“O Emaranhamento Nos Salvará Ou Nos Destruirá, Mas Veio Para Ficar” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “O Emaranhamento Nos Salvará Ou Nos Destruirá, Mas Veio Para Ficar

Acho que é justo dizer que os países não sonham mais com a autossuficiência. A ideia de que um país, por mais vasto e desenvolvido que seja, possa atender a todas as suas necessidades por si só não é apenas irreal, mas também muito perigosa para qualquer país que tente implementá-la. O preço que esse país pagaria é horrível. Ao mesmo tempo, a interdependência também causou muitos danos, transferindo empregos e indústrias de alguns países para outros e esgotando as oportunidades de emprego em países que sofreram com a migração de empregos. Este processo, de crescente emaranhamento e interdependência, é irreversível. No entanto, se jogarmos nossas cartas da maneira certa, nos beneficiaremos de suas vantagens e evitaremos seus danos.

E uma vez que nossos egos continuarão a crescer, teremos que trabalhar em nossas relações ainda mais duramente, para não cair na alienação. Como resultado, nossas relações ficarão mais fortes e mais próximas na medida em que nossos egos se tornarem mais intensos. Se seguirmos essa fórmula simples, venceremos a guerra contra a fome, a pobreza, a doença e a tristeza em qualquer lugar do mundo.

O primeiro e mais importante ponto a ser entendido é que nosso crescente emaranhado é um processo orientado para um objetivo, ao final do qual todos nós cuidaremos uns dos outros e ninguém precisará se preocupar com nada. Para entender como isso é possível, pense em nosso planeta como uma casa, onde vive toda a humanidade. Há bastante comida em nossa casa. Na verdade, há tanta comida que jogamos metade dela no lixo porque não podemos comer toda. Também há roupas suficientes para vestir a todos, energia suficiente para fornecer aquecimento no inverno e refrigeração no verão e dinheiro suficiente para pagar a educação, saúde, moradia e até entretenimento de todos.

No entanto, muitas pessoas em nosso lar global estão morrendo de fome, muitas não têm água potável, muitas estão doentes e não têm assistência médica e muitas outras não têm educação adequada. Por quê? Porque não nos importamos uns com os outros e como não nos importamos, também não compartilhamos. Ou seja, o problema não é de produção, mas de distribuição, que decorre da nossa alienação. E como nos tratamos como estranhos, o resultado é competição e destruição em vez de complementação e construção.

No entanto, há uma razão pela qual nos tratamos tão terrivelmente. Quanto mais evoluímos, mais egoístas nos tornamos. Você esperaria que o egoísmo nos separasse um do outro, mas na verdade ele faz o oposto. Como estamos nos tornando cada vez mais egoístas, queremos nos beneficiar uns dos outros, usar uns dos outros, desfrutar não apenas o que temos, mas também o conhecimento que temos mais do que os outros. Nosso desejo de ser superior aos outros tornou-se nosso principal prazer e nos força a viver em sociedades onde podemos competir e derrotar uns aos outros. Acontece que nossos egos estão nos empurrando para vivermos juntos, mas nos odiamos, e essa atmosfera é tóxica. É por isso que nossa casa, o planeta Terra, está tão desordenada.

Há notícias ainda piores do que o crescimento de nossos egos: eles continuam crescendo e não há como reverter o processo. Em outras palavras, estamos destinados a ficar cada vez mais emaranhados até que, finalmente – a menos que encontremos uma maneira de escapar da armadilha – iremos nos destruir.

No entanto, como eu disse no início, temos mais cartas para jogar do que usamos até agora. Se jogarmos bem, seremos vitoriosos.

A primeira carta que precisamos jogar é a consciência. Até agora, não estávamos cientes de que somos completamente dominados por nossos próprios egos. Também não sabíamos que o ego é um poder sempre crescente. Agora que estamos cientes, sabemos que o ego é nosso verdadeiro inimigo e podemos começar a planejar táticas para derrotá-lo.

A segunda carta a jogar é usar o emaranhado que nossos egos criaram para nosso benefício mútuo, em vez de para uma competição destrutiva. Assim como nenhum país pode ser autossuficiente, as pessoas também não. No entanto, se decidirmos complementar um ao outro o que não podemos fornecer para nós mesmos, teremos mais do que o suficiente de tudo. Como disse antes, nossa casa tem mais do que precisamos, mas ela está em desordem e há deficiências por causa de nossa alienação um do outro. Reverta a alienação e você terá apagado a deficiência.

E uma vez que nossos egos continuarão a crescer, teremos que trabalhar ainda mais duramente em nossas relações, para não cair na alienação. Como resultado, nossas relações ficarão mais fortes e mais próximas na medida em que nossos egos se tornarem mais intensos. Se seguirmos essa fórmula simples, venceremos a guerra contra a fome, a pobreza, a doença e a tristeza em qualquer lugar do mundo. Melhor ainda, descobriremos que o processo de crescimento de nosso emaranhamento orientado por objetivos sempre foi nos aproximar tanto que não apenas atenderíamos às necessidades de todos, mas verdadeiramente nos tornaríamos um, unidos em todo o mundo. Se não sucumbirmos aos nossos egos, triunfaremos sobre nossos egos e elevaremos a humanidade a novas alturas. Se nos rendermos ao nosso egoísmo, iremos nos destruir e nossos filhos terão que fazer o trabalho que não fizemos, muito mais laboriosamente.

Comente