Entenda A Natureza Um Do Outro

961.2Comentário: Hoje, as pessoas não querem obrigações umas com as outras e por isso não se casam.

Minha Resposta: Uma pessoa é egoísta. Se ela entendesse que o casamento realmente a preencheria e que foi criado para que ela pudesse dar e receber no casamento, veria que não há nada melhor.

Mas para isso, uma forma de comunicação precisa ser criada para que um homem seja satisfeito por sua esposa, filhos e família para que ele tenha exatamente essas necessidades, qualidades, desejos que não são alterados artificialmente para que ele seja forçado a fugir à noite em algum lugar para clubes, bares.

É o mesmo com uma mulher. Ela deve estar determinada a criar para sua família, seu marido e seus filhos as condições das quais ela própria desfrutará. Portanto, uma educação adequada é necessária aqui. Não importa que nos tornemos mais egoístas. O egoísmo maior, na verdade, deve nos levar ao próximo nível.

Devemos educar meninos e meninas adequadamente, ensiná-los a interagir uns com os outros e não dar-lhes apenas aulas sobre sexo nas escolas. Acontece que estamos apenas ensinando aos animais as relações sexuais corretas, mas não ensinamos as pessoas como se conectarem adequadamente, como se compreenderem e se complementarem.

Se não lhes dermos essa educação, a próxima geração será miserável. Eles chegarão a alguma interação mecânica, a algo incompreensível.

A Cabalá diz que tudo na natureza é construído com base na reposição, na harmonia. Essa reposição depende da compreensão da natureza de cada um.

Lembro quando estava no primeiro ano do instituto, tínhamos um professor, Svyadoshch Avraam Moiseevich. Ele nos levou a diferentes hospitais para cirurgias para nos mostrar as condições extremas em que as pessoas se encontram imediatamente após um acidente, durante um parto difícil ou após um transplante de coração.

E nós, meninos de dezoito ou dezenove anos, ficamos muito abalados com isso. Quando saímos da maternidade, foi um choque: como é difícil dar à luz, quanto sangue, quanta dor. Quase choramos, olhando para as mulheres em trabalho de parto. Nossa atitude em relação a muitas coisas mudou. Começamos a tratar até mesmo as meninas de nosso grupo de maneira diferente.

Com base no que vivi, levaria todas as crianças em idade escolar a hospitais, maternidades e necrotérios para explicar e mostrar às crianças o que significa a vida, quando você passa por todos os estados, desde o nascimento, passando por vários problemas, ferimentos, morte, até o cemitério, tudo isso é necessário. E eu faria isso com uma preparação preliminar muito séria, para que as crianças não tivessem traumas psicológicos. É assim que se constrói uma compreensão e uma atitude adulta perante a vida.

De KabTV, “Close-up”, 11/08/09

Comente