“Que Lição De Vida O Seu Primeiro Amor Lhe Ensinou?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Que Lição De Vida O Seu Primeiro Amor Lhe Ensinou?

Nosso primeiro amor nos dá uma sensação maravilhosa, que nos oprime totalmente e nos faz sentir vivos.

No entanto, a maioria de nós não acaba se casando com nosso primeiro amor. É como se fôssemos enganados para receber um sabor divino, que então é tirado de nós.

Por que experimentamos esses sentimentos elevados que logo desaparecem?

É para desenvolver nossos sentimentos, principalmente no que diz respeito ao sentimento especial de amor. Depois de perder nosso primeiro amor, podemos aprender a trabalhar em nós mesmos para entender o que o amor realmente é e como alcançá-lo.

Podemos então adicionar intelecto à emoção original do amor que tínhamos desde a infância, antes que nossos hormônios se desenvolvessem, e que nos levou ao frenesi. Depois, podemos discernir como nosso sentimento inicial de amor nos deu um sentido especial de vida.

De acordo com a sabedoria da Cabalá, recebemos os sentimentos de alegria associados ao nosso primeiro amor, a fim de nos mostrar que a luz do amor – a força criativa eterna além de nossa percepção atual e sensação de realidade – é maior do que qualquer outra coisa que sentimos em nossas vidas.

Podemos trazer essa luz para nossas vidas, querendo amar como a força do amor: sem nenhum cálculo de benefício próprio embutido dentro de nós. Foi essa mesma força de amor que nos iluminou e nos deu o sentimento de amor por meio do que sentimos como objeto de nosso primeiro amor.

Temos a oportunidade de alcançar uma sensação de amor muito maior pensando na fonte de amor da qual recebemos tudo, inclusive nosso primeiro amor. No entanto, temos problemas para conectar a força eterna do amor que está por trás de tudo que sentimos (que se chama “o Criador” ou “natureza” na sabedoria da Cabalá) ao amor juvenil original que sentimos.

Todo amor vem da mesma fonte única. O ódio também vem da mesma fonte, existindo no amor como seu oposto, como o lado oposto de uma moeda. Recebemos essas emoções para nos desenvolvermos e nos tornarmos tão amorosos quanto a própria força do amor – sem nenhum vestígio de interesse próprio em nosso amor – e, ao fazer isso, experimentar a eternidade e a perfeição.

Portanto, o sentimento exultante do nosso primeiro amor é dado a nós e, em seguida, retirado de nós para nos ajudar a trabalhar para alcançá-lo por nós mesmos. O amor é a fonte última de toda a vida, a força da natureza que cria, sustenta e desenvolve tudo na existência e em nossa direção.

Em vez de receber um objeto de amor e anseio sem escolha, como fizemos com nosso primeiro amor, podemos aprender com essa experiência, a fim de aplicar nosso próprio desejo de amar toda a humanidade, a natureza e a realidade que nos rodeia. Ao fazer isso, adquirimos o maior amor possível e todos nós nos desenvolvemos em direção a essa sensação. Tudo o que nos acontece, em última análise, vem nos desenvolver a fim de descobrir o amor perfeito e abrangente que existe na realidade.

Escrito/editado por alunos do Cabalista Dr. Michael Laitman.
Foto de Nellia Kurme no Unsplash

Comente