“Onda De Frio – A Indiferença Da Natureza” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Onda De Frio – A Indiferença Da Natureza

O período de frio extremo que os Estados Unidos estão experimentando é verdadeiramente histórico. Mas então, tudo é assim hoje em dia. A sociedade americana nunca esteve tão dividida, pelo menos não desde a Guerra Civil, as diferenças entre os que têm e os que não têm nunca foram tão grandes, a pandemia da Covid forçou fechamentos históricos na América que não eram implementados pelo menos desde a gripe espanhola e o nível de violência, abuso de substâncias, insuficiência alimentar e depressão estão disparando. À luz de tudo o que está acontecendo, e tendo em mente os incêndios históricos que arderam por meses em todo o oeste e centro-oeste durante todo o verão e outono, o período de frio, por mais amargo que seja, parece mais uma continuação natural da tendência de extremismo atingindo os EUA do que um desastre inesperado. Do nível humano à natureza inanimada, tudo está quebrando recordes de intensidade e não é a favor de ninguém.

Se a América quiser sobreviver, deve reverter o curso. Assim como doutrinou seu povo a consumir em excesso, consagrar a autoindulgência, tornar-se fanático por privacidade, individualidade e direitos, agora deve fazer o oposto. Agora, deve ensinar seu povo a ver uns aos outros – com o coração, não com os olhos. Deve ensinar ao seu povo que todos dependem uns dos outros e que seu destino está selado, a menos que todos trabalhem ombro a ombro para tirar a nação do pântano.

A matemática é direta: quanto mais extremo for o egoísmo, mais extremo será o clima – tanto social quanto ambiental. A América colocou o egoísmo em um pedestal, chamou-o de “individualismo” e o consagrou em sua constituição. Nenhum país se opôs mais à natureza do que os Estados Unidos e transformou essa abordagem em sua ideologia central.

Desde que a América se tornou um modelo de individualismo, de ir contra a mutualidade na natureza, a harmonia nela, a coexistência, a natureza, por sua vez, tornou a América um exemplo das consequências da desconsideração com a lei mais básica de harmonia da natureza, alcançado através da mutualidade e do equilíbrio. O que você dá à natureza é o que você recebe em troca. Quando você dá um desprezo à natureza, ela retribui.

Se a América quiser sobreviver, deve reverter o curso. Assim como doutrinou seu povo a consumir em excesso, consagrar a autoindulgência, tornar-se fanático por privacidade, individualidade e direitos, agora deve fazer o oposto. Agora, deve ensinar seu povo a ver uns aos outros – com o coração, não com os olhos. Deve ensinar ao seu povo que todos dependem uns dos outros e que seu destino está selado, a menos que todos trabalhem ombro a ombro para tirar a nação do pântano.

A ameaça que é a Covid-19 é apenas o precursor; muitos outros perigos virão em seu rastro, e eles serão muito piores do que seu “irmão mais novo”. A única maneira de a América “esquivar-se das balas” é se unir como uma nação lutando por sua vida.

Mas a natureza não está punindo a América; está simplesmente equilibrando o extremo egoísmo que a América lhe impôs. Se a América reverter o curso, a natureza também mudará e todas as tempestades se acalmarão. A natureza fala a linguagem do equilíbrio e da harmonia. Quanto mais somos como ela, mais a entendemos e melhor ela se relaciona conosco. Se a América parar de lutar e começar a ter reciprocidade com ela, descobrirá que não precisa conquistar a natureza para construir uma vida boa para seu povo; a própria natureza fará isso por eles.

Comente