“Inveja – Como Controlar O Monstro” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Inveja – Como Controlar O Monstro

Enquanto Israel está abrindo shoppings e o comércio está voltando a toda velocidade, as doenças da sociedade ocidental estão reaparecendo como se nunca tivéssemos tido Covid. As lojas sofisticadas estão tão lotadas que as pessoas ficam em longas filas do lado de fora delas, esperando gastar muito dinheiro em acessórios chiques. Você poderia pensar que o coronavírus teria nos curado dessas doenças, mas ele não fez nada disso. Pelo contrário, parece que as pessoas estão comprando com vingança.

As pessoas valorizam o que veem que os outros valorizam. Elas compram coisas que os outros apreciam porque deixam os outros com inveja. Se promovermos outros valores, as pessoas naturalmente passarão a exibir que se destacam nesses outros valores, com o mesmo propósito de despertar a inveja de outras pessoas. Se mostrássemos admiração por pessoas que contribuem para a unidade, solidariedade e coesão na sociedade, muitas pessoas gostariam de ser assim.

Mas por que elas estão comprando em primeiro lugar? Elas realmente precisam de novos acessórios? Provavelmente não. Na maioria dos casos, elas estão comprando para mostrar que compraram; essa é a única razão pela qual elas precisam. As pessoas estão comprando, principalmente quando se trata de moda de elite, para mostrar que têm muito dinheiro e causar inveja nas outras pessoas. Se não fosse por inveja, elas não se incomodariam em passar horas em filas abarrotadas e lojas lotadas pela questionável diversão de explodir seus salários com símbolos de status sofisticados de que não precisam, e possivelmente nem gostam.

No entanto, estou feliz que elas estejam tão ansiosas para comprar. Quanto mais intensamente gastam, mais rápido compreenderão que não há satisfação real em comprar coisas de que não precisam, e a impressão que causam nos outros não as deixa realmente felizes, a menos que você considere a alegria de ter o que outros não têm uma forma real de felicidade.

Há algo mais que podemos fazer para acelerar a transição para uma felicidade mais duradoura: as pessoas valorizam o que veem que os outros valorizam. Elas compram coisas que os outros apreciam porque deixam os outros com inveja. Se promovermos outros valores, as pessoas naturalmente passarão a exibir que se destacam nesses outros valores, com o mesmo propósito de despertar a inveja de outras pessoas. Se mostrássemos admiração por pessoas que contribuem para a unidade, solidariedade e coesão na sociedade, muitas pessoas gostariam de ser assim. Elas agiriam como se fossem gentis e atenciosas, mesmo que não sejam, simplesmente para causar inveja ou para não se sentirem inferiores por serem indiferentes. Outras pessoas não saberiam quem é genuinamente atencioso e quem não é, e a impressão que teriam seria de que todos são assim. Isso faria com que elas se comportassem de forma semelhante, e muito rapidamente, toda a sociedade se transformará.

Não devemos subestimar o poder da inveja; é a força mais poderosa da natureza humana. Precisamos apenas controlá-la, direcioná-la para uma direção positiva, e nosso caminho para consertar os males da sociedade estará pavimentado. E quanto mais cedo começarmos a trabalhar nisso, melhor.

Comente