“Carta Aberta Ao Tribunal Penal Internacional” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Carta Aberta Ao Tribunal Penal Internacional

Para: O Tribunal Penal Internacional (TPI)

Assunto: O anúncio do Tribunal de que abrirá uma investigação formal contra Israel a respeito de alegados “crimes de guerra” durante a campanha militar de 2014 denominada Operation Protective Edge (“Operação Margem Protetora”).

O promotor do TPI, Fatou Bensouda, declarou recentemente que “A decisão de abrir uma investigação foi feita após um cuidadoso exame preliminar”. Mais importante ainda, o promotor afirmou: “Meu escritório adota a mesma abordagem baseada em princípios e não partidária que adotou em todas as situações em que sua jurisdição é confiscada”, e a investigação “será conduzida de forma independente, imparcial e objetiva, sem medo ou favor”. Ao mesmo tempo, o tribunal admitiu: “O TPI não é uma panaceia, mas apenas busca … promover a responsabilização … em um esforço para deter crimes [de guerra]”.

Mas os judeus há muito se esqueceram de suas realizações. Eles também foram vítimas do ódio e se tornaram hostis ao seu próprio povo, assim como antes de se unirem pela primeira vez na antiguidade. Em tal estado, eles não podem dar um exemplo de unidade; eles só podem projetar ódio, o que fazem em abundância. E por causa da expectativa do mundo de projetar unidade, quanto mais eles se odeiam, mais o mundo os odeia e os acusa de causar guerras.

Um esforço para impedir crimes de guerra é sem dúvida um objetivo nobre, mas eu respeitosamente discordo dos meios para alcançá-lo. Eu também estou infeliz com a maneira como o povo judeu e o Estado judeu estão se comportando. No entanto, acho que para aliviar o sofrimento das partes envolvidas neste conflito, a pressão sobre Israel deve se concentrar no que Israel projeta para o mundo, e não apenas na questão dos palestinos.

Nenhuma instituição está mais preocupada com o Estado de Israel do que a ONU e suas várias subsidiárias. Muitas pessoas, judias em sua maioria, sentem que essa “obsessão” com o Estado judeu reflete um duplo padrão que decorre do antissemitismo. Eu também acredito que a ONU seja totalmente antissemita, mas também entendo por que isso acontece. Além disso, não acho que a “obsessão” por Israel seja desnecessária. Em minha opinião, é um fenômeno natural que se origina do sentimento inerente das pessoas de que Israel é uma força obstrutiva. Por esse motivo, vejo a preocupação das nações com Israel como uma tentativa de lidar com o que consideram um problema.

Concordo que Israel seja uma força obstrutiva, mas por um motivo diferente daquele que a comunidade internacional estipula. Na minha opinião, Israel é uma força obstrutiva porque a divisão interna entre os israelenses se reflete negativamente no mundo e excita conflitos em todo o mundo. As nações não culpam Israel por todas as guerras porque Israel realmente as inicia. Elas o culpam porque Israel está projetando o veneno e o ódio que causam o início das guerras. E como Israel faz isso? O ódio dos israelenses uns pelos outros reflete-se no mundo inteiro e envenena o ar de todo o planeta.

Em meu livro Como um Feixe de Juncos, eu discuto a origem e o significado do povo judeu para o bem-estar do mundo. Israel, sendo o Estado judeu, deve ser um líder no cumprimento do dever do povo judeu para com o mundo. Devemos lembrar que o povo judeu não é uma etnia em si, mas os descendentes de ancestrais que vieram de numerosas tribos, clãs e povos que habitavam o mundo antigo no Crescente Fértil. Essas pessoas se tornaram uma nação somente depois de resolverem superar sua animosidade, que se originava de suas diferentes origens e raízes. Ao terem alcançado essa união impensável, elas apresentaram ao mundo um método para eliminar o ódio, as guerras e elevar os povos do mundo a um nível de existência espiritual, onde prevalece a fraternidade global.

Bem no fundo, o povo judeu está amarrado em uma conexão inquebrável com as tribos e clãs de onde vieram. No fundo, os descendentes dessas tribos, que agora se espalharam pelo mundo, sentem essa conexão e, portanto, nunca vão parar de observar e examinar os judeus. Esses descendentes carregam consigo a memória latente das conquistas de suas antigas tribos e exigem que compartilhem seu segredo com eles. Eles exigem que os judeus ensinem ao mundo como formar aquela união acima do ódio que uma vez formaram entre si.

Mas os judeus há muito se esqueceram de suas realizações. Eles também foram vítimas do ódio e se tornaram hostis ao seu próprio povo, assim como antes de se unirem pela primeira vez na antiguidade. Em tal estado, eles não podem dar um exemplo de unidade; eles só podem projetar ódio, o que fazem em abundância. E por causa da expectativa do mundo de projetar unidade, quanto mais eles se odeiam, mais o mundo os odeia e os acusa de causar guerras.

Portanto, o TPI e todas as instituições internacionais devem focar sua atenção na unidade dos judeus entre si. Devem exigir que o Estado judeu se torne um exemplo de fraternidade em vez de inimizade, de coesão em vez de divisão. Uma vez que os judeus estiverem conectados ao mundo inteiro por meio dessas raízes há muito esquecidas, sua conexão se refletirá em toda a humanidade e mudará a atmosfera em todo o mundo. Por essa razão, se o TPI deseja que os palestinos e o mundo inteiro tenham uma vida boa, deve pressionar os judeus a serem judeus mais uma vez – unidos acima de seu ódio – e tudo o mais se seguirá.

Comente