“O Benefício Na Investigação ‘Imparcial’ Do TPI Contra Israel” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “O Benefício Na Investigação ‘Imparcial’ Do TPI Contra Israel

Fatou Bensouda, o promotor na investigação do Tribunal Penal Internacional (TPI) sobre possíveis “crimes de guerra” contra Israel, prometeu que a investigação “será conduzida de forma independente, imparcial e objetiva, sem medo ou favorecimento”. Certo. Como o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu apontou, o TPI, que foi estabelecido para evitar que atrocidades como o Holocausto ocorram novamente, está agora vindo atrás do Estado judeu. Em vez de imparcialidade genuína, “fecha os olhos para o Irã, Síria e outras ditaduras que estão cometendo crimes de guerra reais a torto e a direito”, disse Netanyahu. Como sempre, a maneira mais fácil de expor o antissemitismo é buscar padrões duplos e, neste caso, não poderia ser mais evidente.

Se quisermos ganhar o favor do mundo, temos que parar de nos tratarmos com tanta astúcia e ódio. Temos que parar de odiar uns aos outros ou o mundo não vai parar de nos odiar.

No entanto, quem quer que me conheça, ou que tenha lido meus livros, The Jewish Choice (A Escolha Judaica) e Like a Bundle of Reeds (Como Um Feixe de Juncos), não ficará surpreso se eu não expressar queixas contra os antissemitas ou a existência de antissemitismo. Na verdade, eu entendo perfeitamente de onde isso vem e o trato como um fenômeno natural e um chamado à ação, ao invés de uma acusação injustificada contra meu povo.

Não estou nem um pouco surpreso que o mundo nos julgue por um padrão diferente do que julga o resto das nações. Eles esperam algo diferente de nós e julgam de acordo. Podemos afirmar que somos iguais a todas as outras pessoas, que não somos diferentes de nenhuma outra nação, mas ninguém acredita nesta declaração e, no fundo, nem nós.

Em vez de reclamar do duplo padrão do mundo contra os judeus, devemos ver isso tanto como um elogio quanto como um desafio. Eles esperam que sejamos mais justos do que qualquer outra pessoa, mais éticos do que qualquer outra pessoa, e quando falhamos em seu teste, eles nos acusam de crimes contra a humanidade.

Tentamos ser justos e éticos, mas o mundo não acredita em nós. Isso está errado, é claro; nenhum exército é mais cuidadoso com as violações dos direitos humanos do que o exército israelense, mas ninguém acredita em nós, e por um bom motivo: essa conduta ética não é confiável por um motivo muito simples – a maneira como tratamos uns aos outros. Primeiro temos que aprender como nos relacionarmos uns com os outros e, então, o mundo ouvirá nossos argumentos sobre sermos virtuosos. Eles veem em nosso tratamento mútuo um testemunho de nossa maldade e não acreditam em uma palavra que dizemos no tribunal antes de agirmos de acordo com quem professamos ser.

Deixe-me perguntar o seguinte: você confiaria em alguém que você sabia que era mau com seu próprio irmão, roubou de sua própria irmã, incriminou seus próprios pais a fim de colocar as mãos em seu dinheiro e propriedades, e então disse que é uma boa pessoa? Não, você não confiaria, e com razão. É assim que o mundo nos vê, judeus – como um bando de fomentadores de guerra roubando uns aos outros, traindo uns aos outros, trapaceando uns aos outros, enquanto fingem ser inofensivos e inocentes. A seu ver, somos culpados antes mesmo de o julgamento no TPI ter começado, e não faz diferença o que diremos em nossa defesa.

Se quisermos ganhar o favor do mundo, temos que parar de nos tratarmos com tanta astúcia e ódio. Temos que parar de odiar uns aos outros ou o mundo não vai parar de nos odiar.

Eles sabem que somos inteligentes, sabem que somos capazes e sabem com que contribuímos para o mundo. No entanto, eles também sabem que não podem confiar em nós porque veem como tratamos uns aos outros. Se quisermos um tratamento justo em qualquer lugar, devemos começar por fazê-lo entre nós mesmos, e então começaremos a ver o mundo mudando sua abordagem em relação a nós.

Comente