A Luz Que Guia Pessach

936Parece que a Torá escreve sobre aventuras e grandes viagens: da antiga Babilônia à terra de Canaã onde hoje está Israel, de lá ao deserto do Sinai, do deserto ao Egito e muitos anos vivendo nele com todos os acontecimentos que ocorreram lá, e depois a fuga do Egito e o cruzamento do Mar Vermelho.

Devemos separar tudo isso gradativamente de lugares geográficos e acontecimentos históricos e colocá-lo dentro da pessoa como algo que acontece dentro dela.

Cada um deve descrever dentro de si quais qualidades são chamadas de Egito, o deserto, Faraó e Moisés – todos os detalhes e personagens da história. Essa história deve se desenrolar dentro de uma pessoa e dentro dos relacionamentos na dezena.

É ainda mais difícil imaginar isso na dezena porque ela está mais próxima da espiritualidade. Devemos construir esse processo dentro de nós na sensação para que todos possam sentir como todos os nomes que a Torá menciona que se referem à natureza inanimada, plantas, animais e pessoas refletidos em seus sentimentos, pensamentos, processos internos e conexões com os outros.

Gradualmente, a pessoa começa a sentir como a luz de Pessach atua sobre ela, ou seja, a luz da transição do estado corporal quando está em grupo, estudando, mas até agora fazendo tudo egoisticamente. Ela não sabe qual é a intenção em prol da doação, porque até que adquira uma segunda natureza, é impossível explicar e retratá-la.

Assim como a história de Pessach descreve o desespero do trabalho árduo do Faraó, a pessoa se desespera para sair do controle de seu egoísmo e fazer algo por amor ao próximo. Ela não encontra tais forças, inclinações e desejos dentro de si mesma.

De repente, ela sente que algo está despertando nela, e começa a entender que realmente pode haver tal qualidade em uma pessoa chamada de doação altruísta.

É porque existe uma iluminação especial que a influencia e passa uma nova qualidade para ela. Essa é a mudança pela qual precisamos ansiar. Claro, isso não vem apenas do esforço de uma pessoa, mas apenas devido à iluminação de cima. Por isso todo o nosso trabalho é uma oração, um pedido, que deve ser organizado corretamente na dezena a respeito de todos os esclarecimentos que fazemos na construção de nossa conexão.

Todo o processo de êxodo do Egito acontece dentro da dezena, dentro das dez Sefirot. Portanto, torna-se cada vez mais evidente que tudo se consegue com a força da oração, e devemos direcionar todos os nossos esforços somente para isso: orar juntos para que todos se sintam seu amigo e estejam prontos para ajudá-lo.

Depois nós nos conectamos em nosso apelo à força superior, pedimos que a força de conexão nos ajude a encontrar um ponto mútuo entre nós para que todos sintam que estão saindo de si mesmos, se tornando incluídos no desejo comum chamado de Malchut superior.

Se cada um está apenas dentro de si, ele está no mundo inferior. Se ele se elevar ao desejo comum, ele já se encontra na Malchut do mundo superior. Ele então entra na segunda fase de Pessach, ou seja, a “transição”, dando um passo em direção ao êxodo do Egito. Ele já não deseja que o Faraó, mas o Criador, o domine para que o Criador governe dentro dele. Portanto, ele terá uma transição especial para mudar a autoridade superior do Faraó para a força superior.

A pessoa se torna cada vez mais consciente de quão dependente e apegada ela é ao seu egoísmo, consciente ou inconscientemente, agindo constantemente em seu próprio benefício. Agora ela está começando a pensar mais e mais sobre como pode agir em benefício do Criador e em benefício da dezena. Isso já está perto do êxodo do Egito e significa que as luzes de Pessach estão trabalhando em uma pessoa.

Da Lição Diária de Cabalá, 31/03/21, “Pesach

Comente