bina representa a água, mas você diz que em uma caverna ela representa o ar.

Minha Resposta: Nesse caso, Bina é como o ar. Devemos entender que essas são alegorias. Muitas pessoas ainda vivem em várias cavernas ou abrigos, mas isso não lhes dá nada a mais.

O que se quer dizer aqui é que uma pessoa escolhe conscientemente tal estado, tal modelo de comportamento, que a elevaria acima do egoísmo chamado terra para que ela adquirisse a qualidade do altruísmo, a qualidade de doação, a qualidade de conexão com os outros, chamada Bina.

Uma pessoa cria essas qualidades em si mesma por meio de seus próprios esforços. Ela atrai a qualidade da luz, do mundo superior, a qualidade de doação. Esta, em geral, é o poder do Criador, o poder de Bina, com a qual alguém organiza algo como um abrigo em si mesma. Embora a pessoa não possa ascender totalmente e passar para um nível mais alto no mundo espiritual, pelo menos em seu estado ela cria uma bolha para si mesma cheia de uma qualidade superior e existe nela.

De KabtTV, “Estados Espirituais” 23/04/21

Não Há Lugar Vazio Na Natureza

746.01Toda a diferença no quanto sentimos ou não sentimos o Criador é determinada pelo quanto O apreciamos. Ao contrário do mundo corporal, no mundo espiritual não existem distâncias. Quanto mais importante o Criador é para mim, mais perto Ele está de mim. Se eu O desrespeito e não quero me aproximar Dele em minhas qualidades, não O vejo.

Acontece que para trazer o mais alto para mais perto ou para chegar mais perto Dele, preciso mudar minhas qualidades de acordo com Suas qualidades e começar a apreciá-Lo.

No entanto, como posso apreciar a grandeza do Criador se não posso vê-Lo? Na natureza, existem muitas forças ocultas que não percebemos com os simples sentidos, mas apenas por meio de vários dispositivos. Toda a ciência moderna funciona dessa forma, revelando fenômenos que são invisíveis a olho nu. Eles podem ser revelados apenas com a ajuda de dispositivos especiais ou cálculos complexos.

Se descobríssemos o mundo apenas por meio de nossos sentidos naturais – visão, audição, olfato, paladar e tato – teríamos continuado animais. O grau humano é especial porque somos capazes de descobrir fenômenos na natureza que não podem ser revelados com nossos cinco sentidos.

É por isso que descobrimos ondas de rádio, forças gravitacionais, atração magnética e fenômenos celestes no universo. Tudo isso está acima de nossos órgãos dos sentidos.

O Criador é uma força que inclui todos os fenômenos, o mundo inteiro está localizado dentro Dele. Também estamos dentro Dele. Quando dizemos que o Criador está longe e estamos nos aproximando Dele, essas distâncias são apenas relativas a alcançá-Lo e não no sentido de distância. O Criador pode parecer distante ou próximo em nossa realização, mas todos nós estamos dentro Dele.

O Criador é o lugar do mundo, o mundo inteiro existe dentro Dele. Portanto, precisamos apenas desenvolver nossos sentidos para sentir que este espaço; esta realidade em que existimos é todo o Criador.

Então, descobriremos que não há lugar vazio no mundo. Este ar ao nosso redor e o vácuo cósmico além da Terra entre as estrelas não é realmente um vazio, mas um campo contínuo de desejo que preenche todo o espaço, opera em tudo e preenche tudo. Tudo isso é o Criador.

Nós, que somos fisicamente fracos e limitados, podemos despertar o Criador e pedir-Lhe que revele em nós tais sentidos que nos tornem iguais a Ele para que, aderindo a Ele, também preenchamos toda a realidade com o nosso desejo. Afinal, queremos nos aproximar do desejo do Criador – o desejo de doar. Então nosso trabalho terminará em preencher todo o universo com nós mesmos e estará em adesão com a própria realidade, que é o Criador.

Essa é uma perspectiva incrível, e vale a pena ser lembrada quando somos oprimidos por pequenos cálculos egoístas.

Lição Diária de Cabalá 02/05/21, “Perseguindo a Shechiná

“Pessoas Diferentes, Mundos Diferentes” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Pessoas Diferentes, Mundos Diferentes

Uma vê o branco onde a outra vê o preto. Uma pensa que algo é bom e outra tem certeza de que é ruim. Pessoas diferentes, mundos diferentes. Como podemos colaborar quando estamos em mundos separados, fechados dentro de nossas cascas e com pontos de vista completamente diferentes? E, para começar, por que somos construídos assim?

Cada pessoa nasce com um conjunto único de características e qualidades. Cada pessoa cresce em uma determinada família, sob certas condições, recebe uma determinada educação e vive experiências diferentes. Cada pessoa é influenciada por meios de comunicação e redes sociais, e todos esses fatores nos tornam quem somos.

Por todos esses fatores, vemos o mundo através de diferentes filtros, óculos únicos que cada um usa. É por isso que é tão difícil, ou na verdade impossível, entendermos as outras pessoas. Como resultado, nos encontramos em conflitos constantes. À medida que tentamos provar que nossa visão é correta, esquecemos que cada um de nós é único e acabamos mergulhados em infindáveis ​​guerras do ego que não levam a lugar nenhum a não ser à frustração, desespero e depressão.

Por que nossa visão é tão importante para nós? Nossa visão representa quem somos; é a expressão de nosso eu, nosso ego. Se alguém discordar de mim, isso mina a base do meu ser, faz com que eu me sinta indigno e insignificante e, portanto, inseguro.

Enquanto formos ensinados que devemos competir uns com os outros, continuaremos prejudicando uns aos outros e consideraremos a singularidade um do outro como uma ameaça. Para transformar nossa individualidade em um fator socialmente construtivo, devemos adicionar outra camada à nossa educação.

Essa camada tem a ver com os contrastes complementares da natureza. Temos que nos lembrar que toda a vida consiste em contrastes que se complementam e possibilitam a existência um do outro. Assim como não haveria nascimento ou crescimento sem morte e decadência, não haveria crescimento de opiniões e ideias sem visões conflitantes. Na natureza, os opostos não se destroem; eles se complementam, se encorajam e garantem a existência um do outro. Esta é a fórmula integral da natureza e, a menos que entendamos sua importância e a apliquemos à sociedade, destruiremos uns aos outros em vez de nos fortalecermos.

Caminhar uma longa jornada para alcançar o objetivo não acontece pulando em uma perna só. Acontece quando usamos as duas pernas, esquerda e direita, para chegar ao nosso destino. A sociedade humana deve ser da mesma forma. Nosso destino é a unidade, e a única maneira de chegar lá é cultivando um vínculo entre nós. Dito isso, não teremos ímpeto para nos unir, a menos que sintamos que estamos separados e odiamos uns aos outros, e devemos fortalecer nossa unidade a fim de nos elevarmos acima do nosso ódio.

Portanto, quando nos deparamos com uma pessoa cujos pontos de vista desprezamos, devemos ter em mente que esse ponto de vista não existe para patrocinarmos, mas como uma base para construir uma conexão mais forte. Esse afastamento que sinto é meu ímpeto para construir proximidade, e nunca haverá outro ímpeto além do oposto do que precisamos construir.

Pessoas que não sentem conflitos com os outros não têm razão para se unir; elas estão contentes como estão, desinteressadas ​​e amplamente indiferentes. Somente pessoas que são diferentes, que estão em mundos separados, podem construir a verdadeira unidade, uma conexão forte e, em última análise, o amor verdadeiro.

“O Mundo Espiritual É Real?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: O Mundo Espiritual É Real?

Nos últimos 3.500 anos, algumas centenas de livros foram escritos sobre o mundo espiritual por grandes Cabalistas que o investigaram e descobriram.

Nesses livros, você descobrirá como precisa mudar a si mesmo para poder perceber e sentir o mundo espiritual, aprender como expandi-lo e penetrar mais fundo nele.

A sabedoria da Cabalá nos ensina como abrir nossa mente e coração para perceber o mundo espiritual. É semelhante a olhar para um estereograma, em que precisamos desfocar nossa visão para ver a imagem oculta. Quando nos concentramos na imagem, parece que não há nada além das linhas. No entanto, em um instante, quando desfocamos e dispersamos nossa visão, uma imagem tridimensional aparece.

A sabedoria da Cabalá nos ensina como desfocar e dispersar todos os nossos cinco sentidos, a fim de nos refocar em um nível mais interno de realidade. Em seguida, entramos em contato com uma imagem do mundo que está além das fronteiras que atualmente a limitam e entramos na percepção e sensação do mundo espiritual.

O mundo espiritual que passamos a perceber é inexplicável para qualquer um que ainda não o alcançou. Tudo o que alguém que o atingiu pode fazer é ensinar – de acordo com os textos e o método deixados pelos Cabalistas – como nos desfocar no mundo corporal e nos refocar no mundo espiritual. Se nos aplicarmos a tal método, entraremos na percepção e sensação do mundo espiritual.

O mundo espiritual se divide em cinco mundos espirituais, que têm os nomes de Adam Kadmon, Atzilut, Beria, Yetzira e Assia. Nosso mundo corpóreo está abaixo dos mundos espirituais, e não conta entre eles. Os cinco mundos espirituais são compostos por 125 níveis. Eles são onipresentes, mas não podemos senti-los ou vê-los com nossos sentidos inatos. Podemos, no entanto, direcionar-nos a revelá-los e, ao fazer isso, receber sua influência.

A principal diferença entre nosso mundo corpóreo e o mundo espiritual é que percebemos egoisticamente em nosso mundo, e o mundo espiritual opera por leis altruístas. Em última análise, nosso propósito enquanto neste mundo é descobrir o mundo espiritual, desfocar-nos em nossas abordagens egoístas da vida e nos refocar nas leis altruístas que são opostas ao nosso mundo. Assim, a essência da transformação pela qual passamos ao descobrir o mundo espiritual é uma mudança do egoísmo para o altruísmo, receber para dar, divisão para unidade, autopreocupação para preocupação com os outros e ódio por amor.

Consequentemente, o mandamento “Ame o seu amigo como a si mesmo” (Levítico 19:18) não apenas descreve a necessidade de manter relações agradáveis ​​entre si neste mundo. Em vez disso, é a lei geral do mundo espiritual. Se quisermos sentir, precisamos tentar praticar essa atitude em relação ao mundo, e é mais fácil falar do que fazer. Na verdade, isso só é possível se entrarmos em um ambiente de apoio de pessoas que compartilham o mesmo desejo de descobrir o mundo espiritual e que estão dispostas a aplicar-se a essa lei.

Portanto, a chave para desfocar nossa percepção e sensação em nosso mundo corporal e reorientá-la no mundo espiritual onipresente é nos reunirmos em um ambiente de apoio com pessoas que pensam como nós e que desejam exercer atitudes positivas umas com as outras a fim de atingir o mundo espiritual. Com o tempo, descobriremos que uma névoa aparente se dissipou ao nosso redor e um novo mundo oculto apareceu cada vez mais.

Todo o método da Cabalá guia nossa transformação de viver apenas neste mundo corpóreo para perceber e sentir o mundo espiritual. Ao mesmo tempo, nenhum Cabalista pode descrever o mundo espiritual para alguém que não o alcançou porque essa pessoa carece do modelo interno para perceber ou mesmo imaginar os objetos espirituais e fenômenos descritos. Em nosso mundo, nascemos com modelos que permitem sentir o mundo espiritual. Eles são, no entanto, incompletos, mas podemos nos aplicar a sua realização. Por exemplo, bebês recém-nascidos não veem instantaneamente, mas gradualmente começam a ver. Esses modelos são formulados gradualmente em nós, à medida que nossos sentidos se desenvolvem. Esta é a razão para a palavra “Cabalá” se estender da palavra “Lekabel” (“Receber”), ou seja, aplicando-nos à sua metodologia, gradativamente recebemos a percepção e a sensação do mundo espiritual.

Baseado na Lição Virtual de Cabalá em 20 de março de 2016.
Escrito/editado por alunos do Cabalista Dr. Michael Laitman.

O Mistério Da Unificação Do Masculino E Feminino, Parte 1

595.01O Mistério da Natureza

Da única fonte, que é o Criador, duas forças descendem. Uma delas é o poder que se relaciona a Ele: a propriedade de doação, amor, emanação.

A outra é uma força artificial criada pelo Criador que não existia antes do início da criação – a propriedade de receber, absorver, que se tornou a propriedade egoísta.

Ambas as forças existem em toda a natureza dos mundos superiores e em nosso mundo como um positivo e um negativo. Elas são criadas opostas uma a outra para que nós, que representamos a propriedade de receber, a força egoísta negativa, possamos usar nossas propriedades para determinar a força positiva oposta, o Criador, e criar certas interações com ela, unificação, como em um átomo.

Uma força não existe separadamente da outra. Sempre medimos, vemos, sentimos e as encontramos em algum tipo de posicionamento mútuo.

Portanto, a força negativa na qual o Criador nos criou é necessária precisamente para que possamos encontrar, definir e senti-Lo como uma força emanante positiva e, assim, sermos capazes de começar o contato com Ele, para detectar, definir, sentir, se aproximar ou se afastar Dele.

Em outras palavras, para ver em que estado estamos em relação ao Criador para determinar a possibilidade de absorver Suas propriedades em nós mesmos.

Como podemos nos tornar negativos para Ele como se fôssemos negativos e positivos? Esta é uma questão muito difícil e, mais ainda, a sua solução.

Esta não é apenas a revelação do mistério da unidade de menos e mais, o Criador e a criação, mas a revelação de como a criação se desenvolve, atinge seu estado completamente oposto ao Criador, e começa a sentir este estado como totalmente prejudicial, inadequado e intolerável, e então faz de tudo para ascender acima dele e começar a criar algo positivo a partir do seu eu negativo.

Como isso é possível? Afinal, a criação não pode mudar sua natureza de forma alguma. Acontece que ela só pode mudar a aplicação de sua natureza. Ou seja, embora eu tenha sido criado completamente negativo, posso transformar até mesmo minhas propriedades, motivações e ações negativas para que seu resultado final seja positivo. E como fazer isso é realmente um mistério.

Não podemos imaginar, por isso dizemos que isso é um segredo. Ainda não estamos totalmente nele, mas estamos em nossas propriedades negativas egoístas.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 03/03/19

“O Que É O Ódio?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: O Que É O Ódio?

O ódio é tudo que não me beneficia.

Embora seja uma qualidade negativa, ela tem um aspecto positivo porque com sua ajuda podemos verificar o que precisamos mudar em nós mesmos. Estamos rodeados por uma humanidade, um mundo e uma natureza que devemos tratar com amor absoluto. Se nos relacionamos com qualquer pessoa ou coisa por ódio, isso significa que não temos equilíbrio com a natureza: ser tão amoroso, generoso, atencioso e gentil quanto a natureza.

O verdadeiro ódio vem à tona enquanto caminhamos em direção ao amor. Se desejarmos progredir e nos tornar tão amorosos quanto a qualidade da natureza, descobriremos como odiamos os outros. Por meio dessa revelação, recebemos clareza sobre o que precisamos corrigir dentro de nós mesmos para chegar a um estado de amor.

Quanto mais a humanidade se desenvolve, mais vemos expressões de ódio crescente. O ódio é uma liberação natural e fácil de nossa natureza humana interior, e as explosões ácidas em todas as redes sociais e de massa, e eventos como tiroteios em massa, são todas expressões desse ódio que vem à tona cada vez mais. Em todos esses casos, apenas nossas qualidades negativas se manifestam, uma vez que ainda temos que adquirir as qualidades positivas da natureza além de nosso egoísmo inato e, portanto, buscamos apenas usar os outros para benefício próprio.

Nossa natureza humana egoísta está por trás de todo o nosso ódio, e precisamos corrigi-lo para que se transforme em amor. Podemos passar por essa transformação necessária do ódio ao amor com a ajuda da educação que enriquece a conexão – que ensina como nos conectar acima de nossos impulsos odiosos e divisivos – e da força positiva da natureza que descobrimos por meio dessa educação.

Baseado em KabTV, “Notícias com Michael Laitman”, 13 de março de 2017. Escrito/editado por alunos do Cabalista Dr. Michael Laitman.

Qual É A Fundação Do Mundo?

209O Livro do Zohar, VaYetze, Item 13: O Rei Salomão estabeleceu seu livro sobre os sete Havalim [“Hevel” significa vapor de respiração, bem como vaidade, futilidade] nos quais o mundo existe. Esses são os pilares e saliências que formam a existência do mundo, e é por isso que são chamados de Havalim.

Hevel (vaidade) é a base do mundo. Da tradução, conclui-se que tudo opera apenas por vaidade. Isso não é bem verdade.

Hevel é o que sai da boca. Nem mesmo respirando, mas som – tudo que uma pessoa parece deixar sair de si mesma com sua respiração interior.

Em um objeto espiritual, essa saída de dentro para fora é o poder de doação, o poder de sair de si mesmo, o desejo de compartilhar com outro, o desejo de amar o outro, de se conectar com ele com suas aspirações e preenchê-lo como uma mãe enche uma criança. É precisamente sobre esse desejo, o amor de um pelo outro, que o mundo inteiro pode existir.

Por outro lado, Hevel pode significar vaidade, ou seja, tudo desnecessário, casca, lixo.

Pergunta: Então o que devemos fazer? Como se relacionar com essa palavra?

Resposta: É necessário traduzir a Torá corretamente com um significado Cabalístico porque ela fala da questão interna da humanidade, sobre seus desejos, sobre sua conexão e sua ascensão ao nível do Criador.

Portanto, se você traduzir assim, em nossa conotação cotidiana, a tradução terá o significado oposto.

De KabTV, “O Poder do Livro do Zohar” # 12

Conecte-Se Ao ”Computador Comum” Do Universo

763.1Pergunta: No nível inconsciente, processamos grandes quantidades de informações com nosso aparato matemático conceitual. Se considerarmos os níveis individual e coletivo, surge a pergunta: existe tal aparato matemático para descrever as estruturas espirituais que são as raízes de nossa consciência?

Resposta: Naturalmente. Se alguém está no egoísmo, por que não pode ser o oposto disso? Exatamente o mesmo, mas uma imagem espelhada.

Ou seja, se eu usar as propriedades espirituais de doação, eu ajo claramente, sei por que, como, com que propósito e com quais forças. Em geral, no desenvolvimento do espaço espiritual, utilizo tudo o que funciona em nosso mundo, mas de forma oposta.

Pergunta: Este aparato matemático não deveria ser mais extenso?

Resposta: Na verdade, seu poder é maior porque não está associado a dados pessoais, problemas, objetivos ou limitações, mas apenas com minha capacidade de me superar. Quando, com a ajuda da energia superior, a luz superior, posso fingir ser algo que dá, eu me uno ao “computador comum”.

Em nosso mundo, tenho que criar algo. No mundo espiritual, não tenho que criar nada. Eu só preciso me ajustar para ser como o espaço espiritual em que existimos, apenas enquanto ele estiver escondido de nós. Então, como dizem, todo o “computador” estará na minha frente.

Dependendo das qualidades que escolho dentro de mim, acima do meu egoísmo, nessa medida e nesse estilo, eu entro neste computador espiritual, neste campo espiritual. Por um lado, ele se comporta de forma discreta e digital e, por outro lado, com sinais analógicos. Então, aqui, nos deparamos com ambos.

De KabTV, “Encontro com a Cabalá”, 29/03/19

O Objetivo Fornecido Pela Natureza

255Pergunta: Todo o desenvolvimento da humanidade era apenas para chegar a uma compreensão do colapso do desenvolvimento egoísta?

Resposta: Esse objetivo é previsto pela natureza. É descrito no Livro do Zohar das menores consequências até o nosso tempo e ainda mais.

Pergunta: Por que a humanidade precisa do caminho do sofrimento?

Resposta: Precisamos estar cientes de nosso estado de impasse, nosso comportamento errado e todos os solavancos que sentimos para que então tenhamos algo para consertar.

É a partir da compreensão do mal e de sua correção gradual e consistente que começaremos a compreender o programa da natureza. Devemos definitivamente ver que nisso eu estava errado, nisso eu estava errado. Lembraremos toda a história da humanidade – como mordemos, matamos uns aos outros, brigamos, nos divorciamos, nos juntamos, morremos, vivemos e corrigimos isso porque era egoisticamente errado.

Corrigindo agora, em nós mesmos, não devemos voltar milhares de anos. Tudo acontecerá muito rapidamente, em poucos meses. Mas é sentindo, percebendo e corrigindo nossos vários problemas e erros do passado, que acumulamos ao longo de todo o desenvolvimento da civilização, que passamos a conhecer a camada superior da natureza, o governo superior.

Por que isso nos afetou negativamente? Está de acordo com nosso comportamento negativo. E se eu mudar esse comportamento para um positivo, como isso me afetará? Na prática, eu sigo o mesmo programa, só que o corrijo.

De KabTV, “Close-up”, 19/08/09

Chamando O Criador

934Pergunta: Suponha que eu pedisse ao professor para chamar o Criador e o professor respondesse que o Criador está esperando meu chamado. Como, com base nisso, podemos organizar uma conexão permanente e constante que inclua a todos?

Resposta: Se vocês estiverem conectados em uma dezena, vocês podem invocar o Criador. Imaginem que vocês só podem alcançar o Criador se, juntos, discarem Seu número, que consiste em dez dígitos.

Vocês alcançam o Criador e Ele responde a todos vocês de uma vez. Se um de vocês interrompe a conexão, um certo dígito está faltando e a conexão com o Criador é cortada. É assim que funciona.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 18/04/19